“Tá tranquilo, tá ocupado”: nova queda de braço entre Alckmin e os estudantes

Secundaristas ocupam Centro Paula Souza, em São Paulo, PM faz intervenção nesta segunda e Justiça questiona falta de mandado

Estudantes à frente da PM no Centro Paula Souza.
Estudantes à frente da PM no Centro Paula Souza.Gustavo Moniz (EL PAÍS)

Localizado na zona central de São Paulo, o emblemático edifício envidraçado, onde funciona a administração das escolas técnicas do Estado de São Paulo, está há cinco dias ocupado por cerca de 150 secundaristas. É a tentativa de reacender a onda de protestos estudantis que tomou cerca de 200 colégios em 2015. No ano passado, a principal pauta era frear a proposta de reorganização escolar, que implicaria no fechamento de cerca de 90 escolas, e eles conseguiram. Agora, os estudantes protestam contra o que consideram uma "reforma disfarçada", com o fechamento das salas de aula e a superlotação das escolas, mas, principalmente, querem explicações sobre o escândalo de desvio de verba na compra da merenda da rede estadual e a queda da qualidade da alimentação oferecida nos colégios. Como em 2015, eles prometem não sair até que suas exigências sejam atendidas pelo governador tucano.

No domingo, a Justiça havia autorizado a reintegração de posse do Paula Souza, mas o mandado judicial ainda não estava pronto por volta das 11h de segunda quando cerca de 40 policiais militares da Força Tática entraram no local e liberaram a entrada de funcionários. O secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, acompanhou a ação. Foi quando os estudantes foram retirados de todas as salas e colocados no hall de entrada do edifício, onde permanecem acampados. Às 16h50, porém, o juiz Luis Manuel Pires, da Central de Mandados do Tribunal de Justiça, julgou ilegal a operação da PM e deu 72 horas para a Secretaria de Segurança Pública se explicar. A polícia saiu do prédio por volta das 20h.

A Força Tática no Centro Paula Souza.
A Força Tática no Centro Paula Souza.Gustavo Moniz (EL PAIS)

Atração política

Durante esta segunda, a ocupação do Centro Paula Souza atraiu políticos de oposição a Alckmin ao local. A primeira foi a deputada federal Luiza Erundina (PSOL), seguida pelo deputado estadual Carlos Gianazzi, também do PSOL, e pelo o ex-senador Eduardo Suplicy (PT) - todos dizendo querer prestar apoio aos estudantes. Os alunos agradeceram, mas repetiram que o movimento é apartidário, que não levanta bandeiras de partidos na ocupação e que alunos de diversas orientações políticas são ouvidos igualmente. É uma resposta a Alckmin, que disse no sábado que a manifestação é "política" e afirmou que os estudantes não invadem escolas do PT. “É uma invasão seletiva”, disse o governador.

Além do Paula Souza, a escola estadual Fernão Dias, em Pinheiros, a ETEP, na avenida Tirandentes, e a ETEP Paulistano, no Jardim Paulistano, também estão ocupadas. A Fernão Dias foi a escola que ficou mais tempo ocupada nos protestos dos estudantes contra a reorganização escolar, entre novembro de 2015 e janeiro de 2016.

O Centro Paula Souza rebate os alunos. Afirma que investiu mais de 250 milhões de reais na ampliação e melhorias de escolas nos últimos dois anos. "O Centro Paula Souza segue trabalhando para solucionar questões pontuais com a readequação da estrutura disponível em algumas unidades e a negociação com as prefeituras e a Secretaria da Educação, responsável pelo orçamento, compra e distribuição de alimentos", diz nota divulgada nesta segunda. A instituição começou a distribuir merenda seca (barras de cereal, bolachas e suco) para quatro Etecs a partir desta segunda-feira. Outras sete unidades deverão começar a receber alimentos até sexta.

Para os estudantes, porém, isso não é suficiente. Eles se mostram firmes e só mudam o semblante quando falam sobre o medo de serem perseguidos depois que a ocupação terminar. Temem ser alvo de retaliações por parte de professores e diretores nas escolas onde estudam e passar apuros nas mãos da polícia nas ruas. Para driblar a tensão, eles mudam de assunto e entoam o grito de guerra: "Tá tranquilo, tá ocupado"!

* Tiago é um nome fictício.

Gustavo Moniz (EL PAIS)

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: