Seleccione Edição
Login
Retrato dos eleitores russos
REUTERS
15 fotos

Retrato dos eleitores russos

Rússia promove eleições neste 18 de março com oito candidatos à presidência. A maioria pretende votar em Putin, mas muitos cidadãos começam a pedir mudança

  • Alexei Gruk, mecânico de 45 anos, apoia Pavel Grudinin. "O mais importante para mim é que nossa política exterior continue sendo a mesma. Ao caralho com as sanções, e daí se não importamos produtos estrangeiros nunca mais? Como se isso significasse que deveríamos renunciar, não me importo". Gruk posa em São Petersburgo (Rússia), em 31 de janeiro de 2018.
    1Alexei Gruk, mecânico de 45 anos, apoia Pavel Grudinin. "O mais importante para mim é que nossa política exterior continue sendo a mesma. Ao caralho com as sanções, e daí se não importamos produtos estrangeiros nunca mais? Como se isso significasse que deveríamos renunciar, não me importo". Gruk posa em São Petersburgo (Rússia), em 31 de janeiro de 2018. REUTERS
  • Andrei Lukinykh, engenheiro de 46 anos, votará por Vladimir Putin. "Vou votar porque quero estabilidade. Como diz o refrão, não mude de cavalo quando estiver cruzando um rio. Ao contrário dos outros, meu candidato proporciona a estabilidade necessária". Andrei posa em Yevpatoriya (Crimeia), em 20 de fevereiro de 2018.
    2Andrei Lukinykh, engenheiro de 46 anos, votará por Vladimir Putin. "Vou votar porque quero estabilidade. Como diz o refrão, não mude de cavalo quando estiver cruzando um rio. Ao contrário dos outros, meu candidato proporciona a estabilidade necessária". Andrei posa em Yevpatoriya (Crimeia), em 20 de fevereiro de 2018. REUTERS
  • Vasily Slonov é um artista de 48 anos. Votará em Pavel Grudinin. "Não acho que esta seja a última etapa de Putin no escritório. É mais: vejo uma espécie de energia messiânica nele. Não é como qualquer pessoa, é como um instrumento nas mãos de Deus, não é um simples político". Slonov posa em sua oficina em Krasnoyarsk (Rússia), em 8 de fevereiro de 2018.
    3Vasily Slonov é um artista de 48 anos. Votará em Pavel Grudinin. "Não acho que esta seja a última etapa de Putin no escritório. É mais: vejo uma espécie de energia messiânica nele. Não é como qualquer pessoa, é como um instrumento nas mãos de Deus, não é um simples político". Slonov posa em sua oficina em Krasnoyarsk (Rússia), em 8 de fevereiro de 2018. REUTERS
  • Maxim Gubsky, estudante de 21 anos, votará em Vladimir Zhirinovsky. "Não espero que Putin mude as coisas, e a história me dá razão. Muito poucas coisas mudaram durante os últimos 20 anos. Para ver progresso em minha vida precisamos de um novo presidente, novas ambições e novas decisões". Gubsky posa em Stavropol (Rússia), em 20 de fevereiro de 2018.
    4Maxim Gubsky, estudante de 21 anos, votará em Vladimir Zhirinovsky. "Não espero que Putin mude as coisas, e a história me dá razão. Muito poucas coisas mudaram durante os últimos 20 anos. Para ver progresso em minha vida precisamos de um novo presidente, novas ambições e novas decisões". Gubsky posa em Stavropol (Rússia), em 20 de fevereiro de 2018. REUTERS
  • Natalia Dementieva, contadora de 44 anos, está atualmente desempregada e é seguidora da candidata Ksenia Sobchak. "Ela diz a verdade abertamente, não mente. Destacou temas que são tabu para nosso governo, como a Crimeia, o que indica que não tem medo", assegura Dementieva. "Não acredito na ideia de que as coisas melhoraram, as coisas pioraram, começaram a controlar o que a gente pensa, inclusive mais do que na era comunista. A gente tem medo outra vez, Ksenia é uma política de futuro". Natalia posa em Moscou (Rússia), em 14 de janeiro de 2018.
    5Natalia Dementieva, contadora de 44 anos, está atualmente desempregada e é seguidora da candidata Ksenia Sobchak. "Ela diz a verdade abertamente, não mente. Destacou temas que são tabu para nosso governo, como a Crimeia, o que indica que não tem medo", assegura Dementieva. "Não acredito na ideia de que as coisas melhoraram, as coisas pioraram, começaram a controlar o que a gente pensa, inclusive mais do que na era comunista. A gente tem medo outra vez, Ksenia é uma política de futuro". Natalia posa em Moscou (Rússia), em 14 de janeiro de 2018. REUTERS
  • Andrei Vorontsov, de 42 anos, é o atamã (chefe) de uma sociedade cossaca local e eleitor de Vladimir Putin. "É difícil dizer como será o futuro, tal e como eu o vejo, a gente pode fazer suposições, mas, ao final, é Deus quem decide. O que ele dispuser é como deverá ser". Andrei posa em Mikhaylovsk, na região de Stavropol (Rússia), em 21 de fevereiro de 2018.
