Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Brasil leiloa aeroportos de Rio e Minas por mais de 20 bilhões de reais

Responsáveis pela movimentação de 14% dos passageiros do país, terminais tiveram concessões negociadas com ágio de 250%

Interior do aeroporto internacional do Rio de Janeiro.
Interior do aeroporto internacional do Rio de Janeiro. EFE

O Governo brasileiro arrecadou 20,838 bilhões de reais nesta sexta-feira no leilão de concessões à iniciativa privada dos aeroportos do Galeão, no Rio de Janeiro, e Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte, também na região Sudeste do país. Na terceira rodada de concessões de aeroportos brasileiros, o ágio registrado em relação ao preço mínimo fixado foi de pouco mais de 250%.

A concessão do Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim/Galeão, no Rio de Janeiro, foi arrematada pelo consórcio Aeroportos do Futuro, liderado pela construtora brasileira Odebrecht, com um lance de 19 bilhões de reais (8,2 bilhões de dólares). A Odebrecht tem obras realizadas em 35 países. O lance mínimo exigido para o terminal carioca era de 4,82 bilhões de reais. A empresa terá como sócio estrangeiro a Changi, operador do aeroporto de Cingapura.

O consórcio Aerobrasil ficou, por sua vez, com os direitos de ampliação, manutenção e exploração do Aeroporto Tancredo Neves, em Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte. O lance final foi de 1,82 bilhão de reais (789 milhões de dólares) – o mínimo exigido era de 1,09 bilhão de reais–. O Aerobrasil é formado pela Companhia de Participações em Concessões CPC, que é controlada pela CCR (75%). A CCR é composta pela Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e Penido Soares. Os sócios estrangeiros são a Zurich Airport International AG (24%) e a Munich Airport International Beteiligungs GMBH (1%). 

Os leilões foram realizados na sede da BM&F Bovespa, em São Paulo. O processo de concessão do Galeão e de Confins foi anunciado pelo governo federal em dezembro de 2012, como parte de uma série de medidas para melhorar a qualidade dos serviços e da infraestrutura aeroportuária. 

Segundo dados do governo, Galeão e Confins respondem, juntos, pela movimentação de 14% dos passageiros do país (27,9 milhões de passageiros por ano), 10% da carga e 12% das aeronaves do tráfego aéreo.

Do Ceará, de onde participou de uma cerimônia sobre mobilidade urbana, a presidente Dilma Rousseff declarou que o leilão teve um resultado "muito além das expectativas". Segundo Rousseff, "O resultado do leilão é muito bom e foi, de alguma forma, muito além das expectativas (...) O total arrecadado com os leilões é de 20 bilhões e oitocentos e alguma coisa, o que é muito importante, porque evidencia o interesse dessas empresas, porque quem ganhou são grandes empresas de aeroportos".

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, usou nesta sexta-feira o Twitter para comentar o resultado do leilão. Ela disse que o “sucesso do leilão” confirmou as expectativas e acrescentou esperar ainda mais “e melhores serviços aos usuários, pessoas, empresas, produtos".