Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
ENTREVISTA

David Nogués, ecologista: “Ser o parasita da Terra nos levará à autodestruição”

Especialista publica na revista ‘Science’ o primeiro mapa da diversidade genética do planeta

Nogués-Bravo, ao lado de um mamute no Museu de História Natural da Dinamarca Ampliar foto
Nogués-Bravo, ao lado de um mamute no Museu de História Natural da Dinamarca

Há duzentos anos, a simples ideia de que uma espécie animal pudesse se extinguir era completamente revolucionária. “Não posso deixar de acreditar que o mamute ainda existe. A aniquilação de qualquer espécie carece de exemplos em qualquer parte da natureza que observarmos”, escrevia em 1796 o paleontologista (e terceiro presidente dos EUA) Thomas Jefferson. O pai da Declaração de Independência tinha muitos motivos para pensar que, sem dúvida, a natureza era capaz de se manter em equilíbrio apesar da pressão que os humanos pudessem exercer em determinado ecossistema. Hoje, boa parte das notícias que temos sobre biodiversidade dão conta de novas espécies em perigo ou já em extinção em vários rincões do planeta. Mas para determinar o estado de saúde da biodiversidade da Terra em seu conjunto, cada vez mais é necessário o uso de novos instrumentos que permitam chegar ao diagnóstico. A isso se dedica o macroecologista David Nogués Bravo, que desenvolveu uma nova ferramenta, “como um novo tipo de telescópio” para observar a diversidade genética dos animais. “São os blocos da vida que nos ajudam a nos adaptar às mudanças. Se existem blocos que nos ajudam com as mudanças climáticas, temos mais possibilidades de sobreviver”, explica Nogués (Zaragoza, 1975), da Universidade de Copenhague, que publicou seus resultados na matéria que chegou à capa da revista Science. A principal observação proporcionada por este telescópio é que nós, humanos, estamos acabando com a força genética dos animais. Já sabíamos que arrasamos espécies e ecossistemas, mas também estamos empobrecendo sua herança genética, o que os torna ainda mais vulneráveis.

Um de seus primeiros trabalhos de relevância foi, exatamente, sobre a extinção dos mamutes, um estudo que mostrava como a mudança climática deixou esses primos peludos dos elefantes por um fio exatamente quando chegaram os humanos a seus ecossistemas para lhes dar “o golpe de misericórdia”. Trata-se de um exemplo tão profético quanto útil para entender como serão as extinções presentes e futuras que estamos provocando. “Fazemos modelos sobre o futuro, mas não temos uma máquina do tempo para validar se estes modelos têm sentido ou não. E por isso começamos a trabalhar sobre o passado”, explica este macroecologista, professor titular do Museu de História Natural da Dinamarca, um lugar em que “a ciência é um pilar básico”, o que lhe permite ter projetos de grande porte que envolvem geneticistas, paleontologistas, ecologistas, biólogos e cientistas sociais. Em seu grupo de macroecologia, de um total de oitenta pesquisadores cerca de vinte são economistas e sociólogos “porque temos que entender como os processos econômicos e sociais estão ligados às dinâmicas naturais”, explica.

Somos a espécie que melhor compete na história do planeta. E quando você compete muito, muito bem, desloca e acaba extinguindo as outras

Durante um projeto de apoio ao desenvolvimento, Nogués teve uma experiência reveladora, em um mercado em Durban (África do Sul), no qual se faziam poções e se comercializava impunemente pedaços de animais mortos, muitos deles em risco de extinção —“um dos grandes problemas com os mamíferos na África”. E, vendo o trabalho de seus colegas de museu dedicados ao estudo dos insetos sociais, chegou a uma conclusão: os humanos são o parasita da Terra.

Pergunta. Começamos a sexta grande extinção de espécies da história do planeta, equiparável à que sofreram os dinossauros. Nós, os humanos, somos o novo meteoro?

