Seleccione Edição
Login
Retratos de crianças abandonados em Caracas.
Retratos de crianças abandonados em Caracas. EFE

Infância abandonada nas ruas de Caracas

14 fotos

As ruas da capital venezuelana estão cheias de crianças que correm, riem, tomam banho em rios sujos, procuram comida no lixo e também consomem drogas. Esses menores mostram uma das muitas faces da grave crise econômica e social que assola o país petroleiro que é a Venezuela

  • Ángel, recém-nascido, dorme no berço com sua mãe, Liliana, na maternidade "Concepción Palacios", em Caracas, Venezuela. Logo após o parto, descobriu-se que Liliana sofre de sífilis e seu bebê foi ligeiramente afetado por essa doença sexualmente transmissível.
    1Ángel, recém-nascido, dorme no berço com sua mãe, Liliana, na maternidade "Concepción Palacios", em Caracas, Venezuela. Logo após o parto, descobriu-se que Liliana sofre de sífilis e seu bebê foi ligeiramente afetado por essa doença sexualmente transmissível. EFE
  • Um grupo de crianças atravessou uma rodovia depois de procurar uma bolsa com roupas escondidas no município de Chacao, em Caracas. Nenhuma instituição, pública ou privada, tem números ou uma estimativa da quantidade de crianças e adolescentes que vivem hoje nas ruas da Venezuela, mas a situação é óbvia.
    2Um grupo de crianças atravessou uma rodovia depois de procurar uma bolsa com roupas escondidas no município de Chacao, em Caracas. Nenhuma instituição, pública ou privada, tem números ou uma estimativa da quantidade de crianças e adolescentes que vivem hoje nas ruas da Venezuela, mas a situação é óbvia. EFE
  • Jesus, 16 anos, come algo que encontrou em um saco de lixo, em Las Mercedes, em Caracas, na Venezuela. Ele está na rua há quatro anos. "Eu não sou de Caracas, eu morava em Maracay (costa central) com minha mãe, 3 irmãos e alguns tios. Meu pai está morto porque ele foi baleado com uma espingarda, ele tinha má conduta. Saí de casa porque não me sentia bem lá, porque lutavam muito pela comida, que não era suficiente para todos, cansei", diz Jesus.
    3Jesus, 16 anos, come algo que encontrou em um saco de lixo, em Las Mercedes, em Caracas, na Venezuela. Ele está na rua há quatro anos. "Eu não sou de Caracas, eu morava em Maracay (costa central) com minha mãe, 3 irmãos e alguns tios. Meu pai está morto porque ele foi baleado com uma espingarda, ele tinha má conduta. Saí de casa porque não me sentia bem lá, porque lutavam muito pela comida, que não era suficiente para todos, cansei", diz Jesus. EFE
  • Três adolescentes, de 14 e 15 anos, posam para retratos nas ruas que foram seus lares nos últimos anos. Paola saiu de casa aos 13 anos e já é adolescente. Lá, ao ar livre, ela diz que é mais feliz do que em casa, onde o namorado de sua mãe a rejeita, enquanto fora de casa ela pode fazer o que quiser. "A pior coisa que tive de viver na rua é que eles queriam me matar, e quase conseguiram", diz Paola, "um sujeito maior do que eu achava que eu o tinha acusado para a polícia sobre seus assuntos estranhos, então um dia ele me seguiu com amigos dele, pegou uma garrafa, quebrou e enterrou o bico no meu pescoço ".
    4Três adolescentes, de 14 e 15 anos, posam para retratos nas ruas que foram seus lares nos últimos anos. Paola saiu de casa aos 13 anos e já é adolescente. Lá, ao ar livre, ela diz que é mais feliz do que em casa, onde o namorado de sua mãe a rejeita, enquanto fora de casa ela pode fazer o que quiser. "A pior coisa que tive de viver na rua é que eles queriam me matar, e quase conseguiram", diz Paola, "um sujeito maior do que eu achava que eu o tinha acusado para a polícia sobre seus assuntos estranhos, então um dia ele me seguiu com amigos dele, pegou uma garrafa, quebrou e enterrou o bico no meu pescoço ". EFE
  • Um grupo de crianças vaga sem rumo no município de Chacao, em Caracas, Venezuela. Em 1998, na primeira conferência de imprensa que concedeu depois de vencer as eleições presidenciais, o falecido presidente Hugo Chávez e promotor da chamada revolução bolivariana disse: "Eu me proíbo, Hugo Chávez proíbe a si mesmo que haja crianças de rua na Venezuela em meu Governo, eu me proíbo, não pode haver crianças de rua na Venezuela ".
    5Um grupo de crianças vaga sem rumo no município de Chacao, em Caracas, Venezuela. Em 1998, na primeira conferência de imprensa que concedeu depois de vencer as eleições presidenciais, o falecido presidente Hugo Chávez e promotor da chamada revolução bolivariana disse: "Eu me proíbo, Hugo Chávez proíbe a si mesmo que haja crianças de rua na Venezuela em meu Governo, eu me proíbo, não pode haver crianças de rua na Venezuela ". EFE
  • Rafael, 14, mostra um pedaço de fio de metal que sai de uma ferida infectada em sua mão, depois de fraturá-la meses atrás, pulando um muro.
