TECNOLOGÍA

Uma máquina para ser outro

Um grupo de pesquisadores estabelecidos em Barcelona desenvolve uma 'máquina para ser outro", uma ferramenta, baseada nos princípios da realidade virtual, que permite experimentar vivências alheias e 'entrar' no corpo de uma outra pessoa

Dançar com os pés de uma bailarina, ainda sentado em uma cadeira de rodas; compartilhar o relato de vida de um imigrante senegalês; ou saber o que se sente ao ter um corpo do sexo oposto… E tudo, simplesmente, colocando uns óculos de visão virtual, e graças a um software desenvolvido por BeAnotherLab , um coletivo de pesquisadores estabelecidos em Barcelona, que desde 2012 trabalha no projeto da “Máquina para ser outro”. “Nasceu como uma ferramenta para promover o debate e o diálogo social e agora a estamos adaptando como um instrumento para experimentos de neurociência, para criar e medir a empatia social”, relata de Barcelona, Philippe Bertrand, especialista em comunicação e artes digitais, e um dos quatro integrantes de BeAnotherLab.

Trata-se, explicam seus criadores, de um projeto “de baixo custo”, baseado em ferramentas de desenvolvimento open source e inspirado em estudos sobre embodiment, empatizar com o outro compartilhando suas experiências corporais, em instituições como o Group Ehrsson del Karolinska Institutet de Estocolmo, e de Event Lab, o Laboratorio de Ambientes Virtuais da Universidad de Barcelona. Uma aposta que, até agora, produziu três experimentos de “intercâmbios de corpos”. Em dois deles há dois atores que levam os usuários a uma experiência baseada em uma espécie de roteiro narrativo que permite mergulhar na identidade do outro. “É o protocolo de interação que usamos porque para gerar a ilusão, a sensação de estar na pele de outro, no cérebro há que combinar estímulos visuais, táteis e motores”, explica Bertrand.

É o caso do experimento no qual um imigrante senegalês, que chegou a Espanha para cumprir seu sonho de ser bailarino, conta a história de sua vida por meio de objetos colocados em um quarto e que guiam o usuário durante o relato.

É também o caso da performance que BeAnotherLab realizou em colaboração com o coletivo de dança integrada Liant La Troca. Ali, pessoas com capacidade motora limitada dançam sentados em cadeiras de rodas vivendo como seus os passos de dança dos bailarinos, como se pudessem dançar de pé.

O experimento mais recente é de “mudança de sexo”: dois usuários, um homem e uma mulher, vivem na pele um do outro. E enquanto tocam partes de seus próprios corpos, veem através dos óculos a mesma parte do corpo do outro.

Os criadores do projeto já receberam várias propostas de colaboração para novas aplicações de sua “máquina para ser outro”. Entre elas, seu uso para a reabilitação de pessoas que sofram um AVC e para o diagnóstico da anorexia em crianças. Mas o desafio é, agora, encontrar financiamento. “De fato –conta Bertrand– tivemos que parar um tempo porque todos precisávamos trabalhar e poupar dinheiro. E os quatro estamos neste momento em turnê para arrecadar apoios”.

Arquivado Em: