Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Humanidade chegou ao alto dos Andes há mais de 12.000 anos

Grandes altitudes já eram habitadas pelos primeiros humanos que chegaram à América

Rademaker e Zarrillo no refúgio de pedra da Cuncaicha.
Rademaker e Zarrillo no refúgio de pedra da Cuncaicha.

Uma das questões mais interessantes sobre a evolução humana é como ocorreram as adaptações recentes que hoje distinguem umas populações de outras. A cor da pele – uma adaptação à radiação solar de cada latitude – é certamente a mais popular, mas a capacidade de viver em grandes altitudes é possivelmente a mais surpreendente, porque para a imensa maioria dos humanos é inviável viver sob tão baixas concentrações de oxigênio. Os arqueólogos descobriram agora que as enormes altitudes dos Andes peruanos, a 4.500 metros sobre o nível do mar, passaram a ser habitadas assim que os humanos chegaram há região, 12.000 anos atrás, o que pressupõe novas perguntas sobre a adaptação a esse ambiente inóspito.

Há 14.000 anos, no final da última era glacial, um grupo de asiáticos cruzou a faixa de terra gelada que então unia a Sibéria ao Alasca, no atual estreito de Bering, e colonizou a América de norte a sul. As ocupações descobertas agora em Pucuncho e Cuncaicha, nas vertiginosas altitudes dos Andes, devem ter ocorrido, portanto, pouquíssimo tempo depois da chegada dos primeiros humanos. A descoberta feita por arqueólogos das universidades do Maine e de Calgary foi publicada na revista Science.

A descoberta é importante para conhecermos nossa capacidade genética e cultural de sobrevivência

Uma altitude de 4.500 metros implica não só baixas concentrações de oxigênio, mas também muito frio e doses muito nocivas de radiação ultravioleta. “Entender que essa adaptação a condições ambientais extremas é importante para conhecer nossa capacidade genética e cultural de sobrevivência”, diz o chefe da equipe, Kurt Rademaker, da Universidade do Maine.

Há apenas poucos meses, em julho, Rasmus Nielsen e seus colegas da Universidade de Califórnia, em Berkeley, apresentaram na Nature uma descoberta assombrosa sobre outra população muito diferente, os tibetanos atuais, que também vivem a mais de 4.000 metros de altitude. Segundo aquele trabalho, os tibetanos conseguem viver com pouco oxigênio graças a um gene herdado dos denisovanos, misteriosos humanos primitivos que povoaram a Ásia há 50.000 anos. Para os humanos modernos recém-saídos da África, cruzar com os denisovanos para lhes roubar um gene foi uma forma certamente rápida de se adaptar às alturas. É possível que a população original que colonizou a América pelo estreito do Bering já tivesse esses genes denisovanos?

“Acredito que precisamos estar abertos a todas as possibilidades até que tenhamos dados genéticos sobre os primeiros habitantes dos Andes”, responde Rademaker por email. “Entretanto, as pesquisas sobre os tibetanos e os andinos modernos demonstram que os mecanismos fisiológicos são totalmente diferentes em cada grupo; isso me indica que, sejam quais forem os genes implicados, a capacidade para viver a grandes altitudes evoluiu de forma independente nos Andes, sem que tenha sido simplesmente herdada da Ásia.”

Vicunhs na bacia de Pucunchu. ampliar foto
Vicunhs na bacia de Pucunchu.

A descoberta de Rademaker e sua equipe abrange dois locais a altitudes ligeiramente diferentes: Pucuncho, a 4.355 metros, e Cuncaicha, a 4.480. O primeiro inclui 260 ferramentas como pontas de flecha, tochas e raspadores que chegam a datar de 12.800 atrás, e deve ter sido um assentamento estável. O segundo, a maior altitude, era provavelmente um acampamento temporário para a caça na temporada em que as vicunhas e os guanacos abundavam na região; trata-se de um refúgio de pedra com dois nichos habitáveis que mostram restos de fuligem no teto e algumas pinturas rupestres que chegam a datar de 12.400 anos atrás.

Em Cuncaicha há pinturas rupestres e dois nichos habitáveis que mostram restos de fuligem no teto

Os primitivos andinos começaram caçando, mas depois aprenderam a domesticar as lhamas e alpacas. Os pesquisadores acreditam que os habitantes das alturas desciam regularmente a altitudes mais baixas para coletar plantas comestíveis e se protegerem de tempestades na estação de chuvas – e também para manter relações sociais mais amplas com os habitantes de altitudes mais modestas. Um indício dessas descidas são as ferramentas que não são feitas com as rochas locais, e sim com pedras polidas pela água, possivelmente procedentes dos rios com correntezas fortes que existem bem mais abaixo.

Seja como for, a pesquisa sobre os antigos habitantes das altitudes andinas mal começou. A América é uma terra promissora também para os arqueólogos.

MAIS INFORMAÇÕES