Editoriais
i

Antiterrorismo nuclear

A Cúpula de Segurança Nuclear termina com resultados positivos, mas ainda insuficientes

MAIS INFORMAÇÕES

A Cúpula de Segurança Nuclear realizada em Washington estabeleceu compromissos concretos, em vez de se esconder atrás de um desejável, mas ainda retórico, objetivo de conseguir um mundo desnuclearizado. Embora esses compromissos fiquem meio dispersos entre as dezenas de conclusões, o fundamental é o reforço da estratégia para impedir que os grandes grupos terroristas se apoderem de armamento ou combustível nuclear, e o utilizem.

É uma hipótese nem um pouco desprezível. Porque é verdade que desde o início das reuniões de cúpula sobre esse tema, em 2010, uma dúzia de países desistiu de armazenar urânio enriquecido e plutônio, e os arsenais existentes são os menores em seis décadas, como ressaltou Barack Obama. Mas também é verdade que proliferam em muitos Estados as pequenas bombas nucleares táticas, motivo de todos os temores.

Assim, a dotação de fundos financeiros separados para aumentar a segurança nuclear e a vigilância antiterrorista nesse âmbito, liderada pelo Canadá, é um dos melhores anúncios da cúpula. Ele vem acompanhado pela criação de um grupo de contato internacional formado por especialistas, que garantirá a transferência das tarefas definidas nessas cúpulas para a agência internacional que já existe para cuidar do assunto.

O balanço da série de encontros que culminou na reunião de Washington é positivo por ter impulsionado a contenção da nuclearização em muitas zonas, as reduções mútuas entre as duas antigas superpotências e a desistência de outros países, como o Irã.

Mas ainda resta mais a fazer do que aquilo que já foi realizado. Com as reservas disponíveis de material nuclear podem ser construídas dezenas de milhares de bombas. E na estratégia de contenção não basta um amplo consenso, é preciso ter unanimidade. Embora em graus distintos, a política ameaçadora da Coreia do Norte (que aproveitou para lançar um míssil) e a cautela mantida pela Rússia (que não participou da cúpula) servem para ressaltar que todos os esforços são poucos.

Arquivado Em: