Seleccione Edição
Login
O maior massacre da China moderna completa 30 anos
REUTERS

O maior massacre da China moderna completa 30 anos

16 fotos

O dia 4 de junho marca o 30º aniversário do massacre da Praça da Paz Celestial, no qual milhares de pessoas que se manifestavam para exigir democracia foram mortas por balas e esmagadas pelos tanques do Exército Popular de Libertação (ELP). Uma cronologia dos eventos, em imagens

  • Em meados de abril de 1989, dezenas de milhares de estudantes, trabalhadores e intelectuais começaram em Pequim uma série de protestos pacíficos, que se espalharam para outras cidades chinesas, dando lugar à história do chamado Movimento Pró-democracia de 1989. Na foto, estudantes carregam um cartaz em que se lê "Dê-me a democracia ou me dê a morte", durante uma manifestação na Praça da Paz Celestial em Pequim (China), em 14 de maio de 1989. No fundo, a entrada da Cidade Proibida com um retrato do falecido presidente Mao.
    1Em meados de abril de 1989, dezenas de milhares de estudantes, trabalhadores e intelectuais começaram em Pequim uma série de protestos pacíficos, que se espalharam para outras cidades chinesas, dando lugar à história do chamado Movimento Pró-democracia de 1989. Na foto, estudantes carregam um cartaz em que se lê "Dê-me a democracia ou me dê a morte", durante uma manifestação na Praça da Paz Celestial em Pequim (China), em 14 de maio de 1989. No fundo, a entrada da Cidade Proibida com um retrato do falecido presidente Mao. REUTERS
  • Um grupo de jornalistas pró-democracia se juntou às manifestações na Praça Tiananmen em 17 de maio de 1989.
    2Um grupo de jornalistas pró-democracia se juntou às manifestações na Praça Tiananmen em 17 de maio de 1989. REUTERS
  • Os manifestantes, com o apoio de grande parte da população, exigiram maior transparência do governo e reformas políticas, e reclamaram da grande corrupção e da situação econômica. Na imagem, centenas de milhares de pessoas lotam a Praça Tiananmen em frente ao Monumento aos Heróis do Povo e ao mausoléu de Mao, em 17 de maio de 1989.
    3Os manifestantes, com o apoio de grande parte da população, exigiram maior transparência do governo e reformas políticas, e reclamaram da grande corrupção e da situação econômica. Na imagem, centenas de milhares de pessoas lotam a Praça Tiananmen em frente ao Monumento aos Heróis do Povo e ao mausoléu de Mao, em 17 de maio de 1989. REUTERS
  • Em 20 de maio de 1989, o governo chinês decretou o estado de exceção e as avenidas da capital começaram a ser preenchidas com veículos blindados e caminhões carregados de soldados. Na foto, vários cidadãos cercam um comboio de 4.000 soldados em um subúrbio da cidade para impedir que eles cheguem à Praça Tiananmen em 20 de maio de 1989.
    4Em 20 de maio de 1989, o governo chinês decretou o estado de exceção e as avenidas da capital começaram a ser preenchidas com veículos blindados e caminhões carregados de soldados. Na foto, vários cidadãos cercam um comboio de 4.000 soldados em um subúrbio da cidade para impedir que eles cheguem à Praça Tiananmen em 20 de maio de 1989. REUTERS
  • Em 22 de maio de 1989, um helicóptero militar jogou panfletos na Praça Tiananmen, que alertou os estudantes de que deveriam deixar a praça o quanto antes.
    5Em 22 de maio de 1989, um helicóptero militar jogou panfletos na Praça Tiananmen, que alertou os estudantes de que deveriam deixar a praça o quanto antes. REUTERS
  • Um manifestante faz o sinal da vitória quando os trabalhadores cobrem um enorme retrato do presidente Mao no Portão da Paz Celestial da Praça Tiananmen, em 23 de maio de 1989.
    6Um manifestante faz o sinal da vitória quando os trabalhadores cobrem um enorme retrato do presidente Mao no Portão da Paz Celestial da Praça Tiananmen, em 23 de maio de 1989. REUTERS
  • Um jovem mostra um cartaz com uma caricatura do primeiro-ministro Li Peng vestido com um uniforme nazista durante uma manifestação antigovernamental na Praça Tiananmen, em Pequim, em 25 de maio de 1989.
    7Um jovem mostra um cartaz com uma caricatura do primeiro-ministro Li Peng vestido com um uniforme nazista durante uma manifestação antigovernamental na Praça Tiananmen, em Pequim, em 25 de maio de 1989. REUTERS
  • Os ativistas do 'primavera de Pequim' começaram a estabelecer assentamentos na Praça Tiananmen no final de maio de 1989. Na foto, vários apoiadores montaram uma tenda na Praça Tiananmen em 26 de maio de 1989.
    8Os ativistas do 'primavera de Pequim' começaram a estabelecer assentamentos na Praça Tiananmen no final de maio de 1989. Na foto, vários apoiadores montaram uma tenda na Praça Tiananmen em 26 de maio de 1989. REUTERS
