Seleccione Edição
Login

Tragédia no ‘Mediterrâneo da Ásia’

Quase 2.000 imigrantes foram resgatados nos últimos dias nas águas da Tailândia, Indonésia e Malásia. Um dos barcos foi rejeitado por vários países e está abandonado a sua própria sorte

  • Uma embarcação com 400 imigrantes de Bangladesh e de etnia Rohingya, com destino à Malásia, chegou na quinta-feira à costa sul da Tailândia, no mar de Andamán. Depois de auxiliá-los, as autoridades tailandesas deixaram-nos partir até o seu destino, embora a Malásia tenha anunciado essa semana que devolveria a alto mar qualquer embarcação com imigrantes ilegais que interceptasse. O mar de Andamán está se tornando o ‘Mediterrâneo da Ásia’. De acordo com o Alto Comissionado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), aproximadamente 25.000 pessoas zarparam em barcos de Bangladesh e Birmânia (Myanmar) durante o primeiro trimestre de 2015, o dobro do número registrado no mesmo período de 2014.
    1Uma embarcação com 400 imigrantes de Bangladesh e de etnia Rohingya, com destino à Malásia, chegou na quinta-feira à costa sul da Tailândia, no mar de Andamán. Depois de auxiliá-los, as autoridades tailandesas deixaram-nos partir até o seu destino, embora a Malásia tenha anunciado essa semana que devolveria a alto mar qualquer embarcação com imigrantes ilegais que interceptasse. O mar de Andamán está se tornando o ‘Mediterrâneo da Ásia’. De acordo com o Alto Comissionado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), aproximadamente 25.000 pessoas zarparam em barcos de Bangladesh e Birmânia (Myanmar) durante o primeiro trimestre de 2015, o dobro do número registrado no mesmo período de 2014. AFP
  • As autoridades tailandesas ofereceram alimentos e água aos 400 imigrantes naufragados, segundo fontes oficiais. O barco entrou nas águas da província de Satun, de acordo com uma das fotos publicadas pela imprensa local. Uma dezena de imigrantes morreu durante a viagem por causa das condições extremas de sobrevivência dentro da embarcação, segundo relataram outros afetados pela tragédia, que jogaram seus corpos ao mar.
    2As autoridades tailandesas ofereceram alimentos e água aos 400 imigrantes naufragados, segundo fontes oficiais. O barco entrou nas águas da província de Satun, de acordo com uma das fotos publicadas pela imprensa local. Uma dezena de imigrantes morreu durante a viagem por causa das condições extremas de sobrevivência dentro da embarcação, segundo relataram outros afetados pela tragédia, que jogaram seus corpos ao mar. AFP
  • As autoridades tailandesas prometeram enviar mecânicos para reparar o motor do barco, para que a embarcação possa continuar o seu caminho, segundo o site Phuketwan. Na imagem, vários imigrantes Rohingya mergulham na água para recolher pacotes de alimentos lançados de um helicóptero pelo exército tailandês.
    3As autoridades tailandesas prometeram enviar mecânicos para reparar o motor do barco, para que a embarcação possa continuar o seu caminho, segundo o site Phuketwan. Na imagem, vários imigrantes Rohingya mergulham na água para recolher pacotes de alimentos lançados de um helicóptero pelo exército tailandês. AFP
  • O volume de imigrantes ilegais na região disparou desde que a Tailândia começou, nos primeiros dias de maio, uma campanha contra as máfias de tráfico de pessoas em seu território, depois de descobrir um acampamento clandestino com sepulturas na selva do sul do país. Na imagem, três homens passam a comida recolhida a outras pessoas que ficaram no barco.
    4O volume de imigrantes ilegais na região disparou desde que a Tailândia começou, nos primeiros dias de maio, uma campanha contra as máfias de tráfico de pessoas em seu território, depois de descobrir um acampamento clandestino com sepulturas na selva do sul do país. Na imagem, três homens passam a comida recolhida a outras pessoas que ficaram no barco. AFP
  • Os birmânios Rohingyas, muçulmanos, são considerados pelas Nações Unidas uma das minorias mais perseguidas do mundo. São mais de um milhão de pessoas, segundo uma contagem oficial. Uma grande parte deles está diretamente afetada por uma lei de Birmânia que lhes nega cidadania, depois de graves conflitos religiosos em 2012 no oeste do país.
