Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Universidade do Estado do Rio pede socorro em meio à grave crise

A UERJ, referência no Estado, e seu reitor acusam Governo de "forçar" seu fechamento

Cerca de 9.000 alunos carentes começam suas aulas sem bolsas

Aluna da UERJ confecciona cartazes de protesto na universidade.
Aluna da UERJ confecciona cartazes de protesto na universidade.

De licença médica e sofrendo as dores das complicações de uma cirurgia, o reitor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Ruy Garcia Marques, pegou seu computador e digitou um pedido de socorro: “Forçar o fechamento da UERJ é não pensar no futuro de nosso Estado e de nosso país”. A mensagem, convertida em uma carta dolorosa, foi enviada oficialmente ao Governo do Rio há cerca de duas semanas e, depois, à imprensa escancarando uma das piores crises nos quase 70 anos de história da instituição. A UERJ, 11ª colocada em qualidade entre as 195 universidades brasileiras e a 20ª da América Latina, segundo o ranking da revista britânica Times Higher Education de 2016, sangra. Falta dinheiro até para comprar a ração dos ratos de laboratório.

A crise econômica do Estado, que decretou calamidade pública às vésperas dos Jogos Olímpicos, está rachando os pilares da primeira universidade do Brasil a estabelecer, em 2003, cotas sociais nas suas aulas. Com o curso prestes a começar, os professores não receberam seus salários de dezembro nem o décimo terceiro, tampouco os técnicos administrativos, que resolveram entrar em greve, e os 65 programas de pesquisa receberam nem um centavo dos 32 milhões de reais previstos em 2016. Sem dinheiro, projetos que investigam áreas de risco, a dengue, zika, chikungunya ou a despoluição da Baia de Guanabara podem parar, afirma o pró-reitor de pós-graduação e pesquisa, Egberto Gaspar de Moura. Mas a lista de afetados pelas dívidas do Estado não termina aqui.

Os alunos de baixa renda, que recebem uma bolsa de 400 reais para garantir suas despesas básicas, não veem um real desde novembro e o restaurante universitário, que oferece preços mais em conta para esses bolsistas e o resto de alunos, acaba de fechar por uma dívida de oito meses que chega a 2,5 milhões. A empresa responsável pela limpeza ameaça ir embora e em dois dos seis campi regionais (Resende e Nova Friburgo) o departamento jurídico da UERJ teve que entrar na Justiça para as empresas de luz e água não cortarem o fornecimento. “A UERJ resiste de pé. Não pensamos em fechar nem em romper o compromisso que temos com a sociedade, mas se não tivermos limpeza, restaurante, segurança condições mínimas nos laboratórios, nós não podemos ser irresponsáveis”, lamenta a sub-reitora de Graduação, Tânia Maria de Castro.

Foi Castro quem apoiou adiar o início das aulas, previsto para o dia 17, para o dia 23 e depois para o dia 30 deste mês. O motivo é a falta de pagamento do Estado das contas da instituição, um calote de cerca de 360 milhões de reais (35% do orçamento de 1,1 bi de 2016), reconhecido pela própria secretária da Fazenda. “Como é que a Universidade vai abrir para um conjunto de estudantes que pode pagar passagens e alimentação e não acolher aos que não podem?”, questiona a sub-reitora. Dos 32.200 alunos da UERJ, cerca de 9.000 têm direito a uma ajuda econômica pela sua situação financeira e, sem ela, mal conseguem chegar no campus, o principal deles vizinho do estádio do Maracanã, outro símbolo do Rio que fenece.

Elaine Monteiro, de 22 anos, é bolsista, vive em Nova Iguaçu, na região metropolitana de Rio, e só para ir e voltar das suas aulas de História investe quase quatros horas e 16 reais por dia. “Dessa bolsa depende minha permanência na faculdade. Já faltei às aulas por não ter dinheiro para a condução”, avisa. “Aumentaram as passagens de ônibus da minha cidade, aumentou a tarifa do trem, fecharam o bandejão [o restaurante], onde eu vou almoçar se eu preciso passar o dia inteiro na faculdade?”, questiona ela, que vive só com a mãe, que apertou o cinto para ajudá-la.

A crise, que já se avizinhava em 2015 e arrastou-se em 2016, quando professores, alunos e técnicos administrativos mantiveram uma greve de mais de cinco meses para denunciar a falta de serviços básicos, teve um reflexo nos corredores e salas de aula da Universidade. O número de alunos que fez a inscrição no vestibular de 2017 caiu cerca de 30% em comparação com 2016 (de 41.897 candidatos a 29.536) e, no primeiro semestre de 2016, 761 alunos pediram transferência para outras instituições, mais do dobro que no primeiro semestre de 2015. “As pessoas ligam a UERJ ao caos e a instabilidade, é muito desestimulante. Uma universidade como esta receber apenas 65% dos recursos nos mata igualmente. Não adianta. O que adianta é uma situação de estabilidade”, lamenta o professor de Relações Internacionais Bruno de Moura, que com salários atrasados reconhece ter assumido varias dividas para manter as faturas em dia.

O clima nos corredores não é dos melhores. Os professores que testam sua criatividade financeira em casa e na sala de aula, dividem-se agora entre os que querem e não iniciar uma nova greve. Os reitores estão revoltados e os alunos convocam protestos e organizam mutirões para desenhar cartazes de denuncia e recolher alimentos para os servidores mais necessitados. O adiamento do começo das aulas busca dar margem para o Governo atualizar uma parte dos pagamentos, mas os professores já apoiaram em assembleia adiar ainda mais o começo do curso, pois não há nenhuma previsão: a prioridade do Estado, diz a Secretaria da Fazenda, é o pagamento da folha salarial de dezembro do funcionalismo.

Elaine, a estudante de Nova Iguaçu, que se não fosse pela longa greve do ano passado já teria se formado, escolheu o curso de História porque queria se parecer com seus professores do vestibular. Questionada sobre se continua mantendo esse sonho, dispara.

- Já não sei mais.

MAIS INFORMAÇÕES