  • Durante os protestos estudantis, os jovens chineses ergueram um monumento temporário na Praça Tiananmen, conhecida como a "Deusa da Democracia". Na foto, um grupo de ativistas trabalha na estátua em um campus perto da Praça Tiananmen em 29 de maio de 1989.
    9Durante os protestos estudantis, os jovens chineses ergueram um monumento temporário na Praça Tiananmen, conhecida como a "Deusa da Democracia". Na foto, um grupo de ativistas trabalha na estátua em um campus perto da Praça Tiananmen em 29 de maio de 1989. REUTERS
  • Vários manifestantes pró-democracia instalados em tendas na Praça Tiananmen, em 31 de maio de 1989.
    10Vários manifestantes pró-democracia instalados em tendas na Praça Tiananmen, em 31 de maio de 1989. REUTERS
  • Fim de uma manifestação na Praça Tiananmen em 1º de junho de 1989.
    11Fim de uma manifestação na Praça Tiananmen em 1º de junho de 1989. GETTY IMAGES
  • Em 2 de junho de 1989, milhares de manifestantes marcharam pelo distrito financeiro de Hong Kong pedindo democracia na China, apenas dois dias antes do massacre de Tiananmen.
    12Em 2 de junho de 1989, milhares de manifestantes marcharam pelo distrito financeiro de Hong Kong pedindo democracia na China, apenas dois dias antes do massacre de Tiananmen. REUTERS
  • Na noite de 3 a 4 de junho, os tanques do Exército Popular de Libertação (EPL) entraram nas ruas de Pequim com uma ordem brusca: expulsar a Praça Tiananmen dos milhares de manifestantes que a ocuparam. Antes das 6 da manhã. De qualquer maneira. Os soldados abriram caminho para a praça com tiros, e centenas de pessoas - mais de mil, segundo algumas fontes - morreram sob as balas do Exército e foram esmagadas pelos tanques de guerra nas ruas que levam a Tiananmen. Na imagem, um veículo blindado destrói uma das barracas instaladas na Praça Tiananmen em 4 de junho de 1989.
    13Na noite de 3 a 4 de junho, os tanques do Exército Popular de Libertação (EPL) entraram nas ruas de Pequim com uma ordem brusca: expulsar a Praça Tiananmen dos milhares de manifestantes que a ocuparam. Antes das 6 da manhã. De qualquer maneira. Os soldados abriram caminho para a praça com tiros, e centenas de pessoas - mais de mil, segundo algumas fontes - morreram sob as balas do Exército e foram esmagadas pelos tanques de guerra nas ruas que levam a Tiananmen. Na imagem, um veículo blindado destrói uma das barracas instaladas na Praça Tiananmen em 4 de junho de 1989. REUTERS
  • Às 5h40 do dia 4 de junho, Tiananmen havia sido esvaziada e o sonho de reforma e democracia de uma geração de chineses se evaporou. Na foto, várias pessoas observam o cadáver de um manifestante, massacrado pelo exército chinês durante a repressão na Praça de Tianamen, em 4 de junho de 1989.
    14Às 5h40 do dia 4 de junho, Tiananmen havia sido esvaziada e o sonho de reforma e democracia de uma geração de chineses se evaporou. Na foto, várias pessoas observam o cadáver de um manifestante, massacrado pelo exército chinês durante a repressão na Praça de Tianamen, em 4 de junho de 1989. GETTY IMAGES
  • Um homem enfrenta os tanques das forças militares na Avenida da Paz Eterna em Pequim, em 5 de junho de 1989. Durante a noite anterior, o exército chinês realizou uma brutal repressão contra os estudantes da Praça Tiananmen. A foto, tirada pelo fotógrafo americano Jeff Widener, deu a volta ao mundo e se tornaria um símbolo dos protestos em Tiananmen. Widener foi finalista do prêmio Pullitzer pela primeira vez, em 1990.
    15Um homem enfrenta os tanques das forças militares na Avenida da Paz Eterna em Pequim, em 5 de junho de 1989. Durante a noite anterior, o exército chinês realizou uma brutal repressão contra os estudantes da Praça Tiananmen. A foto, tirada pelo fotógrafo americano Jeff Widener, deu a volta ao mundo e se tornaria um símbolo dos protestos em Tiananmen. Widener foi finalista do prêmio Pullitzer pela primeira vez, em 1990. REUTERS
  • O Massacre de Tiananmen foi o maior massacre civil na China após os expurgos maoístas. Na foto, os soldados e tanques do Exército Popular de Libertação da China guardam o Portão da Paz Celestial e o retrato do presidente Mao na Praça Tiananmen em 9 de junho de 1989.
    16O Massacre de Tiananmen foi o maior massacre civil na China após os expurgos maoístas. Na foto, os soldados e tanques do Exército Popular de Libertação da China guardam o Portão da Paz Celestial e o retrato do presidente Mao na Praça Tiananmen em 9 de junho de 1989. REUTERS