Seleccione Edição
Login

Bons salários, mortalidade zero e outros motivos para se mudar para a cidade mais remota do planeta

Ela chama Longyearbyen, tem 2.000 habitantes e é o último lugar habitado ao norte da Terra

  • Longyearbyen é uma cidade da ilha de Spitsbergen e capital do arquipélago de Svalbard, de soberania norueguesa. É o lugar habitado (2.000 habitantes) mais setentrional do planeta. Ou seja, a região que está situada mais ao norte do mundo. Sua superfície é de 242 quilômetros quadrados. As ruas de Longyearbyen abrigam pubs, igrejas, escolas, hotéis, restaurantes, um hospital, concessionárias de carros e até a redação de um jornal. No entanto, não há nem rastro de cemitérios desde 1950. O motivo? Ninguém morre nesta cidade. Então, seus habitantes são imortais? Não, mas em Longyearbyen não é bom ser velho e morrer é diretamente proibido. Este veto remonta a princípios do século XX, quando cientistas descobriram que em Longyearbyen os cadáveres se conservavam em perfeito estado por causa da enorme camada de gelo que cobria e envolvia os caixões. Esta singular característica terminou se tornando um problema. “Surgiu uma febre que levou muitas pessoas a se instalarem nas ilhas para morrer com a esperança de serem descongeladas e ressuscitadas algum dia, no momento em que a ciência desse com a tecla da imortalidade”, explica ao EL PAÍS o escritor Javier Reverte, que visitou a zona para seu recente livro, ‘Confins’ (Plaza&Janes). Para evitar a tentação, a localidade se transformou em território hostil para aqueles que estão em seus últimos anos de vida (a maior parte dos 2.000 habitantes se situa entre os 25 e os 44 anos). Não há residências para idosos nem unidades de cuidados paliativos. Não se permite a construção de rampas, de modo que os mais velhos e inválidos não possam se instalar ali. As pessoas que estão muito idosas ou doentes têm de ser transferidas para a península para ali serem tratadas ou morrer”, afirma o escritor. E se alguém morre de improviso? “Seu cadáver é exportado em avião para fora das ilhas”, diz Reverte.
    1É impossível morrer Longyearbyen é uma cidade da ilha de Spitsbergen e capital do arquipélago de Svalbard, de soberania norueguesa. É o lugar habitado (2.000 habitantes) mais setentrional do planeta. Ou seja, a região que está situada mais ao norte do mundo. Sua superfície é de 242 quilômetros quadrados. As ruas de Longyearbyen abrigam pubs, igrejas, escolas, hotéis, restaurantes, um hospital, concessionárias de carros e até a redação de um jornal. No entanto, não há nem rastro de cemitérios desde 1950. O motivo? Ninguém morre nesta cidade. Então, seus habitantes são imortais? Não, mas em Longyearbyen não é bom ser velho e morrer é diretamente proibido. Este veto remonta a princípios do século XX, quando cientistas descobriram que em Longyearbyen os cadáveres se conservavam em perfeito estado por causa da enorme camada de gelo que cobria e envolvia os caixões. Esta singular característica terminou se tornando um problema. “Surgiu uma febre que levou muitas pessoas a se instalarem nas ilhas para morrer com a esperança de serem descongeladas e ressuscitadas algum dia, no momento em que a ciência desse com a tecla da imortalidade”, explica ao EL PAÍS o escritor Javier Reverte, que visitou a zona para seu recente livro, ‘Confins’ (Plaza&Janes). Para evitar a tentação, a localidade se transformou em território hostil para aqueles que estão em seus últimos anos de vida (a maior parte dos 2.000 habitantes se situa entre os 25 e os 44 anos). Não há residências para idosos nem unidades de cuidados paliativos. Não se permite a construção de rampas, de modo que os mais velhos e inválidos não possam se instalar ali. As pessoas que estão muito idosas ou doentes têm de ser transferidas para a península para ali serem tratadas ou morrer”, afirma o escritor. E se alguém morre de improviso? “Seu cadáver é exportado em avião para fora das ilhas”, diz Reverte. Getty
  • “Em Longyearbyen a catástrofe é constantemente prevista", afirma Javier Reverte. Por isso, para salvaguardar a biodiversidade foi construída em 2008 uma câmara blindada à prova de bombas nucleares e terremotos, o Banco Global de Sementes, que abria cem milhões de sementes de plantas alimentícias. Essas sementes são mantidas a 120 metros de profundidade com uma temperatura estável de -18ºC, condições que garantem sua conservação durante vários séculos. Diante de um cataclismo natural, uma guerra ou um apocalipse, o bando de Svalbard –conhecido popularmente como “o viveiro do fim do mundo” ou “A Arca de Noé vegetal”– daria uma nova oportunidade ao mundo de se reconstruir. “Ali você adquire a consciência de que as mudanças climáticas são algo real que está acontecendo e destruindo o planeta. Medidas como a armazenagem dessas sementes são a prova de que pode ocorrer uma catástrofe a qualquer momento”, afirma Reverte.