    6Rafael, 14, mostra um pedaço de fio de metal que sai de uma ferida infectada em sua mão, depois de fraturá-la meses atrás, pulando um muro. EFE
  • Paola, de 15 anos, conta o dinheiro arrecadado em um semáforo em Las Mercedes. De acordo com as últimas previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI), a hiperinflação no país sul-americano atingirá 10.000.000% em 2019.
    7Paola, de 15 anos, conta o dinheiro arrecadado em um semáforo em Las Mercedes. De acordo com as últimas previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI), a hiperinflação no país sul-americano atingirá 10.000.000% em 2019. EFE
  • A fotografia mostra o leito de uma criança que mora na "Casa Hogar Santo Domingo Sávio", no setor de Palo Verde, em Caracas, Venezuela. Miguel Rebolledo, coordenador da casa que recebe adolescentes em condição de rua, disse que hoje há um dramático abandono de crianças no país, especialmente pela mãe, embora muitos dos depoimentos ouvidos deem conta da ausência total do pai.
    8A fotografia mostra o leito de uma criança que mora na "Casa Hogar Santo Domingo Sávio", no setor de Palo Verde, em Caracas, Venezuela. Miguel Rebolledo, coordenador da casa que recebe adolescentes em condição de rua, disse que hoje há um dramático abandono de crianças no país, especialmente pela mãe, embora muitos dos depoimentos ouvidos deem conta da ausência total do pai. EFE
  • Um grupo de crianças come produtos encontrados em sacos de lixo nas margens do rio Guaire, em Caracas, na Venezuela. As crianças de rua ficam felizes quando lhes dão comida, mas a maior felicidade é quando recebem dinheiro porque correm para comprar as drogas que as abstraem do mundo.
    9Um grupo de crianças come produtos encontrados em sacos de lixo nas margens do rio Guaire, em Caracas, na Venezuela. As crianças de rua ficam felizes quando lhes dão comida, mas a maior felicidade é quando recebem dinheiro porque correm para comprar as drogas que as abstraem do mundo. EFE
  • Luis, 13 anos, faz, dos bolívares desvalorizados que ninguém quer mais, artesanato para venda. Em agosto de 2018, a Venezuela formalizou a desvalorização de sua moeda em 95,8% com uma nova taxa de câmbio única. O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou para o risco de perda de 60% da riqueza per capita entre 2013 e 2023, número que se assemelha à história recente do empobrecimento sofrido pela população de países em guerra ou imerso em processos revolucionários.
    10Luis, 13 anos, faz, dos bolívares desvalorizados que ninguém quer mais, artesanato para venda. Em agosto de 2018, a Venezuela formalizou a desvalorização de sua moeda em 95,8% com uma nova taxa de câmbio única. O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou para o risco de perda de 60% da riqueza per capita entre 2013 e 2023, número que se assemelha à história recente do empobrecimento sofrido pela população de países em guerra ou imerso em processos revolucionários. EFE
  • Crianças de recursos limitados almoçam em uma sala de jantar comunitária do programa "Caracas Mi Convive", no bairro de Carapita, em Caracas, Venezuela. Essas crianças, em sua maioria, ocupam espaços públicos no leste de Caracas, onde, além de implorar, criaram um sistema elaborado para sobreviver.
    11Crianças de recursos limitados almoçam em uma sala de jantar comunitária do programa "Caracas Mi Convive", no bairro de Carapita, em Caracas, Venezuela. Essas crianças, em sua maioria, ocupam espaços públicos no leste de Caracas, onde, além de implorar, criaram um sistema elaborado para sobreviver. EFE
  • Alexander, de 16 anos, rasteja no chão em frente à fachada de um shopping center no município de Chacao, em Caracas. Ele não pode andar por um machucado no pé.
    12Alexander, de 16 anos, rasteja no chão em frente à fachada de um shopping center no município de Chacao, em Caracas. Ele não pode andar por um machucado no pé. EFE
  • Katiuska, de 19 anos, segura sua filha de seis meses, Neúcari, enquanto se escondia de guardas de segurança no estacionamento de um shopping center no município de Chacao.
    13Katiuska, de 19 anos, segura sua filha de seis meses, Neúcari, enquanto se escondia de guardas de segurança no estacionamento de um shopping center no município de Chacao. EFE
  • Daninyer de 12 anos; Gabriel, 19 anos; Katiuska, 19 anos, e Neucai, 6 meses de idade, se refugiam em um prédio abandonado sob uma estrada no setor de Chacao, em Caracas, Venezuela.
    14Daninyer de 12 anos; Gabriel, 19 anos; Katiuska, 19 anos, e Neucai, 6 meses de idade, se refugiam em um prédio abandonado sob uma estrada no setor de Chacao, em Caracas, Venezuela. EFE