Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Botão “não curti” no Facebook não vai ser como você imagina

Servirá para mostrar seu apoio em situações e momentos negativos, não para discutir

Botão “não curti” no Facebook não vai ser como você imagina

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, respondeu na terça-feira as perguntas de usuários da rede social. A primeira se referia a um pedido que acompanha a empresa há anos: um botão “não curti”.

Segundo admitiu Zuckerberg, há muito tempo os usuários pedem essa funcionalidade. “Hoje é um dia especial porque podemos dizer que estamos trabalhando nisso e estamos muito perto de fazer um primeiro teste”.

Claro, o botão não vai servir para que você possa manifestar sua oposição às frases de Paulo Coelho. “Não queremos transformar o Facebook em um fórum no qual as pessoas possam votar a favor ou contra as atualizações dos outros — explicou Zuckerberg. Isto não ajudaria a construir o tipo de comunidade que queremos criar. Você não ia querer passar pelo processo de compartilhar um momento que foi importante para você em seu dia e ver como alguém dá votos negativos àquilo”.

Ou seja, não se trata de fazer as pessoas se sentirem mal ou encher o Facebook de discussões polarizadas. A ideia de Zuckerberg é procurar maneiras de expressar sua empatia com experiências nas quais um ‘curtir’ não seria a resposta adequada. “Nem todos os momentos são bons – explicou Zuckerberg –, e se você está compartilhando algo triste, seja de atualidade, como a crise dos refugiados, ou a morte de um membro da família, talvez não se sinta confortável com um ‘curtir’. Então, acho que é importante dar às pessoas mais opções”.

Ainda não se conhecem os detalhes, mas muito provavelmente esse botão não será um polegar para baixo: o The New York Times afirmou que já em dezembro Zuckerberg disse a um grupo de usuários que a empresa não tinha encontrado a maneira de adicionar este botão de forma que resultasse em uma ação positiva e não negativa. Isto é, uma maneira de mostrar seu apoio a um amigo que perdeu o emprego, por exemplo, um “não curto o que você está me contando”. Não é estranho que o Facebook esteja demorando tanto: não se trata de um sentimento fácil de expressar apenas com um ícone ou um par de palavras.

Não curto o seu “não curti”

Costuma-se afirmar que outra razão pela qual o Facebook tem resistido a este botão é a publicidade. As marcas não gostariam que alguém pudesse dar votos negativos a suas ofertas e produtos.

No entanto, este impacto negativo também foi descartado no Quora por Tom Whitnah, outro engenheiro do Facebook, já em 2012: “Há muitas razões pelas quais quase ninguém no Facebook quer este botão, mas nunca ouvi nenhuma conversa sobre o seu impacto nos anunciantes e tudo o que li sobre a sua influência nesta decisão está tão longe da verdade como se pode imaginar. A decisão sempre teve como base o impacto negativo que esta dinâmica teria na experiência dos usuários”.

Whitnah escreve que, embora muitos desejassem um botão “não curti”, quase ninguém acharia bom vê-lo usado em suas próprias fotos e atualizações. Além disso, este botão não só aumentaria o nível de negatividade, também faria com que muita gente compartilhasse menos conteúdo.

O botão legal

O botão “curti” foi lançado em 9 de fevereiro de 2009. E quase desde o primeiro momento os usuários pediram o botão de não curti, como é possível ver fazendo uma busca rápida. Também foram propostas paródias, como a do grupo que pedia para substituir o botão “curti” pelo de “minha alma ama isso”.

Como explicou no Quora o diretor de engenharia do Facebook, Andrew Bosworth, a empresa trabalhou durante um ano e meio no botão “curti”. Foi avaliada a opção de dar uma estrela, o sinal de soma e o polegar para cima.

Também foi discutido como chamar essa funcionalidade. A primeira opção foi “awesome” (legal), mas foi reduzida para “like” por ser mais universal. Na verdade, até aquele momento só era possível se tornar “fã” de páginas nessa rede social, o que também era mais comprometido do que apenas “curtir”. É possível gostar de um detergente, mas não o suficiente para ser fã.

O próprio Zuckerberg não tinha certeza se este botão iria funcionar ou não: havia dúvidas, por exemplo, sobre se muitas pessoas iam se conformar com um “curtir” em vez de compartilhar conteúdo. No entanto, os primeiros testes mostraram que o botão aumentava as interações, especialmente os comentários.

O que está claro é que desde o início foi descartada a possibilidade de um “não curti”. Por exemplo, o principal inconveniente que viam de dar uma estrela era que parecia uma crítica negativa. De fato, em seu anúncio da nova funcionalidade, o Facebook comparava o botão de “curtir” com uma crítica de um restaurante no qual um “like” era uma classificação de cinco estrelas e um comentário, a crítica completa.

Seguindo a comparação, o botão “não curti” servirá para dizer “não gosto que sua cozinha tenha se queimado e espero que possa reabrir em breve porque a comida em seu restaurante é ótima”.

MAIS INFORMAÇÕES