    6Andrei Vorontsov, de 42 anos, é o atamã (chefe) de uma sociedade cossaca local e eleitor de Vladimir Putin. "É difícil dizer como será o futuro, tal e como eu o vejo, a gente pode fazer suposições, mas, ao final, é Deus quem decide. O que ele dispuser é como deverá ser". Andrei posa em Mikhaylovsk, na região de Stavropol (Rússia), em 21 de fevereiro de 2018. REUTERS
  • Yulia Dyuzheva é uma estudante de 22 anos que supervisiona a exposição "SUPERPUTIN". Apoia Vladimir Putin porque, para ela, "está levando o país por um caminho muito racional baseado na justiça, abertura, realçando valores e tradições e com uma posição muito clara no palco mundial". Yulia posa em Moscou (Rússia), em 14 de janeiro de 2018, junto a quadros de Putin.
    7Yulia Dyuzheva é uma estudante de 22 anos que supervisiona a exposição "SUPERPUTIN". Apoia Vladimir Putin porque, para ela, "está levando o país por um caminho muito racional baseado na justiça, abertura, realçando valores e tradições e com uma posição muito clara no palco mundial". Yulia posa em Moscou (Rússia), em 14 de janeiro de 2018, junto a quadros de Putin. REUTERS
  • Vitaly Bespalov votará em Ksenia Sobchak. "Tenho 26 anos. Durante 18 desses anos, toda minha vida consciente, vivi sob o comando de um só presidente. Esperei muito tempo por uma mudança". Vitaly posa em San Petesburgo (Rússia), em 14 de fevereiro de 2018.
    8Vitaly Bespalov votará em Ksenia Sobchak. "Tenho 26 anos. Durante 18 desses anos, toda minha vida consciente, vivi sob o comando de um só presidente. Esperei muito tempo por uma mudança". Vitaly posa em San Petesburgo (Rússia), em 14 de fevereiro de 2018. REUTERS
  • Gennady Avdeev, de 78 anos, e sua esposa Lyudmila Avdeeva, de 74, são pensionistas e apoiam Vladimir Zhirinovsky. "A economia dificulta o que vemos hoje, a queda na qualidade de vida da maioria das pessoas, a enorme diferença entre ricos e pobres, é onde o partido do governo é mais vulnerável" assegura Avdeev. "Zhirinovsky, por sua parte, fala contra o modo como está se desenvolvendo nossa sociedade, a oligarquia". O casal posa com uma fotografia de seu casamento, ao qual foi Zhirinovsky, em Moscou (Rússia), em 8 de fevereiro de 2018.
    9Gennady Avdeev, de 78 anos, e sua esposa Lyudmila Avdeeva, de 74, são pensionistas e apoiam Vladimir Zhirinovsky. "A economia dificulta o que vemos hoje, a queda na qualidade de vida da maioria das pessoas, a enorme diferença entre ricos e pobres, é onde o partido do governo é mais vulnerável" assegura Avdeev. "Zhirinovsky, por sua parte, fala contra o modo como está se desenvolvendo nossa sociedade, a oligarquia". O casal posa com uma fotografia de seu casamento, ao qual foi Zhirinovsky, em Moscou (Rússia), em 8 de fevereiro de 2018. REUTERS
  • Anastasia Shevchenko, de 38 anos, é a líder da equipe de campanha da candidata Ksenia Sobchak. "Quero uma mudança, claro. Para começar em como se dirige este país. Espero que algo mude, essa é a razão pela qual apoio completamente o programa dessa candidata. Mas ao mesmo tempo compreendo que estas eleições não decidem nada, só quero gente nova entre nossos políticos". Shevchenko posa em Rostov-on-Dom (Rússia), em 13 de fevereiro de 2018.
    10Anastasia Shevchenko, de 38 anos, é a líder da equipe de campanha da candidata Ksenia Sobchak. "Quero uma mudança, claro. Para começar em como se dirige este país. Espero que algo mude, essa é a razão pela qual apoio completamente o programa dessa candidata. Mas ao mesmo tempo compreendo que estas eleições não decidem nada, só quero gente nova entre nossos políticos". Shevchenko posa em Rostov-on-Dom (Rússia), em 13 de fevereiro de 2018. REUTERS
  • Alexander Reshetnyak, de 42 anos, é um atamã cossaco e seguidor de Vladimir Putin. "Obviamente, em minha opinião, dentre os candidatos atuais, ninguém pode competir com o atual presidente. Não há alternativa. De modo que sim, talvez estas sejam eleições sem uma eleição genuína". Reshetnyak posa em Stavropol (Rússia), em 16 de fevereiro de 2018.
