Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Doria: “Se for necessário rever limite de velocidade, podemos voltar atrás”

Prefeito eleito promete alterar as velocidades nas marginais a partir da segunda semana de janeiro

João Doria Jr. conversou com o EL PAÍS na última quinta (5) do alto de um entusiasmo natural e legítimo de quem foi eleito com mais de 3 milhões de votos e venceu por primeira vez em 30 anos uma eleição em primeiro turno na maior cidade do país. Era sua entrevista de número 52, logo após a eleição. Ao final do dia, já eram 60. Sai o prefeito Fernando Haddad, que concedia entrevistas com ar professoral herdada dos tempos acadêmicos da USP, entra o milionário gestor que coloca um relógio na mesa para medir o tempo das conversas. Doria tem pressa para governar a cidade.

Pergunta. O senhor já tem quase tudo. Sucesso profissional, financeiro, conquistou respeito do mundo econômico e político. Por que quis entrar num imbróglio como a prefeitura de São Paulo?

Resposta. Uma boa pergunta. Eu amo meu país, amo minha terra, amo São Paulo. Posso fazer isso. Tenho disponibilidade, tenho vontade, desejo, experiência, vivência. Tenho recursos e uma boa família. Entendo que em certos momentos você tem de sair da sua zona de conforto para oferecer um pouco mais para o seu país, para sua cidade. Por isso tenho feito convocação para as pessoas, para que não sujem a cidade, não emporcalhem, restos do que for perto de bueiro. Quero ser um servidor, isso me realiza, me traz satisfação, a ponto de querer trabalhar quatro anos para fazer uma gestão inovadora, e preparar um sucessor ou sucessora, alguém que possa inovar e continuar transformando.

P. Já repetiram várias vezes esta pergunta, mas preciso fazê-la novamente. Vai mesmo ficar os quatro anos na prefeitura [especula-se que ele sairia em 2018 para concorrer ao Governo estadual no lugar de Geraldo Alckmin, seu padrinho político]?

R. Fui eleito para ser prefeito de São Paulo, e para ficar quatro anos, e ficarei os quatro anos. E sem reeleição porque eu sou contra. Quero fazer uma gestão inovadora, quatro anos que se transformem em oito de boa eficiência. Se eu trabalhar em dobro, transformo cada dia em dois.

P. Mas se lá na frente, você viesse a ter 70% de aprovação e as pessoas pedissem para ficar, diria não?

R. O tempo vai dizer. Fazer profecia sobre o futuro não posso.

P. Sua semana pós-vitória começou com uma maratona de entrevistas, inclusive com o senhor já falando às pessoas que tomem cuidado ao dirigir de celular, ou pedindo que os paulistanos não joguem lixo na rua. Essa postura será permanente, ou só neste momento inicial?

R. Quero ser um líder na cidade, para que as pessoas tenham paixão por São Paulo, ajudem São Paulo, protejam e cuidem São Paulo, não é só a missão de uma pessoa, mas de um conjunto delas. Não é só uma missão política, é um valor de cidadania. As pessoas precisam gostar de São Paulo e ajudar a cidade a ser melhor, mais humana, mais justa, mais bonita, mais limpa, mais afetuosa no trato com as pessoas. Respeitando mais as pessoas as propriedades privadas e públicas para que não haja pichações. Não é parte do cotidiano da cidade, nem a pobreza, nem a miséria, nem os moradores de rua, e nem a pichação. Não podem fazer parte da vida cotidiana de São Paulo.

P. São Paulo vem há alguns anos num movimento de coletivos – de festas, de promoção do verde, do cuidado com a água – de se apropriar da cidade, com eventos na rua, cuidados com praças, entre outros. Eles se preocupam se haverá uma boa relação com a prefeitura, pois muitos elogiam a interlocução com o atual prefeito. Teme-se até que o Carnaval de rua seja coibido.

R. Não vão perder [a interlocução com a prefeitura]. Eu já me manifestei sobre isso, respeito e gosto do Carnaval de rua, eu organizei por três anos. Apoiei quando eu estive na Paulistur [divisão de turismo da prefeitura, nos anos 1980]. Não há a menor hipótese de interromper esse processo, ou criar vértices diferentes, exceto para melhorar. Carnaval de rua, descentralizar para que o carnaval crie o bem estar e a diversão, mas não provoque tumulto e confusão.

P. A economia criativa inclusive está dentro do Plano Diretor...

R. Será muito incentivada, na música, na arte, na dança, na gastronomia, no turismo, na atividade esportiva, artesanato. Teremos uma nova vida cultural. Fiz isso quando fui secretário do Mario Covas, e incentivei muito. Teremos as ruas e praças musicais da cidade, que vão inclusive substituir os pancadões, para dar alternativas às pessoas, para que elas tenham no seu bairro shows com música brasileira, ou internacional, a que eles desejarem.

