Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Estudo mostra que os homens são “imbecis”

Especial natalino da 'British Medical Journal' publica as pesquisas mais curiosas do ano

Wendy Northcutt, a criadora dos Prêmios Darwin.
Wendy Northcutt, a criadora dos Prêmios Darwin.

Muitos estudos sustentam que os homens são mais propensos a comportamentos arriscados que as mulheres. O que não fica tão claro é que pratiquem também mais atos temerários e estúpidos que não lhes tragam nenhum benefício. Um estudo publicado nesta sexta-feira traz uma das primeiras provas a favor dessa hipótese, que os autores batizaram de teoria da imbecilidade masculina, ou MIT, na sigla em inglês. O trabalho, assinado por vários médicos do Reino Unido, é publicado nesta sexta-feira no número especial de Natal da prestigiosa revista British Medical Journal, que contém estudos que seguem os padrões de qualidade científica e revisão por pares, mas com um enfoque mais livre.

Os autores buscaram provas de imbecilidade nos arquivos do prêmio Darwin. Essa sardônica distinção é dada a indivíduos que deram uma contribuição à humanidade ao morrer de forma absurda, o que em princípio evita que seus genes passem para gerações posteriores. Para dar ideia do que seja um prêmio Darwin, seu site destaca a história de um terrorista que enviou uma carta bomba sem os selos suficientes para chegar ao destinatário. Quando a carta foi devolvida, o terrorista a abriu e morreu despedaçado.

É provável que a história seja falsa, mas o prêmio coleta há anos demonstrações similares de estupidez no mundo real. Uma delas é de três homens no Camboja que jogavam num bar uma espécie de roleta russa. Eles tomavam um gole e pisavam numa mina antitanque colocada embaixo da mesa. Os três foram pelos ares, junto com o resto do bar, relato o estudo, que não informa se eles tinham tido filhos. O site do prêmio também lista dez agraciados no Brasil.

O estudo, encabeçado por John Isaacs, diretor do Instituto de Medicina Celular da Universidade de Newcastle (Reino Unido), analisou todos os premiados entre 1995 e 2014, separando-os por sexo. Dos 318 casos confirmados e válidos para a análise estatística, 282 eram homens e 36, mulheres. Os homens protagonizaram mais de 88% dos casos, o que, dizem os autores, é um resultado "estatisticamente muito significativo".

Os autores coletaram provas de imbecilidade nos arquivos do prêmio Darwin

"Esses resultados são totalmente consistentes com a teoria da imbecilidade masculina e fundamentam a hipótese de que os homens são imbecis, e os imbecis fazem idiotices", concluem os autores. Só que eles identificam muitas ressalvas. O prêmio Darwin é dado por votação anônima, e é possível que as mulheres votem mais em homens que em mulheres. Talvez também haja influência do sexo da criadora e coordenadora do prêmio, a bióloga molecular Wendy Northcutt, e parte da diferença pode ser explicada pelo maior consumo de álcool por homens que por mulheres. Em todo caso, especulam os autores, os homens premiados com um Darwin podem ter uma vantagem evolutiva sobre os outros, caso consigam sobreviver a seus atos estúpidos, embora isso ainda precise ser comprovado.

Outra pesquisa analisa por que só há revistas velhas nos consultórios médicos

Por que nos consultórios médicos só há revistas velhas? Essa é a queixa recebida de seus pacientes pelo médico Bruce Arroll, da Universidade de Auckland (Nova Zelândia). Um dia resolveu lhes dar a resposta com base em dados científicos. Seu estudo na British Medical Journal demonstra que as revistas de fofoca têm 14 vezes mais probabilidade de desaparecer que as outras. As publicações mais sisudas, como The Economist e Time sobrevivem o mês todo. A média de furto é de uma revista por dia, e a maioria das revistas levadas são as mais recentes, o que explica a queixa dos pacientes.

Extrapolado para um país como o Reino Unido, esse desaparecimento de revistas é calculado em perda mensal de mais de 12 milhões de libras (50 milhões de reais), dinheiro, dizem os autores, que poderia ter melhor uso no sistema de saúde. Como paliativo, Arroll sugere que os consultórios médicos invistam em números velhos da The Economist e da Time.

MAIS INFORMAÇÕES