Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Nespresso cede o desenho de suas cápsulas de café na França

As outras companhias que comercializam cápsulas compatíveis denunciaram a Nestlé por fabricar um modelo único e restringir a concorrência

Capsulas de café da Nespresso.
Capsulas de café da Nespresso.

A Nestlé comprometeu-se ante as autoridades francesas a revelar as características técnicas das cápsulas de café de sua filial Nespresso, o que permitirá que seus rivais copiem os modelos. A proposta prenuncia o final do que ficou conhecido como guerra das cápsulas no país, onde outras companhias que comercializam cápsulas compatíveis denunciaram a Nestlé ante o regulatório por restringir a concorrência neste pujante setor do negócio do café.

As sociedades que acusam a Nespresso de bloquear sua entrada no mercado abusando das patentes são L'Or Espresso, antiga Sara Lee e proprietária de Marcilla, e Ethical Coffee Company. Previamente, o gigante da alimentação abria várias frentes judiciais  na França e na Suíça contra elas por suposto plágio.

Segundo a proposta que a Nespresso fez para a concorrência para fechar o caso, a filial da Nestlé se compromete a facilitar todos os detalhes técnicos de suas máquinas às empresas que assim o solicitem com três meses de antecedência. Além disso, a Nestlé manterá a garantia de seus aparelhos ainda que sejam usadas cápsulas de outras marcas, salvo casos evidentes de incompatibilidade. Junto a isso, a companhia garantiu que não fará comentários críticos sobre seus rivais na publicidade.

Para assegurar-se de que a Nespresso cumpra com seu anúncio e para dar tempo aos denunciantes de aprovar a proposta, as autoridades francesas abrirão um período de um mês para fazer um teste de mercado. A data não é à toa, já que inclui o dia das mães neste 4 de maio, uma comemoração que eleva as vendas. Por isso, a Nespresso informará de imediato sobre as características de seu novo modelo de máquina de café, a Inissia, que já está nas lojas. Se for adiante, o acordo será revisado a cada sete anos.

Se a filial da Nestlé, que foi a primeira que começou a vender as cápsulas, não respeitar o acordo, enfrentará multas de até 10% de suas vendas mundiais, que giram em torno de 7,5 bilhões de euros. Segundo dados da Nestlé de 2012, um em cada quatro lares na França tem uma máquina de café de cápsulas. Delas, uma a cada três é Nespresso.