Seleccione Edição
Login
Central Nuclear de Ignalina, na Lituânia, construída pelos soviéticos.
Central Nuclear de Ignalina, na Lituânia, construída pelos soviéticos.

A sombra de Chernobyl ressurge no Leste europeu

19 fotos

A Lituânia aderiu à União Europeia em 2004, mas com a condição de desmantelar a usina nuclear que garantiu sua independência energética de Moscou

Ignalina (Lituania)
  • Os dois reatores da usina nuclear de Ignalina ainda precisam ser desmontados. O calendário estipula que esta área estará livre de contaminação em 2038. Enquanto a Lituânia desmantela uma usina nuclear da era soviética, o Kremlin financia na vizinha Bielorrússia a construção de outra que preocupa a União Europeia.
    1Os dois reatores da usina nuclear de Ignalina ainda precisam ser desmontados. O calendário estipula que esta área estará livre de contaminação em 2038. Enquanto a Lituânia desmantela uma usina nuclear da era soviética, o Kremlin financia na vizinha Bielorrússia a construção de outra que preocupa a União Europeia.
  • Ina Daukšienė visitou durante 25 anos a fábrica de Ignalina para fazer revisões. A usina nuclear de Ignalina, no nordeste da Lituânia, é um túnel do tempo para a União Soviética na década de 1980. O alfabeto cirílico pinta os sinais de cada canto e os trabalhadores que envelhecem falam apenas russo. Do bolso do peito de seus casacos brancos pende a mesma fotografia que eles fizeram quando vieram trabalhar aqui 30 anos atrás: menos rugas, mais cabelo, mais sorrisos, são as imagens que indicam que todo o tempo passado era melhor.
    2Ina Daukšienė visitou durante 25 anos a fábrica de Ignalina para fazer revisões. A usina nuclear de Ignalina, no nordeste da Lituânia, é um túnel do tempo para a União Soviética na década de 1980. O alfabeto cirílico pinta os sinais de cada canto e os trabalhadores que envelhecem falam apenas russo. Do bolso do peito de seus casacos brancos pende a mesma fotografia que eles fizeram quando vieram trabalhar aqui 30 anos atrás: menos rugas, mais cabelo, mais sorrisos, são as imagens que indicam que todo o tempo passado era melhor.
  • Operadores percorrem os longos corredores da usina nuclear soviética em Ignalina (na Lituânia). Esta planta estava cheia de vida há quatro décadas. Aqui trabalharam 5.000 físicos nucleares e engenheiros treinados nas universidades mais prestigiadas da União Soviética. Agora a atmosfera é menos promissora. A esperança daqueles anos para construir esta infraestrutura se transformou em pura resignação. "Herdamos a planta com seus benefícios, mas também seus problemas", diz Audrius Kamienas, gerente geral da fábrica, que diz que "em 2038 tudo isso será um campo, sem contaminação".
    3Operadores percorrem os longos corredores da usina nuclear soviética em Ignalina (na Lituânia). Esta planta estava cheia de vida há quatro décadas. Aqui trabalharam 5.000 físicos nucleares e engenheiros treinados nas universidades mais prestigiadas da União Soviética. Agora a atmosfera é menos promissora. A esperança daqueles anos para construir esta infraestrutura se transformou em pura resignação. "Herdamos a planta com seus benefícios, mas também seus problemas", diz Audrius Kamienas, gerente geral da fábrica, que diz que "em 2038 tudo isso será um campo, sem contaminação".
  • Audrius Kamienas, diretor geral da usina nuclear de Ignalina. A Lituânia, a primeira república socialista soviética a recuperar sua soberania de Moscou em 1991, entrou na União Europeia em 2004 com uma condição: desmantelar Ignalina. Este passo significava livrar-se não apenas de sua mais preciosa fonte de energia, mas também de sua recém-recuperada independência energética. 80% da eletricidade do país foi gerada nessa enorme massa de cimento cinza, uma usina com dois reatores unidos por um corredor de quase um quilômetro que não obedecia, porém, aos padrões de segurança do Ocidente.
