Seleccione Edição
Login
Don McCullin: deslegitimar a violência com uma câmera

Don McCullin: deslegitimar a violência com uma câmera

6 fotos

A Tate Britain exibe o trabalho do fotógrafo, autor de algumas das imagens mais marcantes da guerra na segunda metade do século XX

  • Atirador de granada, Hue, Vietnã, 1968. Nas paisagens de Don McCullin (Londres, 1935) não há nada de bucólico. Eles são escuros e invernais. Wagnerianos, como o próprio autor os descreve. Neles, a dor de todas as guerras e revoluções que o autor testemunhou durante décadas parece ressoar.
    1Atirador de granada, Hue, Vietnã, 1968. Nas paisagens de Don McCullin (Londres, 1935) não há nada de bucólico. Eles são escuros e invernais. Wagnerianos, como o próprio autor os descreve. Neles, a dor de todas as guerras e revoluções que o autor testemunhou durante décadas parece ressoar.
  • Quando McCullin ouve uma motosserra, ele sente uma árvore morrer; quando ele distingue os tiros de uma caça aos faisões, ele acha que haverá sangue em algum lugar. Faz parte do alto preço pago por um dos maiores fotógrafos da segunda metade do século XX por retratar a barbárie.
    2Quando McCullin ouve uma motosserra, ele sente uma árvore morrer; quando ele distingue os tiros de uma caça aos faisões, ele acha que haverá sangue em algum lugar. Faz parte do alto preço pago por um dos maiores fotógrafos da segunda metade do século XX por retratar a barbárie.
  • Perto do Checkpoint Charlie, Berlim, 1961. Um dia McCullin decidiu buscar a paz nos campos de Somerset, Inglaterra, onde pouco a pouco ele tenta exorcizar as lembranças mais atrozes e a culpa que às vezes o acompanha.
    3Perto do Checkpoint Charlie, Berlim, 1961. Um dia McCullin decidiu buscar a paz nos campos de Somerset, Inglaterra, onde pouco a pouco ele tenta exorcizar as lembranças mais atrozes e a culpa que às vezes o acompanha.
  • Teatro romano em Palmira (Síria), destruído parcialmente pelo Estado Islâmico, 2017. "Eu não sou nem poeta nem artista. Eu sou fotógrafo ", diz McCullin. Algo que não parece tão claro para uma instituição artística como a Tate Britain, que lhe dedica uma grande retrospectiva. "É claro durante toda a carreira que ele sempre fez coisas que não se consideraria fotojornalismo", declarou Simon Baker, um dos três curadores da exposição no 'The Art Newspaper'.
    4Teatro romano em Palmira (Síria), destruído parcialmente pelo Estado Islâmico, 2017. "Eu não sou nem poeta nem artista. Eu sou fotógrafo ", diz McCullin. Algo que não parece tão claro para uma instituição artística como a Tate Britain, que lhe dedica uma grande retrospectiva. "É claro durante toda a carreira que ele sempre fez coisas que não se consideraria fotojornalismo", declarou Simon Baker, um dos três curadores da exposição no 'The Art Newspaper'.
  • Doca na costa do sul, Eastbourne, Reino Unido , 1970s. Assim, através de mais de 250 imagens, todas impressas pelo fotógrafo em sua câmara escura, a exposição nos leva ao horror dos cenários de guerra de Chipre, Vietnã, Congo, Bangladesh, Camboja e Líbano; na fome de Biafra; nos conflitos da Irlanda do Norte; e nos aproxima dos deserdados da Inglaterra de Thatcher, para terminar com uma seleção de imagens desprovidas da figura humana, que inclui paisagens e naturezas-mortas britânicas, bem como uma série dedicada às majestosas ruínas dos limites do Império Romano.
    5Doca na costa do sul, Eastbourne, Reino Unido , 1970s. Assim, através de mais de 250 imagens, todas impressas pelo fotógrafo em sua câmara escura, a exposição nos leva ao horror dos cenários de guerra de Chipre, Vietnã, Congo, Bangladesh, Camboja e Líbano; na fome de Biafra; nos conflitos da Irlanda do Norte; e nos aproxima dos deserdados da Inglaterra de Thatcher, para terminar com uma seleção de imagens desprovidas da figura humana, que inclui paisagens e naturezas-mortas britânicas, bem como uma série dedicada às majestosas ruínas dos limites do Império Romano.
  • Vagabundo irlandês, Spitalfields, Londres, 1970. O trabalho realizado em tempos de paz compartilha a mesma grandeza estética que caracteriza suas fotografias de guerra e traz à tona o dilema ético que envolve produzir a beleza da tragédia. Assim, o autor britânico sempre foi relutante quanto ao nome de fotógrafo de guerra, pois poderia sugerir que seu nome se baseia no sofrimento dos outros. Ele prefere ser reconhecido como um fotógrafo que passou grande parte de sua vida em diferentes conflitos.
    6Vagabundo irlandês, Spitalfields, Londres, 1970. O trabalho realizado em tempos de paz compartilha a mesma grandeza estética que caracteriza suas fotografias de guerra e traz à tona o dilema ético que envolve produzir a beleza da tragédia. Assim, o autor britânico sempre foi relutante quanto ao nome de fotógrafo de guerra, pois poderia sugerir que seu nome se baseia no sofrimento dos outros. Ele prefere ser reconhecido como um fotógrafo que passou grande parte de sua vida em diferentes conflitos.