    5Os birmânios Rohingyas, muçulmanos, são considerados pelas Nações Unidas uma das minorias mais perseguidas do mundo. São mais de um milhão de pessoas, segundo uma contagem oficial. Uma grande parte deles está diretamente afetada por uma lei de Birmânia que lhes nega cidadania, depois de graves conflitos religiosos em 2012 no oeste do país. AFP
  • Os resgates no mar de Andamán aumentaram desde o último final de semana, ilustrando a grave crise migratória no ‘Mediterrâneo da Ásia’. A Indonésia resgatou 582 pessoas de Bangladesh e de etnia Rohingya no domingo passado e devolveu a alto mar um barco com outros 400, depois de lhes oferecer alimentos, água e combustível. A Malásia salvou pouco mais de mil, com a mesma origem, entre domingo e segunda-feira no arquipélago de Langkawi, e devolveu os barcos às águas internacionais. Na imagem, dois imigrantes dividem comida proporcionada pelo exército tailandês.
    6Os resgates no mar de Andamán aumentaram desde o último final de semana, ilustrando a grave crise migratória no ‘Mediterrâneo da Ásia’. A Indonésia resgatou 582 pessoas de Bangladesh e de etnia Rohingya no domingo passado e devolveu a alto mar um barco com outros 400, depois de lhes oferecer alimentos, água e combustível. A Malásia salvou pouco mais de mil, com a mesma origem, entre domingo e segunda-feira no arquipélago de Langkawi, e devolveu os barcos às águas internacionais. Na imagem, dois imigrantes dividem comida proporcionada pelo exército tailandês. AFP
  • As autoridades tailandesas ofereceram alimentos e água aos 400 imigrantes naufragados no mar de Andamán.
    7As autoridades tailandesas ofereceram alimentos e água aos 400 imigrantes naufragados no mar de Andamán. AFP
  • Crianças aparentemente com fome viajavam no barco que entrou nas águas da província de Satun. Uma dezena de imigrantes morreu durante a viagem por causa das condições extremas de sobrevivência dentro da embarcação, segundo relataram outros afetados pela tragédia, que jogaram seus corpos ao mar.
    8Crianças aparentemente com fome viajavam no barco que entrou nas águas da província de Satun. Uma dezena de imigrantes morreu durante a viagem por causa das condições extremas de sobrevivência dentro da embarcação, segundo relataram outros afetados pela tragédia, que jogaram seus corpos ao mar. AFP
  • O sub-diretor para a Ásia do Humas Right Watch, Phil Robertson, condenou a decisão tailandesa de deixar o barco partir e afirmou que “Malásia e Tailândia estão "jogando uma partida de ping pong" com as vidas desses imigrantes”.
    9O sub-diretor para a Ásia do Humas Right Watch, Phil Robertson, condenou a decisão tailandesa de deixar o barco partir e afirmou que “Malásia e Tailândia estão "jogando uma partida de ping pong" com as vidas desses imigrantes”. AFP
  • A Tailândia, que durante muitos anos foi acusada pela comunidade internacional de favorecer o tráfico de pessoas em seu território, reagiu convocando para o próximo dia 29 de maio uma reunião de emergência, que contará com a presença de 15 países, entre eles Malásia, Indonésia, Birmânia, Bangladesh, Estados Unidos e Austrália, para dar uma resposta à dramática situação humanitária que está sendo vivida no mar de Andamán.
    10A Tailândia, que durante muitos anos foi acusada pela comunidade internacional de favorecer o tráfico de pessoas em seu território, reagiu convocando para o próximo dia 29 de maio uma reunião de emergência, que contará com a presença de 15 países, entre eles Malásia, Indonésia, Birmânia, Bangladesh, Estados Unidos e Austrália, para dar uma resposta à dramática situação humanitária que está sendo vivida no mar de Andamán. AFP
  • Mais de 50 policiais tailandeses foram punidos recentemente por terem colaborado com os traficantes. Esses castigos não parecem ter superado, no entanto, o nível de uma transferência administrativa. “Pela primeira vez, o governo tailandês se encarregou da luta contra o tráfico de seres humanos”, disse o responsável pela Tailândia no Human Rights Watch, Sunai Phasuk.
    11Mais de 50 policiais tailandeses foram punidos recentemente por terem colaborado com os traficantes. Esses castigos não parecem ter superado, no entanto, o nível de uma transferência administrativa. “Pela primeira vez, o governo tailandês se encarregou da luta contra o tráfico de seres humanos”, disse o responsável pela Tailândia no Human Rights Watch, Sunai Phasuk. AFP
  • 12