    4Audrius Kamienas, diretor geral da usina nuclear de Ignalina. A Lituânia, a primeira república socialista soviética a recuperar sua soberania de Moscou em 1991, entrou na União Europeia em 2004 com uma condição: desmantelar Ignalina. Este passo significava livrar-se não apenas de sua mais preciosa fonte de energia, mas também de sua recém-recuperada independência energética. 80% da eletricidade do país foi gerada nessa enorme massa de cimento cinza, uma usina com dois reatores unidos por um corredor de quase um quilômetro que não obedecia, porém, aos padrões de segurança do Ocidente.
  • Um dos dois reatores nucleares de Ignalina. A União Europeia considera que ambos os reatores são mais perigosos do que o que explodiu em Chernobyl (Ucrânia) em 1986. O desmantelamento da usina - que começou em 2010 e deve ser concluído em 2038 -, paradoxalmente, implica o risco de maior dependência do mercado russo, que é mais próximo e mais barato. "De um dia para o outro, deixamos de ser exportadores de energia para ser importadores", diz o ministro da Energia, Žygimantas Vaiciunas, do seu escritório no centro de Vilnius, a capital do país, com pouco mais de três milhões de habitantes.
    5Um dos dois reatores nucleares de Ignalina. A União Europeia considera que ambos os reatores são mais perigosos do que o que explodiu em Chernobyl (Ucrânia) em 1986. O desmantelamento da usina - que começou em 2010 e deve ser concluído em 2038 -, paradoxalmente, implica o risco de maior dependência do mercado russo, que é mais próximo e mais barato. "De um dia para o outro, deixamos de ser exportadores de energia para ser importadores", diz o ministro da Energia, Žygimantas Vaiciunas, do seu escritório no centro de Vilnius, a capital do país, com pouco mais de três milhões de habitantes.
  • Detalhe de uma dos sinais escritos em russo da central nuclear, da época da União Soviética, em Ignalina, Lituânia. Dois terços da eletricidade consumida pelos lituanos são comprados de países nórdicos e o restante, da Rússia e da Bielorrússia. Quanto ao petróleo, a Lituânia já alcançou a independência da Rússia nos anos noventa e, quanto ao gás, em 2014. Há anos, e de acordo com as orientações de Bruxelas, a República Báltica tem dedicado todos os meios para dissociar-se completamente de Moscou no campo elétrico até 2025.
    6Detalhe de uma dos sinais escritos em russo da central nuclear, da época da União Soviética, em Ignalina, Lituânia. Dois terços da eletricidade consumida pelos lituanos são comprados de países nórdicos e o restante, da Rússia e da Bielorrússia. Quanto ao petróleo, a Lituânia já alcançou a independência da Rússia nos anos noventa e, quanto ao gás, em 2014. Há anos, e de acordo com as orientações de Bruxelas, a República Báltica tem dedicado todos os meios para dissociar-se completamente de Moscou no campo elétrico até 2025.
  • Alexander Jegorov na sala de controle da usina nuclear de Ignalina (Lituânia). Enquanto uma usina nuclear morre, outra nasce. Por cerca de seis anos, o governo russo (através da empresa pública Rosatom) mexeu seus pauzinhos em um espaço estratégico no continente: Bielorrúsia. Em Astravets, a apenas 20 quilômetros da fronteira com a Lituânia, Minsk começou a construir uma usina nuclear com financiamento russo - as autoridades lituanas estimaram em 11 bilhões de dólares (44 bilhões de reais) - colocando a Lituânia em xeque, afinal, "é um território comunitário", insistem fontes do governo em Vilnius. "[A construção de Astravets] é um exemplo claro de uma guerra híbrida", insistiu o ministro Vaiciunas em março, comparando a situação com a do leste da Ucrânia em 2014, que se materializou na anexação da Criméia pela Rússia.