P. Eles também gostam de funk.

R. Nada contra, apenas coibir o excesso, de fazer o que não pode, ferir a Lei do Psiu, vender bebida para menores, e consumo ou tráfico para entorpecentes, ou aliciamento de menores, para atividades que não devem, prostituição ou tráfico.

P. Outra polêmica é a dos parques de concessão ao poder privado. Nova York também tem, e eles fazem um conselho onde tem a participação de sociedade civil para também opinar sobre a gestão que vai ser feita. Não há marco regulatório para isso para um parque nosso. Como fazer, obedecendo a legislação?

R . Os parques todos eles são maltratados. Não há nenhum com frequência, instalação ou limpeza adequada. Não há nenhum parque exemplar. Nenhum tem banheiro, limpeza, quadra, acessibilidade plena. Onde tem a mão privada ele tem uma cogestão. Limpo, arrumado, piso em ordem, segurança razoavelmente. É o caso do Parque do Povo [um parque estadual]. Ele é menos ruim, mas ainda assim com deficiência em banheiros. Para uma cidade que não tem praia, os parques são alternativa de lazer, de todas as faixas de renda, principalmente as de baixa renda. A prefeitura não consegue fazer por falta de efetivo, não tem condições. A comprovação é que problemas se repetem ano após ano. Não é um problema do PT, os parques sempre tiveram problemas, mesmo nas gestões anteriores. A solução é que se tenha a gestão privada, sem ônus nenhum para os usuários, sem cobrança de ingresso para acessar os parques. Apenas serão geridos por consórcios que sabem fazer isso de forma exemplar. Para fornecer limpeza, quadra poliesportiva, equipamentos de ginástica...

P. Como as empresas concessionárias vão ganhar dinheiro?

R. Com a concessão de alimentos e bebidas, serviços de eventos especiais, que já acontecem no parque. Mas hoje a prefeitura não ganha nada. Você tem shows que acontecem e a atividade dos parques promovidos por organizadores de eventos, patrocinado por empresas privadas. E a prefeitura nada ganha. Agora, com a concessão de setor privado, quem desejar pode fazê-lo desde que pague por isso para a empresa privada – que terá a contrapartida pela gestão por dez e quinze anos. Vão continuar tendo shows nacionais ou internacionais. Grandes shows vão para Interlagos, que será o maior palco da América do Sul. Mas eventos menores, que não alterem a dinâmica do parque, poderão ser feitos sim, acesso gratuito, mas que terão de contribuir para a empresa. Como acontece no Canadá...

P. Mas podemos ter representantes da sociedade civil para garantir equilíbrio?

R. Em outro formato, não como estão os conselhos atuais. Continuarão sendo ouvidos, mas não como acontece hoje em que alguns conselheiros se sentem donos do parque. Os parques são da população. O conselho é para aconselhar e não para se apropriar.

P. Há essa resistência?

R. Sim, alguns conselhos se sentem donos e se arvoram de decidir como usar os parques. Quem decide isso é a população e a prefeitura que representa essa população, não o conselho.

P. Você tem sido comparado ao ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg...

R. Essa é uma comparação que eu gosto.

P. Ele deixou um legado impressionante para os nova-iorquinos, com a recuperação de áreas degradadas...

R. Com recursos privados.

P. E chegou a investir do próprio bolso recursos para divulgar as ações do seu Governo. Pode cair nessa tentação?

R. Diria que esse investimentos já fiz durante a campanha. Daqui para frente, evidentemente, por não ser um Bloomberg, terei de viabilizar com investidores privados. E não faltarão. Para boas ideias sempre tem grupos e empresas interessadas.

P. Ele recuperou áreas inóspitas, mas também valorizou as ciclovias, foram 720 quilômetros no seu Governo. O senhor até tem essa preocupação por parte dos cicloativistas que lhe entregaram uma carta pedindo expansão da malha.

R. Eu não sou contra a ciclovia e nem contra a ciclofaixa. As ciclofaixas inclusive serão expandidas, mas hoje estão concentradas nas áreas nobres, e elas irão para a periferias, aos sábados e domingos. Já as ciclovias não precisam ser expandidas, é preciso cuidar da sua manutenção, algo que não está acontecendo. Buraco, sinalização vandalizada... Isso faremos com o setor privado, a manutenção. Neste momento fazer expansão, não. Nada impede que no futuro a gente volte a avaliar programas de expansão. Principalmente com malha de ciclovias suficiente para atender lazer e mobilidade.

P. Já leu a carta dos cicloativistas que foram na sua casa protestar [ciclistas pedalaram até a residência do novo prefeito e deixaram uma carta endereçada a ele pedindo para que continue investindo em ciclovias]?

