Seleccione Edição
Login

Fome em Caracas

10 fotos

A crise econômica, social e política na Venezuela transformou Caracas em uma das cidades mais perigosas do planeta. Nela cerca de 40 pessoas morrem por dia. E a fome se tornou um catalisador para a violência: muitos dos crimes - de homicídios a sequestros - estão relacionados à escassez de alimentos

  • Prisioneiros pedem comida e água em suas celas em uma delegacia de polícia em Caracas.
    1Prisioneiros pedem comida e água em suas celas em uma delegacia de polícia em Caracas.
  • Roxana Gutiérrez (19 anos) cuida de seu filho em casa em um bairro humilde de Caracas. Ela e o marido, Carlos (20 anos), tinham empregos estáveis, mas a falta de suprimentos levou Carlos a sair uma noite para roubar motocicletas. Ele foi preso pela polícia e hoje está cumprindo sua sentença.
    2Roxana Gutiérrez (19 anos) cuida de seu filho em casa em um bairro humilde de Caracas. Ela e o marido, Carlos (20 anos), tinham empregos estáveis, mas a falta de suprimentos levou Carlos a sair uma noite para roubar motocicletas. Ele foi preso pela polícia e hoje está cumprindo sua sentença.
  • O bairro de Petare, em Caracas, o mais perigoso da Venezuela e um dos mais inseguros da América Latina.
    3O bairro de Petare, em Caracas, o mais perigoso da Venezuela e um dos mais inseguros da América Latina.
  • Mayra Castro (37 anos) prepara comida em seu barraco em Petare. Sua filha mais nova, ela diz, morreu de fome com um ano. "Quando eu a levei para o hospital, o médico me disse que eu deveria alimentá-la com um pouco de frango ou carne, mas como eu poderia comprar galinha?"
    4Mayra Castro (37 anos) prepara comida em seu barraco em Petare. Sua filha mais nova, ela diz, morreu de fome com um ano. "Quando eu a levei para o hospital, o médico me disse que eu deveria alimentá-la com um pouco de frango ou carne, mas como eu poderia comprar galinha?"
  • Um grupo de crianças procura comida entre o lixo de um grande centro comercial. Segundo a Cáritas, 53% das famílias foram obrigadas a procurar por alimentos em "lugares não convencionais", o que costuma ser um eufemismo para se referir aos resíduos.
    5Um grupo de crianças procura comida entre o lixo de um grande centro comercial. Segundo a Cáritas, 53% das famílias foram obrigadas a procurar por alimentos em "lugares não convencionais", o que costuma ser um eufemismo para se referir aos resíduos.
  • Polícia patrulha o bairro de La Cruz. A Venezuela, atravessada por uma crise política, social e econômica, é um dos países mais perigosos do mundo e está sulcada pela escassez: segundo a Cáritas, uma família precisa de 98 salários mínimos para comprar alimentos básicos.
    6Polícia patrulha o bairro de La Cruz. A Venezuela, atravessada por uma crise política, social e econômica, é um dos países mais perigosos do mundo e está sulcada pela escassez: segundo a Cáritas, uma família precisa de 98 salários mínimos para comprar alimentos básicos.
  • Um policial acaba de prender um suspeito que esfaqueou outro para roubá-lo.
    7Um policial acaba de prender um suspeito que esfaqueou outro para roubá-lo.
  • Incursão em Caracas, a segunda cidade do mundo com a maior taxa de homicídios (111 por 100.000 habitantes) depois de Los Cabos (México).
    8Incursão em Caracas, a segunda cidade do mundo com a maior taxa de homicídios (111 por 100.000 habitantes) depois de Los Cabos (México).
  • Um adolescente, membro de uma gangue de sequestradores, observa pela janela. Com apenas 15 anos, ele se uniu aos bandidos, segundo conta, para poder sustentar sua família financeiramente.
    9Um adolescente, membro de uma gangue de sequestradores, observa pela janela. Com apenas 15 anos, ele se uniu aos bandidos, segundo conta, para poder sustentar sua família financeiramente.
  • Uma mulher chora durante o funeral de seu marido, Keiber Cubero (25 anos). Pai de uma menina, Keiber saiu uma noite com outros dois companheiros para roubar comida em um restaurante, mas eles foram interceptados e mortos a tiros pela polícia. 95% dos homicídios na Venezuela ficam impunes.
    10Uma mulher chora durante o funeral de seu marido, Keiber Cubero (25 anos). Pai de uma menina, Keiber saiu uma noite com outros dois companheiros para roubar comida em um restaurante, mas eles foram interceptados e mortos a tiros pela polícia. 95% dos homicídios na Venezuela ficam impunes.