    22.No caso de apocalipse, não faltaria nunca comida: aqui está a ‘Arca de Noé vegetal’ “Em Longyearbyen a catástrofe é constantemente prevista", afirma Javier Reverte. Por isso, para salvaguardar a biodiversidade foi construída em 2008 uma câmara blindada à prova de bombas nucleares e terremotos, o Banco Global de Sementes, que abria cem milhões de sementes de plantas alimentícias. Essas sementes são mantidas a 120 metros de profundidade com uma temperatura estável de -18ºC, condições que garantem sua conservação durante vários séculos. Diante de um cataclismo natural, uma guerra ou um apocalipse, o bando de Svalbard –conhecido popularmente como “o viveiro do fim do mundo” ou “A Arca de Noé vegetal”– daria uma nova oportunidade ao mundo de se reconstruir. “Ali você adquire a consciência de que as mudanças climáticas são algo real que está acontecendo e destruindo o planeta. Medidas como a armazenagem dessas sementes são a prova de que pode ocorrer uma catástrofe a qualquer momento”, afirma Reverte. Getty
  • "O governo cede terrenos a quem pedir para que possa construir uma casa. Tem interesse em que a cidade esteja habitada, por isso, optar por uma residência em Longyearbyen é tão simples”, afirma o escritor Javier Reverte. Mais de 2.000 habitantes estão registrados pelo censo na capital de Svalbard, arquipélago cujo nome provém de uma palavra viking que pode ser traduzida como “costa fria”. Apesar de não ser complicado nem caro conseguir uma casa, morar em Longyearbyen não é possível para todos os públicos. Sobretudo para aqueles que gostam de temperaturas cálidas e agitação. Nesta cidade, o dia polar, com temperaturas que não superam os 16º, começa em 20 de abril e termina em 22 de agosto. A noite polar começa em 28 de outubro e acaba em 14 de fevereiro: durante esses meses as temperaturas são de -50ºC e o sol não chega a aparecer. “Trata-se de uma cidade construída para a sobrevivência em condições climatológicas extremas. Nada ali é belo ou transcendente, mas simplesmente útil”, explica Reverte.
    3As autoridades te dão uma casa quase de presente "O governo cede terrenos a quem pedir para que possa construir uma casa. Tem interesse em que a cidade esteja habitada, por isso, optar por uma residência em Longyearbyen é tão simples”, afirma o escritor Javier Reverte. Mais de 2.000 habitantes estão registrados pelo censo na capital de Svalbard, arquipélago cujo nome provém de uma palavra viking que pode ser traduzida como “costa fria”. Apesar de não ser complicado nem caro conseguir uma casa, morar em Longyearbyen não é possível para todos os públicos. Sobretudo para aqueles que gostam de temperaturas cálidas e agitação. Nesta cidade, o dia polar, com temperaturas que não superam os 16º, começa em 20 de abril e termina em 22 de agosto. A noite polar começa em 28 de outubro e acaba em 14 de fevereiro: durante esses meses as temperaturas são de -50ºC e o sol não chega a aparecer. “Trata-se de uma cidade construída para a sobrevivência em condições climatológicas extremas. Nada ali é belo ou transcendente, mas simplesmente útil”, explica Reverte. Getty
  • Entre placa de gelo e renas pastando, em Longyearbyen você pode encontrar com surpreendente facilidade restaurantes onde experimentar pratos típicos da gastronomia tailandesa. “Isto acontece porque um grande número de tailandeses se assentou na cidade durante os últimos anos e impôs sua cozinha na ilha. Tanto que é mais fácil comer um prato de curry tailandês do que um filé de truta grelhada”, afirma Javier Revierte. Mas não é essa a única cozinha estrangeira que se estabeleceu a 1.000 quilômetros do Pólo Norte. As ruas da capital de Svalbard acolhem também locais de comida chinesa e italiana.
