Seleccione Edição
Login
15 bissexuais famosos que a história quis apagar
15 fotos

15 bissexuais famosos que a história quis apagar

O apagamento bissexual é a tendência a ignorar, eliminar, falsificar ou reexplicar as evidências de bissexualidade nos registros históricos. Esse foi o caso de algumas estrelas conhecidas do grande público

  • Freddie Mercury. Um artista único que era bissexual assumido. Mercury é um dos maiores expoentes da bi-erasure, ou quando historicamente a bissexualidade é omitida para atribuir a uma determinada pessoa o rótulo de gay ou hétero. Um fato que ganhou relevância novamente algumas semanas atrás, quando foi lançado o trailer de Bohemian Rhapsody – a cinebiografia estrelada por Rami Malek no papel de Mercury – e Bryan Fuller, roteirista de American Gods, lamentou em suas redes sociais que o clipe destacasse somente um relacionamento com uma mulher (a do cantor com Mary Austin) e tentasse esconder o máximo possível sua bissexualidade.
    1Freddie Mercury. Um artista único que era bissexual assumido. Mercury é um dos maiores expoentes da bi-erasure, ou quando historicamente a bissexualidade é omitida para atribuir a uma determinada pessoa o rótulo de gay ou hétero. Um fato que ganhou relevância novamente algumas semanas atrás, quando foi lançado o trailer de Bohemian Rhapsody – a cinebiografia estrelada por Rami Malek no papel de Mercury – e Bryan Fuller, roteirista de American Gods, lamentou em suas redes sociais que o clipe destacasse somente um relacionamento com uma mulher (a do cantor com Mary Austin) e tentasse esconder o máximo possível sua bissexualidade. Getty
  • Gloria Fuertes. Sobre esse mesmo esquecimento histórico dos bissexuais falou a usuária do Twitter @asadafyo, que destacou em suas redes como a Espanha deu como fato consumado que uma das maiores poetas do país era lésbica. “Ela amava, muito, independentemente do gênero”, lembrou há alguns meses a curadora Paloma Porpetta em uma retrospectiva da artista madrilenha.
    2Gloria Fuertes. Sobre esse mesmo esquecimento histórico dos bissexuais falou a usuária do Twitter @asadafyo, que destacou em suas redes como a Espanha deu como fato consumado que uma das maiores poetas do país era lésbica. “Ela amava, muito, independentemente do gênero”, lembrou há alguns meses a curadora Paloma Porpetta em uma retrospectiva da artista madrilenha. Getty
  • Joan Crawford. Mãe de quatro filhos e casada quatro vezes, a vida apaixonante de Joan Crawford foi recentemente resgatada em Feud, mas pouco se falou sobre sua bissexualidade assumida, ao menos no círculo familiar. Uma de suas filhas, Christina, confirmou em 2010 uma relação com Joy Behar. “Eu era muito pequena, mas sempre soube que sim, que estavam juntas. Naquela época, as pessoas não saíam do armário. Simplesmente se sabia, mas não era de domínio público. Não importava se as pessoas fossem gays, héteros, assassinas ou pedófilas. Tudo era mantido em segredo. De repente, pouco a pouco, os estúdios perderam o poder sobre as estrelas e a verdade começou a vir à luz. Sim, ela era bissexual. Isso é o que eu acredito.”
    3Joan Crawford. Mãe de quatro filhos e casada quatro vezes, a vida apaixonante de Joan Crawford foi recentemente resgatada em Feud, mas pouco se falou sobre sua bissexualidade assumida, ao menos no círculo familiar. Uma de suas filhas, Christina, confirmou em 2010 uma relação com Joy Behar. “Eu era muito pequena, mas sempre soube que sim, que estavam juntas. Naquela época, as pessoas não saíam do armário. Simplesmente se sabia, mas não era de domínio público. Não importava se as pessoas fossem gays, héteros, assassinas ou pedófilas. Tudo era mantido em segredo. De repente, pouco a pouco, os estúdios perderam o poder sobre as estrelas e a verdade começou a vir à luz. Sim, ela era bissexual. Isso é o que eu acredito.” Getty
  • Richard Avedon. Norma Stevens, studio manager do famoso fotógrafo durante mais de 30 anos, e Steven M. L. Aronson, escritor que conheceu Avedon durante mais de quatro décadas, defenderam a bissexualidade do fotógrafo –e uma suposta relação de dez anos com Mike Nichols– na polêmica biografia Avedon: Something Personal.
