A utilidade de um rei

Dom Juan Carlos assumiu a Chefia do Estado em um momento muito mais difícil que o que vivemos atualmente

É um comentário comum entre alguns dos membros das monarquias europeias que a instituição da Coroa, onde exista, sobreviverá enquanto continuar sendo útil aos cidadãos dos seus respectivos países. Se este é o critério pelo qual a gestão do rei Juan Carlos teria de ser medida, seria fácil conceder ao monarca um excepcional cum laude.

Apelidado por Santiago Carrillo, na agonia do franquismo, como Juan Carlos, O Breve, o próprio secretário-geral do Partido Comunista Espanhol acabou reconhecendo os grandes serviços que o Rei prestou à causa da democracia e da liberdade dos espanhóis, e que explicam por si só a longa duração do seu reinado. É mais do que provável que, mesmo sem a Coroa, a Espanha pós-ditadura teria conseguido instaurar um regime democrático. Mas, certamente, o preço a pagar teria sido muito maior e o caminho, mais difícil de percorrer.

A presença e a atitude do monarca, definido na época por um líder político como o motor da mudança, foram definitivas no momento da modernização do nosso país, a sua inclusão no grupo das nações defensoras das liberdades democráticas e a obtenção da estabilidade política e social que temos vivido ao longo das últimas décadas. Aqueles que entre nós, de uma forma ou outra, fazemos parte da geração da Transição somos testemunhas disso. Por isso, o Rei teve desde cedo o apoio e o reconhecimento dos partidos políticos e das organizações sociais que respondiam às emoções republicanas, mas para os quais a recuperação da liberdade era uma prioridade.

A sucessão ao trono ocorrerá em um momento particularmente delicado da vida espanhola, quando os seus cidadãos estão sendo afetados pela crise econômica, a classe política se vê desorientada e o país está órfão das lideranças necessárias e imerso em uma confusão que ameaça tanto a coesão territorial como a social. Tanto que a utilidade da instituição monárquica continua sendo um bom parâmetro na hora de apoiar esta nova transição real que constituiu a ascensão do Príncipe de Astúrias ao trono.

Nós não estamos apenas diante de uma mudança de geração, mas de uma mudança de época na qual mais uma vez a instituição pode e deve ser útil na resolução dos graves problemas que enfrentamos. Sem dúvida, o problema mais evidente do ponto de vista estrutural é a crescente insatisfação na Catalunha em relação ao Estado. A passividade exasperante do Governo sobre este assunto só piorou as coisas. Então, se já estava claro que era necessária uma reforma constitucional para garantir a continuidade do sistema emanado da Transição, o passo dado nesta segunda-feira pelo Rei justifica ainda mais isso.

Para aqueles que temem se vir oprimidos pelo acúmulo de problemas, como pretexto para não enfrentá-los, convém lembrar que dom Juan Carlos assumiu o cargo de Chefe de Estado em momentos muito mais difíceis dos que vivemos atualmente, e com menos recursos para reagir à situação. Uma reforma adequada do sistema constitucional, acordada entre as forças políticas e submetida à consulta e à aprovação dos espanhóis, contribuiria muito para que o reinado de dom Filipe, a quem ninguém atribuiu hoje o adjetivo de Breve, seja tão proveitoso e duradouro como o do seu pai.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete