lonely planet

Os destinos mais ‘gay-friendly’

De Sitges, na Espanha, a Palm Springs, na Califórnia, lugares progressistas e respeitosos abrem seus braços ao viajante LGBT

Participantes da parada do Orgulho Gay 2014 em Reikjavik (Islândia).
Participantes da parada do Orgulho Gay 2014 em Reikjavik (Islândia).Corbis

São cada vez mais numerosos os países que reconhecem a igualdade de casais do mesmo sexo, mas agora sugerimos conhecer e visitar também os destinos mais progressistas, inclusivos e respeitosos do mundo que abrem seus braços ao turista LGBT.

1 O primeiro de todos

COPENHAGUE (DINAMARCA)

A Dinamarca pode ser terra-natal do Lego e estar na vanguarda da nova cozinha nórdica, mas o mais importante é que, em 1998, fez história ao se tornar o primeiro país do mundo a reconhecer as uniões do mesmo sexo. E no coração da Dinamarca está sua capital, compacta e pavimentada por paralelepípedos, com uma beleza tranquila.

Festas do Orgulho Gay em Copenhague.
Festas do Orgulho Gay em Copenhague.Christian Alsing

Em Copenhague está um dos bares abertamente gays mais antigos da Europa, o Centralhjornet, inaugurado na década de cinquenta. Assim como o moderno bairro de Vesterbro, que também abriga o distrito da luz vermelha da cidade. Esta é uma das populações mais tolerantes e abertas da Europa, com um ar funcional, mas vanguardista, uma enorme variedade de bares, encantadores hotéis gay-friendly e uma agenda cultural cheia de eventos que fizeram da cidade um dos lugares mais acolhedores do mundo para a comunidade LGBT.

A torre da Prefeitura, com seus 105,6 metros, é um dos edifícios mais altos de Copenhague e oferece uma vista esplêndida das ruas de paralelepípedos. Em 2014, a praça contígua foi batizada de Praça do Arco-Íris, em reconhecimento à luta pela igualdade de direitos.

2 Um país friendly

NOVA ZELÂNDIA

A cidade de Queenstown e o lago Wakatipu, na Ilha Sul da Nova Zelândia.
A cidade de Queenstown e o lago Wakatipu, na Ilha Sul da Nova Zelândia.Justin Paget

A “Terra da Grande Nuvem Branca” também é conhecida por sua atitude tolerante e progressista com a comunidade LGBT. Em 1998, a Nova Zelândia foi o primeiro país a adotar o selo Gay/Lesbian Friendly em estabelecimentos comerciais e hotéis, uma iniciativa hoje reconhecida mundialmente. O país conta com uma ampla rede de hospedagem em casas de famílias que acolhem gays e lésbicas, do norte semitropical às profundezas geladas do sul. Desde que foi aprovada a lei do casamento entre homossexuais, em 2013, a Nova Zelândia promove ativamente as viagens para casamento entre a população australiana e de outros países do Pacífico com leis de igualdade menos progressistas. A Semana Gay de Esqui, parte do Winter Pride, tornou-se um evento clássico do calendário gay e é realizada na pitoresca Queenstown entre o final de julho e o início de agosto.

03 A referência americana

TORONTO (CANADÁ)

As cores do arco-íris na entrada do The Village, em Church-Wellesley, em Toronto.
As cores do arco-íris na entrada do The Village, em Church-Wellesley, em Toronto.Vince Talotta

Toronto continua a ser uma referência para o viajante LGBT na América do Norte, e o Canadá é, sem dúvida, o país mais avançado e progressista do continente no tocante à homossexualidade. Situado em Church-Wellesley, o The Village é o centro cultural LGBT de Toronto, como galerias, teatros e lojas gay-friendly. O lugar abriga eventos como a Semana do Orgulho Gay, a Marcha do Orgulho Gay ou a Marcha das Dykes, para lésbicas, e toda uma subcultura gay está presente há décadas. Em breve o The Village também terá um centro de fitness gay que estará entre os maiores do mundo, no número 519 da Church St.

Na fabulosa festa de Halloween do Village não se veem fantasias de esqueletos ou bruxas: é mais bacana ir fantasiado de Gwyneth Paltrow, com o longo cor-de-rosa que ela usou na entrega dos Oscar, ou de Lady Gaga, com seu chapéu de caranguejo.

04 Férias ao sol em Palm Springs

CALIFÓRNIA (EUA)

Escultura gigante de Marilyn Monroe em Palm Springs (Califórnia).
Escultura gigante de Marilyn Monroe em Palm Springs (Califórnia).Ringo Chiu

Palm Springs, onde o sol brilha o ano inteiro, fica 160 km ao sul de Los Angeles. A cidade aderiu em cheio a tudo o que é LGBT e oferece uma variedade impressionante de atividades ao ar livre, excelentes lojas e restaurantes e a melhor piscina do mundo para tomar sol. Além disso, é o lugar com a maior oferta do mundo de hospedagem para casais homossexuais (em muitos desses lugares, a roupa é opcional). Só é preciso levar protetor solar!

