El acento
i

Obama ri e faz rir

Presidente norte-americano ousa uma paródia ácida da política em Washington

SOLEDAD CALÉS

Foi na noite de sábado passado. Uma vez por ano, o presidente dos Estados Unidos, atualmente Barack Obama, apresenta-se no jantar (de gala) dos correspondentes na Casa Branca como um consumado humorista. Tenha a graça que tiver o presidente da vez, os jornalistas da ala oeste da Casa Branca ouvem-no contar piadas mordazes sobre os problemas do país (bem, sobre alguns), o mundinho político e sua própria pessoa. É uma prática que lima asperezas com a imprensa e envia uma mensagem de confiança e autocrítica. Condiz com a simplicidade anglo-saxã que tanto apreciava Taine (Notas sobre a Inglaterra), mas acaba sendo impensável em outros países.

Acontece que – como já demonstrou em outras ocasiões – Obama tem talento para a comédia. Acompanhado da humorista e apresentadora Cecily Strong e do comediante Keegan-Michael Key, destacou-se com várias piadas e brincou sobre as acusações de alguns republicanos de que pratica a religião islâmica na intimidade. E se permitiu uma excelente autoparódia com seu “tradutor furioso” (o mencionado comediante), que ia enunciando de forma exageradamente indignada as comedidas afirmações presidenciais.

MAIS INFORMAÇÕES

Além disso, Obama fez piada com Hillary Clinton: “A crise tem judiado de algumas pessoas. Tenho uma amiga que até recentemente ganhava milhões de dólares e agora vive em uma van [a da campanha eleitoral da candidata] em Iowa”. Outra brincadeira, esta voltada para si mesmo: “Estou parecendo tão velho que Boehner [chefe da maioria republicana] já convidou Netanyahu para meu funeral”. Cecily Strong lançou mão de um humor mais sombrio: “O serviço secreto [que protege o presidente] é a única polícia que teria problemas se disparasse contra um homem negro”. Risadas entre os correspondentes e toda a Hollywood que janta com o presidente (Jane Fonda, Bradley Cooper, Haley Joel Osment...).

Mas houve uma trincheira que Obama não teve coragem de atacar: os saca-rolhas que Michelle Obama incorporou a seu penteado. Mereciam um comentário sarcástico sobre o consumo de laquê ou a semelhança com as pequenas Dorritt da Inglaterra vitoriana. Nesse ponto, a coragem abandonou Obama.

Arquivado Em: