Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Argentina já tem seu primeiro cão clonado por encomenda

Família de Buenos Aires paga entre 200.000 e 330.000 reais por uma cópia geneticamente idêntica de um animal de estimação que morreu neste ano

O cão clonado, ainda recém-nascido

“Não consigo te esquecer” é, talvez, a frase mais batida de todas as que são ditas aos seres amados. Entretanto, existe um método que pode saciar essa necessidade, apesar de se tratar de um sentimento peremptório. Uma família argentina assim entendeu e encomendou a clonagem do cão Antony, que a acompanhou até o começo deste ano, quando morreu de velhice. O custoso e lento processo oscila entre os 60.000 e 100.000 dólares (200.000 a 330.000 reais, aproximadamente) e, segundo relato feito pelos especialistas ao EL PAÍS, o resultado é um animal que “tem a mesma expectativa de vida que qualquer outro cachorro”. Está previsto que em breve a técnica seja usada também em gatos.

A família, que prefere se manter no anonimato, contatou a firma argentina BIOCAN, única representante na América Latina da sul-coreana Fundação Sooam de Pesquisas Biotecnológicas, que se gaba de já ter feito mais de 1.000 clonagens bem sucedidas. O processo se chama transferência nuclear de célula somática (SCNT, na sigla em inglês) e consiste em extrair o núcleo de uma célula somática – no caso de Antony, um pedaço da sua pele –, que é posteriormente transferido para um óvulo esvaziado do seu material genético. O embrião resultante é introduzido numa fêmea, que o gesta de forma natural.

O cachorro, com poucos dias de vida
O cachorro, com poucos dias de vida BIOCAN

A Fundação Sooam foi criada pelo cientista coreano Hwang Woo-Suk, que no final de 2005 protagonizou um enorme escândalo científico quando se descobriu que havia mentido ao anunciar a clonagem bem sucedida de embriões humanos. O comitê que investigou suas atividades concluiu, por outro lado, que havia realmente realizado com sucesso a primeira clonagem canina. O cientista foi condenado a dois anos de prisão, mas a pena foi suspensa.

“O cão é o animal mais humanizado do planeta, a tal ponto que convive conosco, dorme conosco, come conosco, o levamos de férias e entende o idioma do país onde é criado. Se o amor for o mesmo, isto não muda nada. Não prejudica ninguém, e não estamos fazendo ninguém reviver. Fazemos um gêmeo do anterior e permitimos à família que volte a tê-lo”, disse ao EL PAÍS Daniel Jacoby, diretor da BIOCAN. “Não alteramos nenhum ciclo natural da vida. O cão morre, não é que nós o ressuscitemos. Fazemos um processo genético para que saia um cão idêntico ao anterior, com as mesmas características físicas, e a parte comportamental é dada pela própria família que decidiu a clonagem”, afirma o especialista.

Antony chega à Argentina na semana que vem
Antony chega à Argentina na semana que vem BIOCAN

Segundo Jacoby, o processo é fácil de explicar, mas complexo de realizar – apesar de mais de 1.000 cachorros já terem sido clonados no mundo todo. Estados Unidos, Canadá, Japão, Rússia, Índia, China e Austrália são os países que mais aderiram a esta moda. “Um veterinário se encarrega de extrair o tecido epitelial (da pele), e esse material é levado por nós ao laboratório da Faculdade de Agronomia para que se realize a reprodução celular. Uma vez que as células estão formadas, são depositadas em tubos com nitrogênio líquido e enviadas à Coreia do Sul, onde são escolhidas as melhores células para iniciar o processo de clonagem. Ao todo, obtivemos 24 amostras; 18 nós enviamos, e as outras 6 guardamos num banco de células, para o caso de algum contratempo”, relata Jacoby.

“Estamos congelando muitas células de animais vivos. Alguns proprietários esperam que o animal morra para iniciar o procedimento. Isto é perigoso, porque num certo percentual não é possível isolar o material útil. Há algum tempo oferecemos o serviço de preservação genética de mamíferos. A vantagem é que o material criopreservado se mantém em forma indefinida”, disse ao jornal Clarín o cientista Daniel Salamone, diretor do Laboratório de Biotecnologia Animal e pesquisador-chefe do INPA-CONICET. Foi ele quem recebeu a amostra de Antony.

O processo requer quase um ano de trabalho, e Jacoby espera que num futuro próximo ele fique mais barato. “As famílias acompanham todo o procedimento em forma especial, e às vezes até a convidamos a ir à Coreia”, terra natal do novo/velho bichinho de estimação. A entrega é feita no país do cliente, e o cão, se necessário, viaja em voos especiais, em gaiolas pressurizadas. “Houve mais alguns pedidos depois do caso do Antony. Donos de diversos tipos de cachorros – de um pitbull a um poodle toy – nos ligaram para fazer perguntas e tirar dúvidas”, revela Jacoby, que já pensa em abrir o mercado aos gatos.