Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Descobertos os 287 culpados pela calvície

Algumas das chaves genéticas para a perda do cabelo estão no cromossomo X, que os homens herdam das suas mães

Padrões genéticos da calvície em homens.
Padrões genéticos da calvície em homens.

Você será calvo quando envelhecer? Pesquisadores britânicos descobriram que mais de 287 genes diferentes podem conter a resposta. Uma equipe do Centro de Medicina Genética e Experimental da Universidade de Edimburgo analisou o DNA de mais de 52.000 homens entre 40 e 60 anos para predizer o risco de calvície em cada indivíduo. Uma das principais conclusões do estudo é que, embora muitos homens olhem para os seus pais na tentativa de saber se perderão cabelo, as pistas estão no genoma das mães.

Dos 287 genes relacionados ao problema, 40 se concentram no cromossomo X, que os homens herdam das mulheres. Segundo Riccardo Marioni, chefe da pesquisa, esse resultado sugere que os mecanismos hormonais são importantes na perda do cabelo. “Além disso, pode ser que as proteínas da estrutura do cabelo interajam com os hormônios sexuais, o que conduz a uma maior prevalência da calvície”, acrescenta.

Dos homens que participaram do estudo, 16.700 não tiveram queda de cabelo; outros 12.000 tiveram perda leve, 14.000 apresentaram perda moderada, e 9.800 tiveram calvície severa. Os pesquisadores relacionaram o padrão genético de cada indivíduo com a tendência à calvície e descobriram que os participantes com uma quantidade menor que a média dos 287 genes associados ao problema tinham menos probabilidades de ficarem carecas (só 14% da amostra tinham essa característica, e 39% não haviam perdido nada de cabelo). Entre os homens com um risco genético 10 vezes superior à média, 58% apresentaram uma maior perda de cabelos.

A calvície masculina afeta aproximadamente 80% dos homens aos 80 anos

Mas os cientistas ressalvam que a presença desses 287 genes não significa certeza de calvície no futuro, e que esse padrão genético tem um caráter meramente preditivo. “Em geral, o efeito de cada gene em um traço complexo como a perda de cabelo é bastante pequeno, por isso necessitamos estudos muito grandes, com muitos participantes, para estimar seus efeitos com precisão”, diz Marioni. Sabe-se, entretanto, que a maioria dos homens está fadada a ter alguma perda capilar. “A calvície masculina afeta aproximadamente 80% dos homens aos 80 anos”, escrevem os pesquisadores.

E, embora ainda não exista uma técnica definitiva – um exame de sangue, por exemplo – que determine se alguém começará a perder o cabelo e quando, Marioni afirma que os novos resultados deixam os cientistas um passo mais próximos de compreenderem as causas genéticas de um problema que é uma dor de cabeça para muita gente.

MAIS INFORMAÇÕES