Resposta. O que temos certeza é que os níveis de extinção que estamos vendo nos últimos 500 anos são um fato único na história do planeta, que se assemelha a esses outros cinco grandes períodos de extinção. É importante dizer que nós como humanos estamos tendo um impacto muito rápido e direto na extinção de centenas de espécies. Somos a espécie que melhor compete na história do planeta. E quando você compete muito, muito bem, pode ser bom para sua espécie, mas você desloca e acaba extinguindo as outras. Somos uma espécie com uma capacidade para atrair e sugar energia de nosso planeta em escala global como possivelmente nunca houve antes. Temos a capacidade de modificar o ambiente, fazendo com que muitas espécies não consigam sobreviver com este novo competidor. Para a história do planeta somos uma espécie muito recente, temos 200.000 anos, mas fomos capazes de competir com as outras até o extremo de ter um controle global sobre a biosfera. Nos próximos 50 anos vamos ver desaparecer muitas espécies de primatas para sempre. De 1.300 espécies de invertebrados marinhos, 25% estão ameaçados de extinção; de 7.800 de invertebrados de água doce, 34%. Foram extintas quase 350 espécies de vertebrados nos últimos cinco séculos. Às vezes temos problemas para visualizar: isso está acontecendo, não é algo que os cientistas estão predizendo. Assistimos a extinções locais de forma contínua. Estamos em tempo de resolver muitos desses problemas, mas para parar essa dinâmica é preciso tomar medidas radicais, drásticas e que sejam rápidas.

P. Por isso o sr. dizia recentemente em um artigo que somos um parasita?

Continuamos sem saber quantos milhões de espécies existem no planeta; sabemos com certeza que muitas se extinguem antes mesmo de podermos descrevê-las

R. Isso me veio à cabeça porque meus colegas do primeiro andar estiveram no Brasil observando um fungo que parasita as formigas, metendo-se em sua cabeça, e transformando-as em zumbi. Assim conseguem controlá-las por completo em seu próprio benefício até que as formigas morrem. Desde a origem de nossa espécie até o Neolítico éramos caçadores-coletores e vivíamos em relação de comensalismo com nosso planeta: obtínhamos benefícios da natureza, mas sem causar um impacto significativo. Mas a partir da Revolução Industrial ocorre uma aceleração exponencial de nossa capacidade de obter energia e de transformar ecossistemas. E nessa fase de nossa história de amor e ódio com o planeta é que vem o exemplo da formiga. Pode soar muito radical, porque o planeta continuará existindo com ou sem os humanos. Mas estamos dirigindo-o, como se fôssemos a cabine de controle, e estamos levando-o para uma zona que não garante nossa própria sobrevivência. Já há estudos que destacam que estamos perto de alcançar níveis insustentáveis para nossa própria sobrevivência. Ser o parasita da Terra nos leva à autodestruição.

P. Isso lembra mais a fábula do escorpião, que não consegue evitar picar a rã que o transporta, mesmo prevendo a própria morte.

David Nogués, em um Ártico muito menos nevado do que o desejável ampliar foto
David Nogués, em um Ártico muito menos nevado do que o desejável

R. A biodiversidade é importante em si. Mas se você quiser pensar de uma forma egoísta, dependemos de inúmeros aspectos do que a natureza nos dá. A mudança climática está afetando a capacidade de cultivar plantas, mas também os animais que polinizam para sobreviver: desde os colibris que polinizam o café na Jamaica até as abelhas que são responsáveis por centenas e centenas de produtos que encontramos em nossos supermercados. As abelhas estão indo para um declive acelerado em muitos lugares do planeta a ponto de em algumas regiões da China as plantas não terem abelhas para polinizá-las. Tiveram de colocar pessoas para polinizar as árvores à mão. Os recursos que obtemos da natureza dependem de manter a diversidade de animais e plantas. Como espécie, nossa sociedade depende desses serviços que nos dão os ecossistemas.

P. Como a macroecologia pode ajudar?

R. Ajuda a estudar em grandes escalas. Em vez de analisar uma espécie em um único ecossistema, estudamos a distribuição da vida em escalas continentais e globais. Podemos fazer uma analogia: há astrônomos olhando uma só estrela ou planeta e nós fazemos um mapa de toda a galáxia. Tudo está conectado, os problemas são globais, e ver a natureza sob essa perspectiva permite entender melhor quais são as dinâmicas que nos rodeiam. Em nossa disciplina se impõe a pesquisa multidisciplinar, com experiências em grande escala. Agora temos ecologistas fazendo experiências ao redor de todo o planeta ao mesmo tempo. Está se tornando uma ciência global na hora de analisar a resposta à mudança climática. Continuamos sem saber quantos milhões de espécies há no planeta; sabemos com certeza que há muitas que se extinguem até antes que possamos descrever. Precisamos convencer quem financia a pesquisa básica que se não conhecermos a diversidade não poderemos conservá-la.