    4Richard Avedon. Norma Stevens, studio manager do famoso fotógrafo durante mais de 30 anos, e Steven M. L. Aronson, escritor que conheceu Avedon durante mais de quatro décadas, defenderam a bissexualidade do fotógrafo –e uma suposta relação de dez anos com Mike Nichols– na polêmica biografia Avedon: Something Personal. Getty
  • Joan Baez. A cantora, compositora e ativista norte-americana –que chegou a se casar e ter um filho–, não tem nenhum problema em admitir que teve um affaire com uma mulher.
    5Joan Baez. A cantora, compositora e ativista norte-americana –que chegou a se casar e ter um filho–, não tem nenhum problema em admitir que teve um affaire com uma mulher. Getty
  • Billie Holliday. Na intensa vida da vocalista de jazz, a artista manteve relações com homens e mulheres. Com o passar do tempo tornaram-se públicas as provas de seu affaire com a atriz Tallulah Bankhead, algo que esta tentou esconder na época. Quando a polícia pegou Holliday com ópio, Bankhead veio interceder junto ao diretor do FBI, J. Edgar Hoover –amigo de seu pai–, pela sua libertação. Depois vieram os enfrentamentos, quando Bankhead ameaçou processar Billie Holliday se ela a incluísse em sua autobiografia Lady Sings the Blues. Depois de algumas cartas venenosas, no final a atriz foi retratada no livro como “uma amiga que às vezes vinha em casa para comer espaguete”.
    6Billie Holliday. Na intensa vida da vocalista de jazz, a artista manteve relações com homens e mulheres. Com o passar do tempo tornaram-se públicas as provas de seu affaire com a atriz Tallulah Bankhead, algo que esta tentou esconder na época. Quando a polícia pegou Holliday com ópio, Bankhead veio interceder junto ao diretor do FBI, J. Edgar Hoover –amigo de seu pai–, pela sua libertação. Depois vieram os enfrentamentos, quando Bankhead ameaçou processar Billie Holliday se ela a incluísse em sua autobiografia Lady Sings the Blues. Depois de algumas cartas venenosas, no final a atriz foi retratada no livro como “uma amiga que às vezes vinha em casa para comer espaguete”. Getty
  • Cary Grant. O ator teve uma vida marcante, além de ter estrelado filmes históricos em mais de 60 obras, vendeu gravatas, foi gigolô de homens e mulheres da alta sociedade e praticou uma bissexualidade notória no meio artístico, mas silenciada publicamente. Casou-se cinco vezes e teve uma filha, Jennifer Grant. De acordo com alguns biógrafos, manteve um relacionamento com o ator Randolph Scott e outro com o figurinista Orry-Kelly. Também se falou de um caso com Sophia Loren durante as filmagens de Orgulho e Paixão, na Espanha.
