Ajuste Fiscal

Uma (curta) semana de trégua no Brasil em meio à crise econômica

Até a Petrobras, que passa uma temporada no inferno, viu o valor de suas ações subirem

Emprego em alta, dólar em queda, e Bolsa de Valores subindo. Se algum desavisado chegasse ao Brasil na semana que passou poderia se perguntar: "onde está a crise"? Os dias seguintes ao feriado de Tiradentes (21) deram um descanso, depois de semanas de intenso pessimismo, com algumas notícias positivas. Houve um saldo de 19.300 postos de trabalho em março – na sequência de dois meses de demissões, segundo informações divulgadas nesta quinta-feira do Ministério do Trabalho. Na mesma quinta, o dólar fechou abaixo dos 3 reais, após 50 dias. E a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 1,63% na sexta-feira, ainda no embalo da valorização da mineradora Vale, que acumula uma alta de 30% na semana.

Até a Petrobras, que passa uma temporada no inferno com a operação Lava Jato, teve um respiro com a melhora do preço das suas ações, depois da queda que se seguiu à divulgação do balanço de 2014, na noite de quarta-feira. A apresentação dos números, ainda que trouxessem um prejuízo de 21,6 bilhões de reais, tirou uma das espadas da cabeça do presidente Aldemir Bendine. A agência de risco Fitch Ratings decidiu voltar atrás sobre o possível rebaixamento da nota da companhia, embora tenha colocado a perspectiva como negativa.

Diante da certeza que acompanhou todos os brasileiros na virada do ano, de que 2015 seria um ano de crise, a semana que passou foi uma janela para a sensação de queda livre rumo a um fundo do poço que nunca chegaria. "Sem dúvida os sinais hoje são mais positivos do que eram no início do ano", afirma Vitor França, economista da Fecomercio de São Paulo. Mas, ele mesmo anuncia que os dias passados foram mais uma trégua do que uma tendência. "Não dá para afirmar que já batemos no fundo do poço", diz ele. Isso porque a inflação ainda está na casa dos 8%, o crédito para o consumo está restrito, e há novas demissões a caminho em alguns setores, principalmente na indústria. "Esta semana foi um ponto fora da curva", observa o economista Carlos Thadeu de Freitas.

"Ainda estamos longe de ver uma recuperação. O mercado de trabalho vai ser um dos últimos a conseguir reagir".

Juan Gense, da consultoria Tendências, segue a mesma linha. Para ele, apesar do país ter criado mais de 19.000 empregos em março, o número foi o pior desde o início da série histórica, em 2002. "Ainda estamos longe de ver uma recuperação. O mercado de trabalho vai ser um dos últimos a conseguir reagir. A taxa de desemprego vai aumentar bastante antes de se normalizar", explica ele, lembrando que a inflação está limitando muito o consumo.

A trégua na crise econômica no Brasil veio também no embalo de um momento de calma nos mercados globais, que começam, pelo menos, a sinalizar uma mudança de humor em relação ao Brasil. "Há um retorno de uma onda otimista em relação aos países emergentes como o Brasil", observa Caio Megale, economista do Itaú Unibanco.

Parte do mérito desse novo momento pode ser creditado ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy. "Nos últimos meses, houve uma coesão maior na equipe econômica e uma demonstração clara da política de ajuste econômico no país", diz ele, que vê uma sintonia entre a presidenta Dilma, Levy e o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa.

Mais informações

O economista ressalta que as novas medidas econômicas tiraram aquela sensação de um país em queda livre, de um pessimismo muito exagerado. "No entanto, ainda há um caminho por se percorrer, os ajustes precisam realmente ser feitos, e, para isso, vamos continuar desacelerando", explica. Ou seja, uma batalha foi vencida, mas ainda há uma guerra a ser travada dentro do Congresso para aprovar as medidas relativas ao ajuste fiscal de Levy, que passam pela aprovação de medidas impopulares, como a mudança nas regras de adesão do seguro desemprego.

A alta da Vale na Bolsa esta semana mostrou também que o preço do minério pode reagir depois de meses de queda. "Mesmo que não subam tanto, devido à desaceleração da China, no mínimo, tira o risco de que as commodities não parassem de cair".

Mark Mobius, da Franklin Templeton, que investe em mercados emergentes, lembra que quando a China anuncia que vai desacelerar é porque crescerá cerca de 7% em um ano. "Mesmo que seja um crescimento menor do que outros anos, ainda é um número importante", diz ele. "E isso é bom para o Brasil", diz ele.

Segundo semestre

A perspectiva de recuperação dos preços internacionais animou também o presidente da CSN, Benjamin Steinbruch. Em artigo publicado na última segunda-feira na Folha de São Paulo, o empresário disse que acredita na recuperação econômica no segundo semestre. Foi a mesma projeção feita, no final de março, pelo economista Gustavo Franco em entrevista ao EL PAÍS.

Essa percepção, entretanto, está muito longe de ser um consenso. O brasileiro comum não enxerga os benefícios da bolsa em alta ou dólar em queda da semana passada na sua vida prática. “O nível de confiança do consumidor é o pior desde 2002”, diz Vitor França, da Fecomercio, que projeta uma queda nas vendas de 2% no estado de São Paulo. Isso porque a inflação reduziu seu poder de compra e há demissões em diversos setores. No mesmo mês de março, as demissões superaram em 18.200 as contratações na construção civil, por exemplo, e acumula perdas de quase 51.000 vagas desde o início do ano. Ao que tudo indica, as boas notícias de fato só devem chegar no próximo ano.