Para os rapazes, um dos resorts gays nudistas mais tradicionais é o Escape Resort, ao estilo dos anos 1950. As moças podem interessar-se pela Casita Laquita, de inspiração colonial.

05 O grande destino gay na Espanha

SITGES (BARCELONA)

Um dos carros alegóricos da quinta parada do Orgulho Gay em Barcelona (Espanha).
Um dos carros alegóricos da quinta parada do Orgulho Gay em Barcelona (Espanha).Matthias Oesterle

A cidade litorânea de Sitges fica a apenas 35 km ao sudoeste de Barcelona e tem a primeira discoteca gay da Espanha, inaugurada na década de 1980. Hoje ela é um dos quatro grandes destinos do turismo gay. Suas praias arenosas, algumas delas para nudistas, a convertem em um destino favorito dos rapazes, mas sua eclética agenda sempre oferece alguma coisa para todos os gostos.

Os outros três grandes destinos europeus são Míconos, Grã Canária e Ibiza, escalas imprescindíveis nos cruzeiros LGBT.

06 Paraíso do fetichismo

BERLIM

Participantes vestem roupas de couro no Folsom Europe 2014, em Berlim.
Participantes vestem roupas de couro no Folsom Europe 2014, em Berlim.Manuel Moncayo / folsomeurope.com

A capital alemã tem lugar para todos os fetiches possíveis. A cidade é uma vitrine que exibe o lado mais selvagem dos alemães, com uma vibrante tradição de lazer gay que vem dos dourados anos 1920. Os bairros de Schoneberg (onde é promovida a parada do Orgulho Gay), Kreuzberg e Prenzlauerberg têm bares, clubes e restaurantes muito diversos. E não existe horário de fechamento em Berlim, de modo que a festa nunca acaba!

Os mais intrépidos podem curtir a Semana Fetichista, na Páscoa, ou vestir-se de couro no Folsom Europe.

07 Glamour mediterrâneo

SKIATHOS E MÍCONOS

Dois turistas contemplam o mar na ilha grega de Skiathos.
Dois turistas contemplam o mar na ilha grega de Skiathos.Nico De Pasquale

Desde que Jackie Onassis começou a visitar Míconos, nos anos 1970, essa ilha grega de casas caiadas e pátios floridos se encheu de gays em busca do glamour e do sol do Mediterrâneo. Se a ideia são férias menos hedonistas, as praias de areia, as águas cristalinas e as frondosas colinas de Skiathos são uma alternativa mais tranquila e autêntica para o viajante LGBT.O hotel butique Elysium, exclusivamente gay, é ideal para quem pretende se divertir em Míconos.

08 Herdeiros de Stonewall

NOVA YORK

Monumento à libertação do coletivo gay no Christopher Park, em Nova York.
Monumento à libertação do coletivo gay no Christopher Park, em Nova York.corbis

Os distúrbios de Stonewall, no final da década de 1960 em Greenwich Village, marcaram o nascimento do movimento em defesa dos direitos dos homossexuais. As comunidades nova-iorquinas de West Village, Chelsea e Hell’s Kitchen, modelo de abertura, oferecem um fabuloso leque de opções gay-friendly, e a cidade, com lugares de referência como Christopher St., a Harvey Milk School, os Lesbian Herstory Archives e os teatros da Broadway, é um paraíso para o viajante gay.Quem pretende selar sua união durante a visita à Grande Maçã pode se informar aqui.

09 Os mais progressistas do norte

REIKJAVIK (ISLÂNDIA)

Participantes do encontro Bears on Ice na Lagoa Azul, em Grindavik (Islândia).
Participantes do encontro Bears on Ice na Lagoa Azul, em Grindavik (Islândia).bearsonice.org

A capital mais setentrional do mundo é considerada uma das cidades mais abertas e inclusivas. Em 2015, Reikjavik celebrará sua 17ª marcha do Orgulho Gay (uma das mais antigas de Europa) e o evento Bear on Ice pela décima primeira vez. A Islândia tem uma das legislações mais progressistas da Terra. Em 2006, os casais do mesmo sexo ganharam os mesmos direitos dos heterossexuais em todos os campos. Além disso, é um dos destinos mais interessantes da Europa, sendo possível passear por trás de cachoeiras, explorar vulcões adormecidos ou passar o dia em uma de suas muitas lagoas geotérmicas: um paraíso para aventureiros.Para participar do Bears on Ice é preciso se inscrever em www.bearsonice.org.

10 Aroiris na América do Sul

MONTEVIDÉU (URUGUAI)

Marcha a favor do casamento gay em Montevidéu, em 2013.
Marcha a favor do casamento gay em Montevidéu, em 2013.Leo Carreño

A inclusão de Montevidéu nesta lista pode ser controversa, considerando o ambiente conservador de muitos países da América Central e do Sul. Só que o Uruguai, um dos menores países sul-americanos, é também dos mais avançado. Em 2013, legalizo o casamento homossexual, e desde 1934 a homossexualidade não é crime. A atitude relax da capital uruguaia, Montevidéu, é um brilhante contraponto à azáfama de outras cidades, como Buenos Aires. Por sua vez, a capital argentina é uma cidade também cada vez mais aberta como destino LGBT.