    7Cary Grant. O ator teve uma vida marcante, além de ter estrelado filmes históricos em mais de 60 obras, vendeu gravatas, foi gigolô de homens e mulheres da alta sociedade e praticou uma bissexualidade notória no meio artístico, mas silenciada publicamente. Casou-se cinco vezes e teve uma filha, Jennifer Grant. De acordo com alguns biógrafos, manteve um relacionamento com o ator Randolph Scott e outro com o figurinista Orry-Kelly. Também se falou de um caso com Sophia Loren durante as filmagens de Orgulho e Paixão, na Espanha. Getty
  • Marlon Brando. Em 2010, a biografia do ator escrita por Darwin Porter, Brando Unzipped, apostou na bissexualidade do ator. Em sua longa lista de conquistas (entre as quais estava incluída Edith Piaf), Porter afirmou que o grande amor de sua vida foi o amigo Wally Cox, que morreu em 1973 e com o qual supostamente suas cinzas foram espalhadas no Taiti. De acordo com Porter, Cox foi um amor de juventude de Brando. O ator manteve suas cinzas em uma urna durante mais de trinta anos e ordenou que, após sua morte, fossem misturadas às suas. Brando disse uma vez que nenhuma mulher o tinha feito feliz. Também confessou que se Wally Cox tivesse sido do outro sexo, o relacionamento teria terminado em casamento. Quincy Jones normalizou esse rumor há alguns meses, quando deu uma polêmica entrevista à New York Magazine afirmando que o ator teve uma relação com Richard Pryor.
    8Marlon Brando. Em 2010, a biografia do ator escrita por Darwin Porter, Brando Unzipped, apostou na bissexualidade do ator. Em sua longa lista de conquistas (entre as quais estava incluída Edith Piaf), Porter afirmou que o grande amor de sua vida foi o amigo Wally Cox, que morreu em 1973 e com o qual supostamente suas cinzas foram espalhadas no Taiti. De acordo com Porter, Cox foi um amor de juventude de Brando. O ator manteve suas cinzas em uma urna durante mais de trinta anos e ordenou que, após sua morte, fossem misturadas às suas. Brando disse uma vez que nenhuma mulher o tinha feito feliz. Também confessou que se Wally Cox tivesse sido do outro sexo, o relacionamento teria terminado em casamento. Quincy Jones normalizou esse rumor há alguns meses, quando deu uma polêmica entrevista à New York Magazine afirmando que o ator teve uma relação com Richard Pryor. Getty
  • Judy Garland. Na biografia da atriz escrita por Gerald Clarke, Get Happy, foram confirmados os rumores de que dois de seus maridos, Vincente Minnelli e Frank Herron, eram bissexuais. “De fato, em uma ocasião em que Judy voltou inesperadamente do estúdio, encontrou Minnelli na cama com um homem”, disse Clarke em uma entrevista. “O choque a levou à sua primeira tentativa de suicídio. Quando os viu, correu para o banheiro e cortou as veias.” O livro também revela que Herron teve um affaire com Peter Allen, que anos mais tarde se casaria com Liza Minnelli. Além disso, na biografia de David Shippman também se diz que a atriz –ícone LGTBQI–, era bissexual e que teve um caso com “uma mulher sem nome” na Metro Goldwyn Mayer.
    9Judy Garland. Na biografia da atriz escrita por Gerald Clarke, Get Happy, foram confirmados os rumores de que dois de seus maridos, Vincente Minnelli e Frank Herron, eram bissexuais. “De fato, em uma ocasião em que Judy voltou inesperadamente do estúdio, encontrou Minnelli na cama com um homem”, disse Clarke em uma entrevista. “O choque a levou à sua primeira tentativa de suicídio. Quando os viu, correu para o banheiro e cortou as veias.” O livro também revela que Herron teve um affaire com Peter Allen, que anos mais tarde se casaria com Liza Minnelli. Além disso, na biografia de David Shippman também se diz que a atriz –ícone LGTBQI–, era bissexual e que teve um caso com “uma mulher sem nome” na Metro Goldwyn Mayer. Getty
  • Isadora Duncan. Os rumores sobre sua bissexualidade apontam para uma relação com Eleonara Duse, Greta Garbo, Marlene Dietrich e a poeta Mercedes de Acosta. Aos 45 anos, em 1922, ela se casou com o poeta russo Sergei Esenin. O relacionamento durou pouco mais de um ano. Sua bissexualidade se perfila também no recente filme A Dançarina, em que Lily Rose Depp a interpreta.
