Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Os vídeos das delações da Odebrecht que comprometem Temer

"Temer está pedindo 10 milhões", diz Marcelo Odebrecht. Assista aos depoimentos

Delação da Odebrecht
O presidente Michel Temer e o atual ministro da Casa Civil Eliseu Padilha, em dezembro. AP

A mais recente enxurrada de informações divulgada pelo Supremo Tribunal Federal sobre a Operação Lava Jato atinge de forma direta ao presidente Michel Temer. O próprio procurador geral da República, Rodrigo Janot, explica, num relatório, que há motivos suficientes para pedir a abertura de uma investigação a Temer, mas que ele teve que recuar pela imunidade temporária que confere a Constituição aos presidentes. Janot aponta que Temer, quando ainda era vice-presidente, "capitaneava" o grupo do PMDB na Câmara que desenvolvia um esquema de cobrança de propinas através de dois estreitos colaboradores, os atuais ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco. Ambos estão incluídos na Lista de Fachin de políticos que vão ser investigados por acusações de corrupção.

As conclusões de Janot sobre Temer estão embasadas nos depoimentos de antigos diretores da Odebrecht. O próprio ex-presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht, contou aos fiscais da Procuradoria Geral da República que em 2014 recebeu uma solicitação de Temer para repassar 10 milhões de reais ao PMDB. O recado foi transmitido por Cláudio Melo Filho, diretor de Relações Institucionais da empreiteira em Brasília, o homem que mantinha contato permanente com os políticos do Congresso. Num trecho do seu depoimento, Marcelo fala de uma conversa com o aliado de Temer, Paulo Skaf, presidente da Federação de Indústrias de São Paulo (FIESP), o sindicato patronal que turbinou no ano passado uma forte campanha em favor do impeachment de Dilma Rousseff. Em 2014, Skaf era candidato pelo PMDB ao Governo de São Paulo e também solicitava uma doação ao presidente da empreiteira. Marcelo explicou ao presidente da FIESP que além disso tinha um pedido anterior de Temer e que então eles dois deveriam dividir o dinheiro. Este é o relato do empresário no depoimento perante a Procuradoria Geral da República:

Marcelo: "A gente dá a Temer [dinheiro] e que Temer dê a Skaf"

Depois de uma conversa ao telefone com Temer, Odebrecht combinou um jantar no Palácio do Jaburu, residência do vice-presidente da República. Em 28 de maio de 2014, Marcelo viajou a Brasília e foi ao palácio acompanhado de Cláudio Melo. Ali o esperavam Temer e o ministro Eliseu Padilha. O ex-presidente da empreiteira conta assim o episódio:

Marcelo: "Temer saiu [da mesa do jantar no Jaburu] e fechamos o pagamento com Padilha"

Então a doação  – ilegal, segundo o procurador Janot – foi dividida: seis milhões para Skaf e quatro para o grupo de Temer. Esta última parte foi entregue a Padilha, segundo afirmam os delatores e ficou registrado no sistema oculto (Drousys) onde a Odebrecht marcava quanto e quem recebia doações do grupo não declaradas à Justiça Eleitoral. "Mais um elemento demonstra que os valores recebidos não eram simples doação eleitoral: o fato de eles não terem sido repassados na forma prevista em lei e sim através de recursos não contabilizados", argumenta Janot no pedido de inquérito. Desde aquele jantar no Jaburu, Claudio Melo já não teve dúvida que Padilha era arrecadador do PMDB como "preposto" (a pessoa que age em nome de outra ou de uma organização) de Temer.

Claudio Melo: "Houve uma solicitação direta de dinheiro a Marcelo"

Mas aquela não foi a única doação não contabilizada que o grupo de Temer recebeu em 2014. Além de Padilha, havia outro arrecadador, o então ministro de Aviação Civil Moreira Franco, segundo as apurações judiciais. Após favorecer uma das companhias da Odebrecht nos leilões para os aeroportos do Galeão e de Confins, Moreira Franco pediu à empreiteira mais uma doação de quatro milhões. A Odebrecht aceitou o pedido pela proximidade do ministro com Temer, segundo o depoimento do executivo Benedicto Junior, executivo da Odebrecht que autorizou o pagamento.

Benedicto: "A Odebrecht pagou a Moreira porque ele era do grupo de Temer" 

Além desses episódios, com o material liberado agora pelo STF veio à tona outro depoimento muito comprometedor para Temer. Quem fala agora é o diretor da área de engenharia industrial da Odebrecht, Marcio Faria da Silva. Relata uma reunião no escritório de Temer, no bairro de Pinheiros em São Paulo, na que também estava o deputado Eduardo Cunha, em julho de 2010. Segundo Marcio Faria, ali tratou-se de uma propina de 40 milhões de dólares para o PMDB, ou 5% de um contrato da companhia com Petrobras.

M. Faria: "A reunião para a 'compra do PMDB' foi no escritório de Temer"

O presidente divulgou uma mensagem em vídeo na última quinta para negar com firmeza as acusações do delator. "É uma mentira absoluta", declarou Temer. Mas o presidente não fez nenhum comentário sobre as acusações do procurador-geral da República nem sobre as atuações dos que agora são os ministros de maior confiança no seu governo, Eliseu Padilha (Casa Civil) e Wellington Moreira Franco (Chefe da Secretaria Geral da Presidência). 

MAIS INFORMAÇÕES