papa francisco
Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

O papa argentino e o papa alemão puderam mais que o Deus brasileiro?

Os pontífices foram mais poderosos que uma divindade que talvez não goste de futebol

Juan Arias
Rio de Janeiro -
Francisco e Bento, em março de 2013.
Francisco e Bento, em março de 2013.REUTERS-LIVE

Uma peça humorística mostrava ontem o papa argentino Bergoglio e o papa emérito alemão Ratzinger, ajoelhados lado a lado. O papa alemão demissionário, depois da goleada da Alemanha sobre o Brasil, dizia ao papa Francisco: "Eu fiz meu trabalho, agora é sua vez".

No duelo entre Holanda e Argentina, havia no estádio argentinos vestidos de Francisco. Hoje dirão que foi o seu papa que pegou os pênaltis dos holandeses.

Mas Deus não é brasileiro, como sempre se falou? Poderiam os papas alemão e argentino serem mais poderosos do que Ele no futebol?

Ainda sabendo que Deus é maior que o papa, a presidenta brasileira, Dilma Rousseff, passou por Roma antes da Copa do Mundo e, depois de beijar a mão do papa Francisco, tentou convencê-lo a vir ao Brasil para assistir ao evento. "É que eu sou argentino...", escapou, diplomático e elegante, o bom e desta vez astuto papa jesuíta.

Dilma se esqueceu, no entanto, que a dois passos dali reza e medita em silêncio e fora dos holofotes um papa alemão, tão poderoso que conseguiu, quando era cardeal, condenar mais de 500 seguidores da Teologia da Libertação, entre eles o famoso teólogo brasileiro, Leonardo Boff.

Nas altas esferas brasileiras, deve existir o temor de que o papa argentino, de carne e osso, poderia ser, neste paradoxal jogo de bola, mais concreto e eficaz que o Deus impalpável e invisível dos céus, este que ninguém sabe ao certo se gosta de futebol.

Assim, um alto membro brasileiro da Igreja chegou a pedir dias atrás no Vaticano, que o papa Francisco, por favor, "não rezasse" para a Argentina. O clérigo brasileiro esqueceu-se, também, de pedir o mesmo para o papa emérito alemão.

Scolari confessou que passara

O Brasil não deixou de colocar em movimento toda a sua imensa e plural religiosidade a favor de uma vitória. Como vários repórteres contaram, todos os santos e virgens mais amados e conhecidos foram mobilizados nas casas de família e até no mundo da política. Até os mais agnósticos tiraram a poeira dos santos já esquecidos em seus anos de catecismo, tantos os cristãos quanto os de rituais africanos. Todos esses santos, virgens e símbolos foram enchidos de promessas de preces.

Até o treinador, Luiz Felipe Scolari, confessou que havia entrado para rezar em uma igreja que não pisava havia meses. Uma vitória valeria ajoelhar-se diante de uma santa.

Scolari levou a devoção até Teresópolis, quartel general dos treinamentos da seleção. Ali, diante de um altar destinado a Nossa Senhora, os jogadores faziam o sinal da cruz e tocavam com devoção a estátua antes de irem para os jogos.

Os brasileiros não chegaram à final nem tiveram tempo de idolatrar a seu herói Neymar como fizeram os napolitanos, na Itália, quando Maradona conseguiu que a equipe da cidade, do sul pobre do país, ganhou o campeonato nacional da rica Milão.

Em ruas e praças foram improvisadas capelas religiosas com a imagem de Dieguito, iluminadas por velas nas quais expunham confiantes seus problemas e pedidos ao improvisado santo argentino.

Ao Brasil, sem papa, restava apenas a esperança de que Deus acordasse porque era "brasileiro", como se dissesse: "Bem, os papas são argentino e alemão, tudo bem, mas eles são papas e eu sou o Altíssimo".

Deviam ter buscado o Deus brasileiro de suas férias na tarde fatídica em que um papa alemão demissionário foi capaz de fazer um milagre que talvez até sirva para ele ser beatificado. E nesta quarta-feira o milagre foi do papa argentino.

Dois papas rezando para suas seleções deixaram o Brasil no buraco. Os dois fizeram o milagre, mas, por ironia do destino, o demissionário alemão foi mais eficaz na vitória que o papa em plenas funções, Francisco: 7 a 1 para Ratzinger.

O papa argentino deveria ficar de olho no papa alemão, em todo caso, porque parece que ele continua rezando. E certamente, apesar de tudo, Deus gosta de ser brasileiro, e os brasileiros gostam que ele seja. Além disso, os papas se vão, e Deus fica.

Tomara que a próxima Copa no Brasil não aconteça outra vez com seu Deus de férias. E é melhor que não lhe perguntem porque ele deixou que acontecesse aquele fracasso tão retumbante na Copa das Copas. As respostas de Deus às vezes são comprometedoras.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS