Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Os mamutes desapareceram quando já estavam feridos de morte há milênios

Uma análise do genoma de um mamute mostra que mutações impediram a espécie de sobreviver

Mamute que viveu há 39.000 anos na Sibéria

O final de uma idade do gelo, como a que terminou há pouco menos de 12.000 anos, pode parecer uma boa notícia, pelo menos para animais acostumados a temperaturas amenas como nós. No entanto, durante a última dessas transformações, um bom número de animais gigantescos começou a desaparecer. A mudança climática, somada à pressão dos caçadores humanos, parece ser a causa mais provável daquela extinção.

Na época, os mamutes estavam entre os maiores herbívoros da América do Norte e Sibéria, mas há 10.000 anos desapareceram do território continental. Sobreviveram apenas alguns milênios mais isolados em ilhas, até que há 3.700 anos, quando os humanos já começavam a construir seus primeiros templos, faleceram os últimos espécimes conhecidos. Agora, uma análise publicada pela revista PLOS Genetics por Rebekah Rogers e Montgomery Slatkin, da Universidade da Califórnia em Berkeley, mostra que, apesar de continuarem vivos durante séculos naqueles redutos, já estavam feridos de morte.

O novo capítulo da história da decadência dos mamutes foi escrito a partir dos restos de dois indivíduos que viveram em épocas muito diferentes para sua espécie. O primeiro morreu na Sibéria, perto de Oimiakon (Rússia), há cerca de 45.000 anos. Na época, ainda em pleno esplendor, o tamanho efetivo de sua população era de cerca de 13.000 indivíduos. O segundo genoma estudado corresponde a um mamute morto há 4.300 anos na Ilha de Wrangel, um território isolado no Ártico de área equivalente à da Grande São Paulo (em torno de 7.500 km2). Na época, já à beira da extinção, a população estimada alcançaria com dificuldade os 300 indivíduos.

O estudo observou que os mamutes insulares tinham acumulado muitas mutações daninhas em seu genoma que estavam interferindo na função dos genes. Graças a essas mudanças, os pesquisadores sabem que os mamutes tinham perdido muitos receptores olfativos e algumas proteínas na urina, algo que em espécies similares pode deteriorar o status social do animal ou sua capacidade de escolher com quem se acasala. Outras mutações sugerem que o pelo que os protegia do frio tinha sido substituído por uma capa translúcida muito menos eficiente para cumprir sua função.

Os danos provocados pela endogamia nos mamutes parecem-se aos dos linces ou dos neandertais.

Na pesquisa, “observa-se um excesso de mutações supostamente deletérias, que fazem com que se interrompa a síntese de uma proteína, por exemplo”, explica Carles Lalueza-Foz, pesquisador do Instituto de Biologia Evolutiva de Barcelona. “Isso é algo que se observa também em processos de extinção de espécies atuais que estão em perigo. Com o genoma do lince acontece o mesmo, e com o do neandertal, também. Ocorre em populações que são muito pequenas, têm muita consanguinidade e perdem a capacidade de se livrar de mutações deletérias. E essas mutações vão se acumulando até o ponto de algumas espécies ainda continuarem aí, mas já estarem extintas por não serem férteis”, acrescenta.

Os autores também consideram que seus resultados são uma advertência para os ambientalistas. A deterioração dos genomas que ocorre quando a população cai abaixo do limite sugere que preservar um pequeno grupo de animais isolados não será suficiente para evitar os efeitos da endogamia sobre a qualidade genética.

David Bravo, professor titular do Museu de História Natural da Dinamarca, recorda que o efeito dessa acumulação de defeitos no genoma se reflete depois na capacidade de uma espécie para responder a mudanças bruscas em seu entorno. “Sabemos que, com o aquecimento do planeta, a quantidade de água doce disponível na ilha em que viviam esses mamutes caiu muito. Essas mudanças afetaram mais a alguns indivíduos que já eram frágeis e não tinham uma diversidade genética que os ajudasse a reagir melhor a essas transformações”, explica.

Na opinião de Bravo, dados como esses indicam que os planos para recuperar espécies extintas ou até salvar outras que estão a ponto de desaparecer pode ser um erro. “O que nos mostram este trabalho e outros é que, quando o clima e os habitats nos quais se podia viver desaparecem, as possibilidades de sobreviver como espécie são muito limitadas”, afirma.

MAIS INFORMAÇÕES