R. A defesa que eles fazem é a que temos. Somos a favor. Mas há o custo de preservar de ciclovias que não são utilizadas. Áreas de aclive ou declive em que você precisa ser um atleta olímpico para conseguir subir. E mesmo assim você tem de carregar a bicicleta. Como investir em algo que foi feito de forma equivocada, ou ciclovias feitas sobre calçadas? É incompatível.

P. As bicicletas vieram no movimento dos coletivos que se apropriam da cidade, e que nos últimos anos trabalharam o debate sobre a cidade ser mais do pedestre do que do carro. Concorda com esse conceito?

R. Eu sou a favor, é um movimento saudável, mas não é preciso desrespeitar o direito daqueles que trabalharam para ter automóvel e querem ter direito de usá-lo. Como não é justo prejudicar quem trabalha com logística.

P. Na questão da velocidade, você já fechou retomar as antigas velocidades nas marginais Pinheiros e Tietê...

R. Tenho plena convicção que as marginais vão mudar de velocidade. De 50, 60, 70 para 60 km, 70 km e 90 km.

P. Mas os questionamentos continuam, o mais recentes da Associação Brasileira de Medicina do Trânsito, falando que as chances de óbito em acidentes a uma velocidade acima e X ou Y podem crescer [40% em acidentes a 45 km por hora, e a 64 km/hora a chance sobe para 85%]. Nova Iorque mesmo está em 40.

R. Nova Iorque não tem vias expressas como as marginais. É diferente. Mas outra coisa. Nós não temos compromisso com o erro. Se a demonstração e a exemplificação não for adequada, mudamos.

P. Ou seja, se aumentarem os acidentes na Marginal...

R. Se houver uma necessidade real, e não pontual, nós podemos rever. Mas até o presente momento, em consultas realizadas a técnicos e especialistas não temos temor em orientar a partir da segunda semana de Governo que teremos essas alterações especificamente nas marginais.

P. A pichação que houve no monumento às Bandeiras e ao Borba Gato na véspera da eleição foi agressiva, mas ao mesmo tempo chamou a atenção para a falta de atenção aos monumentos públicos da cidade de um modo geral. Isso está no seu radar?

R. Sem dúvida. Mas não vamos aceitar destruição de bens públicos, ou de qualquer área. Pichadores serão tratados como razão policial. Os que pensam que pichar, destruir e vandalizar, não vai. É bom que se preocupem porque nós vamos melhorar a vigilância eletrônica dos monumentos e ruas. E depois, acionar a PM, a polícia civil, e a guarda militar. Pichadores e vândalos serão tratados como foras da lei.

P. Ao colocar as coisas dessa maneira, enfatizando o papel da vigilância, teme-se a violência policial, pois a cidade é marcada por casos de violência. Há um temor legítimo, não?

R. Carla, as circunstâncias mostram que houve alguns excessos cometidos de maneira inadequada, e isso não deve ocorrer. Mas também é preciso compreender que é necessário proteger o patrimônio privado e público e fazê-lo de forma ordenada, com inteligência, com técnicas que evitem a violência.

P. Sobre a necessidade de fazer caixa, o senhor já falou em arrecadar 6 a 7 bilhões de reais, com a privatização Interlagos e Pacaembu. A cidade ainda tem o grau de investimento. Vai ser importante para captar recursos?

R. Traz benefícios, uma gestão fiscal equilibrada traz ganho. Pois você não recebe uma cidade quebrada sem condições de pagar funcionários. Tenho confiança que o prefeito Fernando Haddad está tendo um comportamento zeloso para estes últimos três meses da gestão dele. Confio nele, sei que não fará nada para reverter essa boa expectativa, que afinal não é minha, mas dos habitantes da cidade. Esse é o bom caminho que nós vamos trilhar.

P. Como seria a captação de recursos?

R. Vamos buscar novos investimentos, de fundos, grupos nacionais e internacionais, principalmente para privatizações desses projetos.

P. Há ainda recursos que podem ser levantados com a ampliação de edifícios de construções segundo o Plano Diretor.

R. Será. E todo o dinheiro será revertido para a habitação popular. Nosso objetivo é que os próprios empresários sejam os construtores dessa habitação popular. Para que façam com mais eficiência, mais agilidade e mais qualidade, com supervisão da prefeitura. Se entregarem [os recursos] à prefeitura leva muito tempo para ser devolvido a sociedade.