    7Alexander Jegorov na sala de controle da usina nuclear de Ignalina (Lituânia). Enquanto uma usina nuclear morre, outra nasce. Por cerca de seis anos, o governo russo (através da empresa pública Rosatom) mexeu seus pauzinhos em um espaço estratégico no continente: Bielorrúsia. Em Astravets, a apenas 20 quilômetros da fronteira com a Lituânia, Minsk começou a construir uma usina nuclear com financiamento russo - as autoridades lituanas estimaram em 11 bilhões de dólares (44 bilhões de reais) - colocando a Lituânia em xeque, afinal, "é um território comunitário", insistem fontes do governo em Vilnius. "[A construção de Astravets] é um exemplo claro de uma guerra híbrida", insistiu o ministro Vaiciunas em março, comparando a situação com a do leste da Ucrânia em 2014, que se materializou na anexação da Criméia pela Rússia.
  • Vista a partir do interior de um dos corredores da central nuclear de Ignalina. Darius Degutis, um conselheiro de energia nuclear no Ministério dos Negócios Estrangeiros da Lituânia, enumera a gravidade da construção da fábrica de Astravets: não há estudo de impacto ambiental, é uma área com risco de atividade sísmica e existem 1,3 milhão de pessoas vivendo dentro do perímetro de segurança de 100 quilômetros. "É a primeira usina nuclear construída tão perto de uma cidade depois do desastre de Fukushima em 2011", diz.
    8Vista a partir do interior de um dos corredores da central nuclear de Ignalina. Darius Degutis, um conselheiro de energia nuclear no Ministério dos Negócios Estrangeiros da Lituânia, enumera a gravidade da construção da fábrica de Astravets: não há estudo de impacto ambiental, é uma área com risco de atividade sísmica e existem 1,3 milhão de pessoas vivendo dentro do perímetro de segurança de 100 quilômetros. "É a primeira usina nuclear construída tão perto de uma cidade depois do desastre de Fukushima em 2011", diz.
  • Uma mulher passa por um dos muitos controles que asseguram que a radioatividade não sai da usina nuclear de Ignalina, na Lituânia. A inquietação que a ameaça nuclear desperta não diminui. Olhando para o futuro, para o caso do novo centro da Bielorrússia. Olhando para trás, para a antiga fábrica da Lituânia, cujos reatores são considerados pela União Europeia mais perigosos do que o que explodiu em Chernobyl (Ucrânia) em 1986. "Até agora, as turbinas e o sistema elétrico foram desmontados", explica Kamienas. O diretor da fábrica reconhece que o mais importante ainda está por vir: precisamente, os dois reatores.
    9Uma mulher passa por um dos muitos controles que asseguram que a radioatividade não sai da usina nuclear de Ignalina, na Lituânia. A inquietação que a ameaça nuclear desperta não diminui. Olhando para o futuro, para o caso do novo centro da Bielorrússia. Olhando para trás, para a antiga fábrica da Lituânia, cujos reatores são considerados pela União Europeia mais perigosos do que o que explodiu em Chernobyl (Ucrânia) em 1986. "Até agora, as turbinas e o sistema elétrico foram desmontados", explica Kamienas. O diretor da fábrica reconhece que o mais importante ainda está por vir: precisamente, os dois reatores.
  • Um dos painéis da sala de controle da usina nuclear de Ignalina, na Ucrânia. O metal em Ignalina é equivalente a cerca de 16 torres Eiffel, das quais 14,5 estariam completamente contaminadas. O trabalho é enorme, mas, para isso, a União Europeia financia 85% da destruição da usina nuclear e o restante é pago pela república báltica. "Acreditamos que é um acordo justo", diz o diretor que, apesar de estipular o custo total em 3,4 bilhões de euros, diz que faltam mais 1,3 bilhões até 2027. É por isso que eles revendem o metal descontaminado e os dois milhões anuais que tiram como lucro são reinvestidos em continuar a desmantelar a gigante nuclear.
    10Um dos painéis da sala de controle da usina nuclear de Ignalina, na Ucrânia. O metal em Ignalina é equivalente a cerca de 16 torres Eiffel, das quais 14,5 estariam completamente contaminadas. O trabalho é enorme, mas, para isso, a União Europeia financia 85% da destruição da usina nuclear e o restante é pago pela república báltica. "Acreditamos que é um acordo justo", diz o diretor que, apesar de estipular o custo total em 3,4 bilhões de euros, diz que faltam mais 1,3 bilhões até 2027. É por isso que eles revendem o metal descontaminado e os dois milhões anuais que tiram como lucro são reinvestidos em continuar a desmantelar a gigante nuclear.