    4Apesar de ser tão pequeno, você pode encontrar restaurantes com comida de muitas partes do mundo: Tailândia, Itália, China... Entre placa de gelo e renas pastando, em Longyearbyen você pode encontrar com surpreendente facilidade restaurantes onde experimentar pratos típicos da gastronomia tailandesa. “Isto acontece porque um grande número de tailandeses se assentou na cidade durante os últimos anos e impôs sua cozinha na ilha. Tanto que é mais fácil comer um prato de curry tailandês do que um filé de truta grelhada”, afirma Javier Revierte. Mas não é essa a única cozinha estrangeira que se estabeleceu a 1.000 quilômetros do Pólo Norte. As ruas da capital de Svalbard acolhem também locais de comida chinesa e italiana. Getty
  • O que faz com que os 2.000 habitantes de Longyearbyen permaneçam em um lugar cuja principal característica é ter o clima mais extremo do planeta? “A oportunidade de ter trabalho. Ali há para todo mundo, e muito bem remunerado”, observa Javier Reverte. O arquipélago se encontra sob a soberania norueguesa, mas seu status não está definido pela ONU. Isto quer dizer que qualquer pessoa pode chegar à cidade habitada mais próxima do Polo Norte, instalar-se com total liberdade e trabalhar nos empregos criados com pesquisa do meio ambiente, mineração de carvão, turismo ou serviços. “Trabalhando na mina é possível receber facilmente 4.000 ou 5.000 euros por mês”, confirma o escritor de ‘Confines’.
    5O desemprego é inexistente: há trabalho para todos e bons salários. O que faz com que os 2.000 habitantes de Longyearbyen permaneçam em um lugar cuja principal característica é ter o clima mais extremo do planeta? “A oportunidade de ter trabalho. Ali há para todo mundo, e muito bem remunerado”, observa Javier Reverte. O arquipélago se encontra sob a soberania norueguesa, mas seu status não está definido pela ONU. Isto quer dizer que qualquer pessoa pode chegar à cidade habitada mais próxima do Polo Norte, instalar-se com total liberdade e trabalhar nos empregos criados com pesquisa do meio ambiente, mineração de carvão, turismo ou serviços. “Trabalhando na mina é possível receber facilmente 4.000 ou 5.000 euros por mês”, confirma o escritor de ‘Confines’. Getty
  • O gelo ocupa 60% da superfície de Longyearbyen, a localidade mais setentrional do planeta. “Há mais ursos polares do que pessoas”, diz Javier Reverte. Mais precisamente, 3.000 ursos e 3.000 habitantes, dado que leva a lei a exigir que qualquer cidadão que saia dos núcleos populacionais ande armado com um rifle. A vida ali não é simples. As árvores não crescem nem se pode cultivar nada. A madeira é um produto de luxo. No entanto, esses inconvenientes são compensados com benefícios sociais e ausência de impostos. Por exemplo? Os noruegueses contam com uma ajuda de 20.000 euros para se instalarem ali e o álcool é vendido sem restrições e livre de impostos, o que reduz muito o seu custo.
    6Quase não há impostos e há muitos benefícios sociais. O gelo ocupa 60% da superfície de Longyearbyen, a localidade mais setentrional do planeta. “Há mais ursos polares do que pessoas”, diz Javier Reverte. Mais precisamente, 3.000 ursos e 3.000 habitantes, dado que leva a lei a exigir que qualquer cidadão que saia dos núcleos populacionais ande armado com um rifle. A vida ali não é simples. As árvores não crescem nem se pode cultivar nada. A madeira é um produto de luxo. No entanto, esses inconvenientes são compensados com benefícios sociais e ausência de impostos. Por exemplo? Os noruegueses contam com uma ajuda de 20.000 euros para se instalarem ali e o álcool é vendido sem restrições e livre de impostos, o que reduz muito o seu custo. Getty

MAIS INFORMAÇÕES