P. Existe algum foco específico dessa habitação popular?

R. É responsabilidade da prefeitura. [onde houver déficit de habitação].

P. Há outros projetos pontuais polêmicos, como o do parque Augusta está aí. Vai mexer nisso agora?

R. Neste momento em que a prefeitura precisa investir em saúde e educação, aumentar as 104.000 vagas de creches, reduzir a fila de exames na saúde para 500.000 pessoas. Destinar recursos ao parque seria atitude irresponsável. Vamos conversar com o proprietário desta área, que era de ocupação de edificações, adquirido pelo setor privado, para que parte dessa área possa sim ser destinada a uma área pública, para lazer e usufruto de pessoas, com administração de empresas privadas, sem ônus para a prefeitura. Comprar essa área enorme é um gasto de 120 milhões de reais. A Prefeitura não vai investir esse dinheiro enquanto tem déficit em educação e saúde. A prioridade é para os mais pobres.

P. Esse é um ponto importante. Após ser sacramentado com a maioria dos votos em todas as regiões da cidade, inclusive da periferia, criou-se uma expectativa muito grande sobre a sua gestão. A eleição é o bônus, e a expectativa é o ônus, não?

R. Estou consciente dessa expectativa. Temos que fazer, executar políticas públicas de maneira rápida e consciente.

P. Como os Corujões, sistema de exames durante a madrugada, que começarão funcionarão quando?

R. No prazo limite de seis meses. Porque nós temos de fazer a organização do processo, a criação do convênio com a rede privada, e com a rede pública estadual também. E iniciar, já com a tecnologia, pois usuários vão receber informação sobre exames pelo celular. Essa é a meta, em um ano zerar o déficit dos exames pendentes de 500.000 pessoas que esperam na área de saúde.

P. E a rede privada estará aberta a tal?

R. Já consultamos, são cerca de 140 hospitais privados na capital. Nosso objetivo é que realizemos pelo menos com cerca de 40, para ter capilaridade em todas as regiões da cidade, nas áreas mais mal atendidas pelo sistema público municipal. Diminuindo os deslocamentos, e melhorando a acessibilidade das pessoas à rede privada. Serão 100 a 120 milhões de reais destinados para convênios com empresa privadas. Na rede pública não há custo, só a organização do fluxo.

P. E na área de educação, como será aumentar as escolas em tempo integral?

R. Sim, expandir os CEUS. Uma boa iniciativa realizada pela Marta Suplicy. É uma medida boa, temos de ampliar os CEUS pois têm boas instalações para escolas de tempo integral. Não só pela modernidade, dimensão e conforto, mas espaço para educação física, lazer. Tempo integral, principalmente da periferia que não tem acesso, oferecer educação somando com atividades esportivas, a nutrição de qualidade, e exames médicos preventivos, oftalmologistas, depois os psicólogos. Exames preventivos, isso ajuda as pessoas a terem futuro. Se não investirmos em educação, a perspectiva é a condenação.

P. Como fiscalizar para que a educação e a saúde seja bem gerida, o diretor que sai de licença interminável, o médico que manda outras pessoas baterem ponto no lugar dele?

R. Melhorando a gestão. Não se pode ter tudo concentrado também no palácio do Anhangabaú. Não vai funcionar. Você precisa descentralizar, e manter mecanismos de controle, aí você agiliza.

P. Você está chamando as subprefeituras de prefeituras regionais. Como será a escolha desses representantes?

R. Que tenha ficha limpa, e um currículo mínimo.

P. Apartidário ou serão das suas coligações?

R. Nada contra a indicação de meu partido ou das legendas coligadas (12 no total, além do seu partido, o PSDB).

P. Mas se uma comunidade sugerir alguém que tenha feito campanha para algum candidato derrotado, como Erundina ou Haddad, ficaria fora?

R. Não. Por que razão? Não fazemos política partidária, é pela população. Não vamos referendar ideologia. Vamos trabalhar pelo diálogo construtivo, o agressivo não constrói boas relações.

P. São Paulo é uma das cidades que ficou mais polarizada, negativo. Há necessidade de diálogo com movimentos que ficaram no meio da polarização, como o MTST. Vai dialogar com eles também?

R. Nenhum problema em manter entendimento e negociações, desde que sejam à luz do dia, com transparência, e que sejam de interesse da população.

P. Pensando na política como um todo. É consenso que há uma distância entre a política e o eleitor. Você teve uma vitória acachapante, ganhou de quatro projetos (Haddad, Russomano, Marta e Russomano)...

R. Bons competidores, duas ex-prefeitas e um projeto.

P. Você trabalhou a mensagem de ser gestor, doou o próprio salário e ainda elogia alguns projetos do prefeito que está de saída. Acha que sua vitória tem potencial de marcar uma mudança de padrão na política brasileira?

R. Pode e deve. Se eu for eficiente ao cumprir essa tarefa, primeiro, estarei fazendo a minha tarefa, que é ser um bom gestor, bom administrador da cidade de São Paulo. Vou cumprir a missão que eu prometi durante a campanha. E segundo, passará a ser referência também de gestão, um exemplo positivo para outras cidades. Tenho uma missão e essa responsabilidade.

Fe de errores

i

MAIS INFORMAÇÕES