  • Zenobija Mikelevič, 50 anos, e o seu marido, Antanas Mikelevičius, engenheiro hidráulico de 57 anos, vivem na fronteira com a Bielorrússia, onde é construída uma central nuclear que não cumpre as normas europeias e representa uma ameaça para a Lituânia e a região de Báltico.
    11Zenobija Mikelevič, 50 anos, e o seu marido, Antanas Mikelevičius, engenheiro hidráulico de 57 anos, vivem na fronteira com a Bielorrússia, onde é construída uma central nuclear que não cumpre as normas europeias e representa uma ameaça para a Lituânia e a região de Báltico.
  • Visão do desmantelamento e descontaminação da central nuclear de Ignalina, na Lituânia. O último reduto soviético em território comunitário é agonizante. Alexander Jegorov, um engenheiro físico nuclear de 60 anos, passou toda a sua vida controlando a radioatividade das turbinas de Ignalina. Mas os botões e telas que cobrem a sala de controle oval não piscam mais. Dormem. Alexander relutantemente resume como se sente: "Triste".
    12Visão do desmantelamento e descontaminação da central nuclear de Ignalina, na Lituânia. O último reduto soviético em território comunitário é agonizante. Alexander Jegorov, um engenheiro físico nuclear de 60 anos, passou toda a sua vida controlando a radioatividade das turbinas de Ignalina. Mas os botões e telas que cobrem a sala de controle oval não piscam mais. Dormem. Alexander relutantemente resume como se sente: "Triste".
  • Parte do painel de controle da usina nuclear de Ignalina, na Lituânia, onde os controles são escritos em russo. A fábrica foi construída nos anos oitenta, quando a Lituânia ainda fazia parte da União Soviética.
    13Parte do painel de controle da usina nuclear de Ignalina, na Lituânia, onde os controles são escritos em russo. A fábrica foi construída nos anos oitenta, quando a Lituânia ainda fazia parte da União Soviética.
  • Alexander Jegorov, 60 anos, diz estar triste com o desmantelamento do que foi sua vida nos últimos 30 anos.
    14Alexander Jegorov, 60 anos, diz estar triste com o desmantelamento do que foi sua vida nos últimos 30 anos.
  • Armazém de resíduos nucleares na central eléctrica de Ignalina, na Lituânia.
    15Armazém de resíduos nucleares na central eléctrica de Ignalina, na Lituânia.
  • Um trabalhador deixa sua ficha ao sair da fábrica. Os espaços vazios são dos empregados que ainda estão em seus empregos ou dos mais de 3.500 que se demitiram por causa da direção que a fábrica tinha que tomar: seu fechamento.
    16Um trabalhador deixa sua ficha ao sair da fábrica. Os espaços vazios são dos empregados que ainda estão em seus empregos ou dos mais de 3.500 que se demitiram por causa da direção que a fábrica tinha que tomar: seu fechamento.
  • Vista de uma das principais avenidas de Visaginas, a cidade mais próxima da usina nuclear, que está perdendo moradores desde que foi decidido desmantelar a usina quando a Lituânia entrou na União Europeia.
    17Vista de uma das principais avenidas de Visaginas, a cidade mais próxima da usina nuclear, que está perdendo moradores desde que foi decidido desmantelar a usina quando a Lituânia entrou na União Europeia.
  • Žygimantas Vaičiūnas, ministro da Energia da Lituânia, em seu escritório em Vilnius, a capital do país de pouco mais de três milhões de habitantes.
    18Žygimantas Vaičiūnas, ministro da Energia da Lituânia, em seu escritório em Vilnius, a capital do país de pouco mais de três milhões de habitantes.
  • Entrada principal de Ignalina, a central nuclear soviética na Lituânia.
    19Entrada principal de Ignalina, a central nuclear soviética na Lituânia.