P. Nesse contexto aparece seu estudo na Science, uma nova ferramenta para estudar a biodiversidade sob outra ótica.

A melhor maneira de proteger a biodiversidade nos países do Terceiro Mundo é ajudar a melhorar o modo de vida das comunidades locais

R. Sabemos há anos que há grande diversidade de espécies e diversidade de ecossistemas nos trópicos, mas há um padrão global que seguíamos sem conhecer: o da diversidade genética. Pedi um projeto de mais de um milhão de euros para responder a essa pergunta que parece simples, mas têm implicações bem grandes na hora de proteger a biodiversidade e responder às ameaças no futuro. Este primeiro mapa é um pouco como ter construído um novo telescópio que nos permite olhar a galáxia completa. Até agora havia estudos em escalas mais locais: Nova Zelândia, Espanha, Brasil... Mas toda essa informação não tinha sido colocada junta: conseguimos colocar a informação geográfica de 30% de todas as sequências que já se publicaram para mamíferos e anfíbios. Nos próximos anos, espero que passemos a 80% ou 90% em meu grupo de pesquisa.

P. Esse estudo também revelou o “mapa da ignorância”.

R. Uma das principais ideias é que nos demos conta de que o que não sabemos continua sendo muito mais do que o que sabemos. Percebemos que as áreas do mundo que são mais biologicamente diversas são as que conhecemos menos, os trópicos. Sabemos que há centenas de milhares de espécies, mas há muito pouca informação sobre essas arcas de biodiversidade.

P. O estudo fala do efeito do Antropoceno. Como se nota a marca humana na diversidade genética?

Uma das grandes ambições da macroecologia é descobrir as leis básicas que explicam a evolução da vida em nosso planeta

R. Nosso trabalho mostra que o padrão global da diversidade genética do planeta foi modificado por impactos de origem humana. As regiões do planeta usadas por humanos de forma mais intensa nos últimos 2.000 anos têm níveis de diversidade genética muito baixos, muito menores do que o que lhes correspondia por sua posição geográfica no globo. Nós, humanos, estamos destruindo muitas populações; não vemos um padrão natural, mas uma marca humana global direta sobre a diversidade genética.

P. Por que é importante conhecer a diversidade genética?

R. São os blocos da vida que nos ajudam a nos adaptar às mudanças. Se temos blocos que nos ajudam com as mudanças no clima, temos mais possibilidade de sobreviver. Por isso muitas espécies com baixos níveis de diversidade genética estão muito mais expostas a sofrer impactos e extinção.

P. Como a destruímos?

R. Uma espécie é constituída por diferentes populações. Por exemplo, pensemos nos lobos europeus. Os que existem na Espanha, na Itália, no leste da Europa... Cada população tem uma arquitetura genética diferente das outras. Se começamos a extinguir ou reduzir de forma radical muitas dessas populações que são geneticamente diferentes, vamos eliminando o que chamamos de genótipo. Dessa forma estamos fazendo com que muitas espécies estejam perdendo grandes níveis de diversidade genética.

P. Como se resolve essa convivência com os humanos?

Somos a espécie que melhor compete na história do planeta. E quando você compete muito, muito bem, desloca e acaba extinguindo as outras

R. É uma situação complicada. As populações humanas estão crescendo a um ritmo muito acelerado e as pessoas precisam comer, por isso se desmata para plantar. A questão é que as pessoas nesses lugares estão em condições de pobreza alarmantes. Precisam conseguir comida e vender recursos para poder viver. Tudo isso está misturado a grandes interesses econômicos estrangeiros, a governos locais ou estrangeiros com interesses próprios, que não incluem a preservação da natureza entre seus principais objetivos. A melhor maneira de proteger a biodiversidade nos países do Terceiro Mundo é ajudar as comunidades locais a melhorar seu modo de vida porque, quando não há recursos, a defesa da biodiversidade fica em segundo plano. Temos de encontrar maneiras de ajudar o desenvolvimento econômico sustentável das populações que vivem ao redor dos grandes centros de biodiversidade de nosso planeta, seria uma das melhores formas de promover a preservação.

P. Qual vai ser o grande sucesso da macroecologia no futuro?

R. Descobrir as leis da natureza. Os físicos são muito bons quando falam das leis da física. Mas, na ecologia, os especialistas têm sido mais reticentes ao tratar das grandes leis que regem a natureza. Acredito que, nisso, a macroecologia é muito menos modesta: em nosso campo, uma das grandes ambições é descobrir as leis básicas que explicam a evolução da vida em nosso planeta: onde estão as coisas hoje e onde vão estar, se estiverem, daqui a cem anos. Sem essas leis não poderemos prever corretamente qual será o futuro da biosfera dentro de cem anos.

MAIS INFORMAÇÕES