    11Alexander Reshetnyak, de 42 anos, é um atamã cossaco e seguidor de Vladimir Putin. "Obviamente, em minha opinião, dentre os candidatos atuais, ninguém pode competir com o atual presidente. Não há alternativa. De modo que sim, talvez estas sejam eleições sem uma eleição genuína". Reshetnyak posa em Stavropol (Rússia), em 16 de fevereiro de 2018. REUTERS
  • Tanzurun Darisyu, de 51 anos, é seguidora de Vladimir Putin e comanda uma granja em Kara-Charyaa, na região de Tuva. "Nós, os granjeros, precisamos poder confiar no que vai acontecer amanhã, precisamos sabê-lo para expandir e desenvolver nossas granjas". Darisyu posa em sua terra ao sul da Sibéria (Rússia), em 14 de fevereiro de 2018.
    12Tanzurun Darisyu, de 51 anos, é seguidora de Vladimir Putin e comanda uma granja em Kara-Charyaa, na região de Tuva. "Nós, os granjeros, precisamos poder confiar no que vai acontecer amanhã, precisamos sabê-lo para expandir e desenvolver nossas granjas". Darisyu posa em sua terra ao sul da Sibéria (Rússia), em 14 de fevereiro de 2018. REUTERS
  • Grigory Kulikovskikh é um especialista em tecnologia da informação de 26 anos que votará no líder da oposição, Alexei Navalny. Kulikovskikh convoca um boicote das próximas eleições, "este não é um país de futuro, estamos ancorados no passado. Não posso visualizar um futuro agora. A maioria das pessoas nem se importa, a absoluta maioria não pensa sobre as coisas, estão dormidos. Não se importam se é Putin ou é Navalny, precisam acordar. Só então chegará uma mudança real". Grigory posa em Moscou (Rússia), em 10 de fevereiro de 2018.
    13Grigory Kulikovskikh é um especialista em tecnologia da informação de 26 anos que votará no líder da oposição, Alexei Navalny. Kulikovskikh convoca um boicote das próximas eleições, "este não é um país de futuro, estamos ancorados no passado. Não posso visualizar um futuro agora. A maioria das pessoas nem se importa, a absoluta maioria não pensa sobre as coisas, estão dormidos. Não se importam se é Putin ou é Navalny, precisam acordar. Só então chegará uma mudança real". Grigory posa em Moscou (Rússia), em 10 de fevereiro de 2018. REUTERS
  • Marinha Kalinichenko, de 54 anos, é professora de matemática e apoia Vladimir Putin. "Como disse Mark Twain, se votar fizesse diferença, não nos deixariam fazê-lo. Realmente apoio meu candidato, mas também sou consciente de que é a oligarquia que realmente decide quem será presidente". Kalinichenko posa em Yevpatoriya (Crimeia), em 21 de fevereiro de 2018.
    14Marinha Kalinichenko, de 54 anos, é professora de matemática e apoia Vladimir Putin. "Como disse Mark Twain, se votar fizesse diferença, não nos deixariam fazê-lo. Realmente apoio meu candidato, mas também sou consciente de que é a oligarquia que realmente decide quem será presidente". Kalinichenko posa em Yevpatoriya (Crimeia), em 21 de fevereiro de 2018. REUTERS
  • Vitaly Zubenko, é um advogado de 45 anos que votará em Grigory Yavlinsky. "Quando a pessoas no poder não mudam, começam a se corromper, é o que a corrupção precisa para permanecer inabalada. Durante os últimos quatro anos os rendimentos caíram, um pequeno grupo de gente pôde ver as coisas melhorar, mas a maioria da população, o país, os negócios, os empreendedores, toda a estrutura econômica, simplesmente tentam sobreviver. As coisas estão indo cada vez pior e pior infelizmente. Precisamos mudar a constituição para que o poder não volte a se ver em mãos de uma só pessoa". Zubenko posa em Stavropol (Rússia), em 19 de fevereiro de 2018.
    15Vitaly Zubenko, é um advogado de 45 anos que votará em Grigory Yavlinsky. "Quando a pessoas no poder não mudam, começam a se corromper, é o que a corrupção precisa para permanecer inabalada. Durante os últimos quatro anos os rendimentos caíram, um pequeno grupo de gente pôde ver as coisas melhorar, mas a maioria da população, o país, os negócios, os empreendedores, toda a estrutura econômica, simplesmente tentam sobreviver. As coisas estão indo cada vez pior e pior infelizmente. Precisamos mudar a constituição para que o poder não volte a se ver em mãos de uma só pessoa". Zubenko posa em Stavropol (Rússia), em 19 de fevereiro de 2018. REUTERS