    10Isadora Duncan. Os rumores sobre sua bissexualidade apontam para uma relação com Eleonara Duse, Greta Garbo, Marlene Dietrich e a poeta Mercedes de Acosta. Aos 45 anos, em 1922, ela se casou com o poeta russo Sergei Esenin. O relacionamento durou pouco mais de um ano. Sua bissexualidade se perfila também no recente filme A Dançarina, em que Lily Rose Depp a interpreta. Getty
  • Eleanor Roosevelt. Muito se escreveu sobre se a primeira-dama dos Estados Unidos (que era casada com Franklin Roosevelt) teve uma relação com a jornalista Lorena Hickok. Segundo o livro Eleanor and Hick, que analisa a relação entre ambas, a jornalista foi enviada à Casa Branca para escrever sobre a primeira-dama e acabaram se apaixonando. Hickok deixou seu emprego na Associated Press e acabou fazendo parte da equipe de Harry Hopkins, responsável pelo desenvolvimento dos programas do New Deal. No livro, Susan Quinn diz que tanto a primeira-dama quanto a jornalista agiam “como um casal, de dia e de noite".
    11Eleanor Roosevelt. Muito se escreveu sobre se a primeira-dama dos Estados Unidos (que era casada com Franklin Roosevelt) teve uma relação com a jornalista Lorena Hickok. Segundo o livro Eleanor and Hick, que analisa a relação entre ambas, a jornalista foi enviada à Casa Branca para escrever sobre a primeira-dama e acabaram se apaixonando. Hickok deixou seu emprego na Associated Press e acabou fazendo parte da equipe de Harry Hopkins, responsável pelo desenvolvimento dos programas do New Deal. No livro, Susan Quinn diz que tanto a primeira-dama quanto a jornalista agiam “como um casal, de dia e de noite". Getty
  • W. Somerset Maugham. O escritor se casou com Syrie Barnardo, mas manteve famosos relacionamentos, segundo suas biografias, com outros autores como Thomas Mann e H. G. Wells. Em seus textos também descreveu uma bissexualidade aberta e sem tabus.
    12W. Somerset Maugham. O escritor se casou com Syrie Barnardo, mas manteve famosos relacionamentos, segundo suas biografias, com outros autores como Thomas Mann e H. G. Wells. Em seus textos também descreveu uma bissexualidade aberta e sem tabus. Getty
  • Carson McCullers. Uma das escritoras do gótico sulista tem um anedotário sobre sua agitada vida sentimental. Ela se casou duas vezes com Reeves McCullers (do qual adotou o sobrenome para enganar os leitores com seu nome), mas teve vários casos, entre eles com a escritora Anne Marie Schwarzenbach (“tinha um rosto que, eu percebi imediatamente, iria me perseguir até o fim da minha vida”, disse da protagonista de 'Ela, Tão Amada').
    13Carson McCullers. Uma das escritoras do gótico sulista tem um anedotário sobre sua agitada vida sentimental. Ela se casou duas vezes com Reeves McCullers (do qual adotou o sobrenome para enganar os leitores com seu nome), mas teve vários casos, entre eles com a escritora Anne Marie Schwarzenbach (“tinha um rosto que, eu percebi imediatamente, iria me perseguir até o fim da minha vida”, disse da protagonista de 'Ela, Tão Amada'). Getty
  • Louise Brooks. A estrela do cinema mudo foi uma mulher liberada para sua época. Casou-se duas vezes e admitiu ter tido um caso de uma noite com Greta Garbo.
    14Louise Brooks. A estrela do cinema mudo foi uma mulher liberada para sua época. Casou-se duas vezes e admitiu ter tido um caso de uma noite com Greta Garbo. Getty
  • Katharine Hepburn. Segundo várias biografias, o relacionamento que teve com Spencer Tracy foi muito especial porque ambos eram bissexuais. Scotty Moore diz em suas memórias que Hepburn teve relações com “pelo menos 150 mulheres” durante seu convívio com o ator.
    15Katharine Hepburn. Segundo várias biografias, o relacionamento que teve com Spencer Tracy foi muito especial porque ambos eram bissexuais. Scotty Moore diz em suas memórias que Hepburn teve relações com “pelo menos 150 mulheres” durante seu convívio com o ator. Getty