Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Querida, estão imprimindo a nossa casa

A empresa chinesa Winsun utiliza uma gigantesca impressora 3D para fabricar edifícios em algumas horas com materiais de construção reciclados

10 casas impressas em 24 horas.

Há doze anos, Ma Yihe compreendeu que o setor da construção na China é completamente insustentável “porque desperdiça a infinidade de recursos e destrói o Meio Ambiente”. De modo que começou a buscar uma alternativa a partir de uma perspectiva, científica e empresarial. “O objetivo era encontrar um sistema que responda a quatro questões chaves: tecnologia digital, materiais reciclados, menos mão de obra e menos tempo de construção”, enumera para este jornal Yihe, em seu escritório no centro de Xangai.

Yihe já encontrou a solução. Sua empresa Winsun New Materials desenvolveu uma impressora 3D de 150 metros de comprimento, 10 de largura, e 6,6 metros de altura. Com ela, é possível imprimir dez casas em um só dia. A máquina usa uma tinta criada com material de demolição e desperdícios industriais que é controlada por um programa informático e resulta mais rápida que o concreto.

“É só um avanço do que podemos conseguir com esta tecnologia, para a qual achamos que não há limites. Poderíamos inclusive erguer um arranha-céu e seria seguro porque reforçamos o material com fibra de vidro para que seja extremamente sólido e ao mesmo tempo flexível”, afirma o empresário.

O objetivo de Yihe é criar na China uma rede de até cem pontos que recolha os restos de materiais que, por um lado, solucionará o problema da reciclagem, e, por outro, servirá de inesgotável fonte de material barato para projetos futuros.

Ma Yihe desenvolveu uma impressora 3D de 150 metros de comprimento, 10 de largura, e 6,6 metros de altura.

“Desenhamos o sistema para que nos permita trabalhar de duas formas diferentes: partindo de um plano arquitetônico, como sempre foi feito, e também escaneando uma detalhada maquete tridimensional”. Em qualquer um dos casos, o edifício é convertido por computador em um grande Lego cujas peças são impressas pela máquina que Winsun tem em Suzhou, e cuja montagem final ocorre sobre o terreno que vai ocupar a construção. A única parte do edifício que não sai da impressora 3D é o telhado.

“Demonstramos que a construção não só é bem mais ecológica, mas também é 50% barata”, diz. Uma pequena casa de 60 metros quadrados custa cerca de 3.600 euros (11.114 reais), e é levantada em horas. No caso do edifício de 900 metros quadrados de planta no qual trabalham agora, o prazo se prolonga para alguns dias dias.

“Nosso principal interesse está em mudar o meio em que a população chinesa vive; é nesse mercado que nós vamos focar”, avança Ma. “Mas somos conscientes de que não vai ser fácil. Toda tecnologia que se propõe a romper com algo encontra, no início, grande resistência por parte de quem não quer se adaptar às suas vantagens. O governo chinês mostrou algum interesse, embora estamos falando com promotores e construtoras da Europa e dos Estados Unidos, onde a mão de obra é bem mais cara e teremos que poupar mais dinheiro”.

Ma Yihe.
Ma Yihe.

Yihe, que registrou 77 patentes, localizou em Qingpu a dezena de edifícios impressos durante a maratona do último fim de semana de março. Há de um só cômodo, para escritórios; e de vários quartos, como uma casa de família. Os primeiros estão ocupados por servidores públicos que fazem dali seus locais de trabalho, enquanto os outros esperam por novos inquilinos.

As paredes nuas de todos eles deixam descobertos os pontos de união das peças e a multidão de camadas que foi acrescentada à impressora 3D para criar as paredes. “Depois podem ser recobertas de qualquer material para dar o aspecto desejado. Acho que nós somos um bom exemplo de como a China pode dar o salto que separa a cópia da inovação; é a única forma que temos de manter nossos produtos competitivos com o acréscimo dos custos trabalhistas em nosso país”, aposta.

Winsun não é a única empresa que desenvolve tecnologia para imprimir edifícios. Em Amsterdã, a DUS Architects também começa a imprimir um edifício junto a um de seus famosos canais. Se for o caso, a impressão é sobre o terreno, com materiais plásticos, e o processo, além de muito caro, demorará três anos. “Nós podemos começar a trabalhar em massa em qualquer momento”, destaca Yihe. “Em cinco anos, este sistema pode ser convertido no habitual”.