Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

“Queremos estudar se existe relação entre Alzheimer e pobreza, como acontece com a obesidade”

Ramón Gomis, diretor do Instituto de Pesquisas Biomédicas August Pi i Sunyer, levanta a possibilidade de o Alzheimer ser um outro tipo de diabetes

Ramón Gomis, em um hotel de Madri.
Ramón Gomis, em um hotel de Madri.

O avanço científico contra o Alzheimer nas últimas décadas tem sido mais lento do que o esperado. Entre os aprendizados sobre a doença, que ainda não tem cura, está o conhecimento de que é preciso combatê-la muito antes do surgimento dos primeiros sintomas. Esta é uma característica que esta doença neurodegenerativa compartilha com outra doença com a qual aparentemente não teria nada a ver. Trata-se do diabetes, distúrbio do metabolismo causado pela resistência à insulina gerada por níveis elevados de açúcar no sangue, que pode ser detectado com exames laboratoriais simples bem antes de provocar danos nos órgãos do paciente.

Esta não é a única característica que as duas doenças parecem ter em comum. Alguns pesquisadores chegam a dizer que o Alzheimer poderia ser um terceiro tipo de diabetes, além da de tipo 1 — doença autoimune que aparece desde a juventude — e da de tipo 2, associada à obesidade. Um desses cientistas é Ramón Gomis, médico endocrinologista e diretor do Instituto de Pesquisas Biomédicas August Pi i Sunyer (IDIBAPS), um dos mais avançados centros de pesquisa biomédica da Espanha, localizado em Barcelona.

Recentemente, em um debate organizado pela Cátedra de Inovação em Diabetes, também dirigida por ele, da Fundacão AstraZeneca, vários especialistas discutiram a possibilidade de se considerar o Alzheimer como um diabetes de tipo 3 e as implicações que isso teria em seu tratamento.

“O estilo de vida é determinante para doenças cardiovasculares, diabetes e também para o Alzheimer”

Pergunta. É algo já estabelecido que o Alzheimer seja um tipo de diabetes?

Resposta. Não há unanimidade sobre isso. As duas doenças possuem em comum que provavelmente haja uma coisa chamada resistência à insulina. As pessoas que sofrem do diabetes tipo 2 têm um grau de resistência à insulina associado muitas vezes à obesidade. No caso do Alzheimer, já se constatou que também ocorre uma resistência à insulina em regiões neuronais, algumas bem específicas que podem ter a ver com a memória. Isso levou a se colocar que poderia haver alguma coisa em comum na sinalização da insulina em tecidos periféricos com diabetes convencional e no Alzheimer. O curioso é que já existem testes com medicamentos antidiabéticos para o tratamento do Alzheimer.

Há um consenso, porém, quanto ao fato de que nas duas doenças existe uma etapa precedente que é determinante. Além disso, nessas fases iniciais, no caso das duas doenças, é muito importante o estilo de vida e a nutrição. É o que foi levantado pelo pesquisador Emilio Ros, um dos autores mais citados no que se refere à dieta mediterrânea e que estuda como o estilo de vida provavelmente é determinante para as doenças cardiovasculares, o diabetes e também o Alzheimer.

“Estamos mudando enormemente com as bebidas açucaradas, que não favorecem a saúde das pessoas”

P. Há base científica que permita recomendar atividades para adiar a aparição de uma demência, assim como se faz com o diabetes?

R. É necessária uma educação para saber escolher no que se refere à alimentação. Estamos mudando enormemente com as bebidas açucaradas, que não favorecem a saúde das pessoas. A grande quantidade de gorduras saturadas ou trans tampouco é saudável. Nosso estilo de vida, com o estresse, a obsessão pela máxima rentabilidade, também limita o estilo de vida saudável, pelo tempo para comer ou desfrutar da refeição. Tudo isso influi muito nas enfermidades. De fato, as pessoas com menos recursos econômicos têm mais obesidade, e sobretudo as crianças, porque as dietas hipercalóricas são mais baratas, e a cada dia as frutas e verduras ficam mais caras.

P. Observou-se essa correlação entre pobreza e Alzheimer como se observou com a obesidade?

R. Sabemos que o diabetes infantil do tipo 2, relacionado com a obesidade, é maior em populações com baixos recursos. No caso do Alzheimer não temos estudos desse tipo, não temos cortes para poder pensar que em pessoas que sofreram obesidade desde jovens o Alzheimer aparece antes. Seria interessante estudar se há relação entre Alzheimer e pobreza, como com a obesidade.

P. Você diz que é fundamental a prevenção, tanto no diabetes como no Alzheimer.

R. Atualmente não há nenhum tratamento eficaz para o Alzheimer. A verdade é que o diagnosticamos quando já está muito adiantado, quando se produziu todo o impacto negativo. O diabetes nós diagnosticamos com um exame de glicose muito antes de o paciente perder o rim, a vista ou estar numa fase muito terminal. Mas não temos marcadores precoces do mal de Alzheimer, e do diabetes, sim. Se formos capazes de nos antecipar nestas fases mais iniciais, teremos tratamentos melhores.

P. Que tratamentos para o Alzheimer poderiam surgir a partir deste entendimento como um terceiro tipo de diabetes, além da prevenção mediante um estilo de vida saudável?

R. A prevenção será a chave, mas não só através do estilo de vida. Há descobertas, como as estatinas para baixar o colesterol, que são importantes para a prevenção da doença. O diabetes nós tratamos para prevenir complicações. Uma pessoa com uma glicemia de 200 pode sair pela rua, não vai acontecer nada. Sabemos que, se tiver uma glicose alta e não utilizarmos um mecanismo antidiabético, vai ter um problema visual, uma retina diabética ou um rim diabético ao cabo de alguns anos. A prevenção não só é com o estilo de vida, também queremos criar fármacos para prevenir às vezes a doença e às vezes as complicações. Os fármacos para prevenir o dano do Alzheimer podem fazer com que a falha de memória que atualmente ocorre aos 60 anos ocorra aos 90.

MAIS INFORMAÇÕES