A febre do ‘wearable’ dura poucos meses

Em meio ano, deixa-se de usar a pulseira ou o relógio inteligente. A Nike despede a maioria da divisão responsável pela Fuelband

A pulseira da Nike.
A pulseira da Nike.

O relógio inteligente da Samsung não triunfa (ao menos como se esperava) e a Nike decidiu despedir a maioria da divisão encarregada pela pulseira Fuelband. Os wearables (complementos tecnológicos pessoais) parece que têm mais publicidade que o posterior uso popular.

Segundo a Endeavour Partners, um terço dos proprietários de wearables os abandonam aos seis meses de uso. O estudo foi realizado no último trimestre do ano entre consumidores dos Estados Unidos. Nele se destaca que uma a cada dez pessoas maiores de 18 anos dispõe desses produtos, principalmente pulseiras medidoras da atividade física, como as da Nike, Jawbone, Fitbit ou Misfit.

Considera-se 2014 como o da explosão destes gadgets tecnológicos. Grandes empresas tecnológicas, como Samsung, Sony, Huawei ou LG apresentaram pulseiras que, além de registrar a atividade física essencial, se ligam às redes sociais ou ao e-mail graças ao blueetooth e à proximidade do celular. No entanto, por enquanto, a maior parte do mercado as têm no Jawbone e no Fitbit, que se centraram mais nas pessoas sedentárias que nos esportistas.

A Nike, especializada precisamente no mundo esportivo, acaba de anunciar que despedirá cerca de 70 pessoas da divisão dedicada a sua Fuelband. Embora a empresa desmentiu que deixe de vender esse produto, também afirmou que se centrarão mais em seus negócios base, dando a entender que o do wearable não o é. A empresa se voltará ao software e parece que confiará na aliança com a Apple -Tim Cook está em seu conselho de administração- o desenvolvimento de aparelho esportivos inteligentes. Por enquanto, cancela o lançamento de um modelo FuelBand mais fino.

Para a Endeavour Partners, uma das chaves do abandono reside na necessidade de se tirar a cada dia o aparelho para recarregar a bateria. "Quanto mais vezes se tira maior a possibilidade de abandono". Enquanto as pulseiras Fitbit ou Jawbone só precisam ser recarregadas uma vez por semana ou menos, no caso dos relógios a frequência é diária.

Também são imprescindíveis uma estética elegante, pois a maioria será levada à vista, e cômoda e, acima de tudo, um funcionamento intuitivo e praticamente autônomo, com a menor intervenção possível de seu proprietário, e o contato em redes sociais para estimular o exercício ou as práticas saudáveis na alimentação. 

A Canalys calcula que neste ano se venderão entre 14 e 18 aparelhos wearables, principalmente pulseiras e relógios; mas as cifras se dispararão se a Apple -como se tem feito rumor- se soma a esta tendência. Todos os grandes deverão adotar os wearables para abrir outros mercados uma vez que se começa a suavizar o crescimento do smartphone. Se no período 2012-17, os celulares inteligentes crescerão 24%, o dos wearables crescerão 124% e, o melhor, de tudo, com margens de benefícios muito superiores às do celular.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: