Análise
Exposição educativa de ideias, suposições ou hipóteses, baseada em fatos comprovados (que não precisam ser estritamente atualidades) referidos no texto. Se excluem os juízos de valor e o texto se aproxima a um artigo de opinião, sem julgar ou fazer previsões, simplesmente formulando hipóteses, dando explicações justificadas e reunindo vários dados

Igreja Católica, a mais severa em relação ao aborto

O gesto do Papa de falar de aborto em sua campanha de misericórdia merece aplausos, mas ainda é pouco

O papa Francisco, durante missa no Vaticano.
O papa Francisco, durante missa no Vaticano. MAURIZIO BRAMBATTI (EFE)

O gesto do papa Francisco de permitir, por ocasião do próximo Jubileu da Igreja, que todos os sacerdotes – não só os bispos – possam "absolver" as mulheres cristãs do pecado do aborto merece um aplauso, mas ainda é insuficiente, embora possa soar como uma heresia para os católicos mais tradicionais. De fato, a Igreja Católica é hoje – com exceção das igrejas evangélicas fundamentalistas, militantes contra o aborto sem nuances – a mais severa contra o aborto, já que considera que o feto tem vida própria desde o primeiro momento da concepção.

As Igrejas protestantes, em geral, mesmo considerando que o aborto fere o princípio do respeito à vida, são mais liberais que a Católica. A Igreja Anglicana, por exemplo, permite o aborto antes das 28 semanas. Os metodistas deixam à mulher a liberdade de abortar, “após uma profunda meditação”, ou seja, com responsabilidade. Entre os luteranos, existem duas correntes: a radical, que se identifica com a católica oficial; e a mais liberal, que permite o aborto sob certas condições.

Até mesmo o Corão, o livro sagrado dos muçulmanos, é mais liberal porque considera que o feto começa a ter alma só depois de 120 dias. De modo que o aborto seria permitido antes disso, como também em caso de risco à vida da mulher. Segundo o Corão, se a vida da mãe está em perigo, é preferível sacrificar a planta para salvar a raiz.

Mais informações

Para o judaísmo, nos tempos de Jesus o aborto não representava um problema, já que a maior condenação para uma mulher era ser estéril. Um filho era a maior bênção.

Em sua campanha de misericórdia com os pecadores, o papa Francisco quis introduzir o espinhoso caso das mulheres cristãs que abortaram, a quem a Igreja tem negado o perdão. Concedeu-o aos homossexuais, aos divorciados e até aos condenados por crimes graves. Nesse tema Francisco apela para a figura de Jesus, nos primórdios do cristianismo, que dizia ter vindo para resgatar todos os doentes, os pecadores e os desprezados.

As mulheres cristãs que abortaram foram sempre vistas pela Igreja como as grandes pecadoras a quem só um bispo podia perdoar. O papa jesuíta fala com amor e dor sobre elas, porque carregam, como afirma o Santo Padre, “uma cicatriz em seu coração”. Isso mostra muito o seu espírito de solidariedade, mas certamente será ainda insuficiente para as mulheres.

O Papa sabe disso, mas conhece também a resistência da Igreja oficial em ceder nesse tema. Com senso prático, ele abre caminhos transversais, à espera, talvez, de que outros amanhã possam dar novos passos.

Não seria melhor que a Igreja se preocupasse menos em quantificar os pecados e mais em lembrar o que defendia o cardeal Newman, que, convertido do anglicanismo ao catolicismo, dizia: “Melhor errar seguindo a própria consciência do que acertar contra ela”?

Se na Idade Média a Igreja chegou a duvidar de que algumas mulheres tinham alma, a Igreja de hoje ainda resiste em aceitar que também as mulheres têm uma consciência à qual devem prestar contas antes de quem quer que seja.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: