Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Novo vídeo confirma a versão da vítima de estupro coletivo no Rio

Polícia descobre um segundo vídeo da adolescente sendo abusada e tentando resistir

Manifestação no Rio lembra as vítimas de abuso sexual. EFE

As investigações do caso do estupro coletivo sofrido por uma adolescente de 16 anos no Morro do Barão, na zona oeste do Rio, avançam e vão confirmando a versão da da garota, de que fora vítima de um estupro coletivo, e desmentindo os primeiros depoimentos dados pelos estupradores. Ainda não se sabe, porém, quantas pessoas exatamente participaram do crime. A Polícia Civil do Rio de Janeiro descobriu um novo vídeo com cenas que revelam a resistência da jovem e a participação de um dos envolvidos, Raí de Souza, que havia negado o crime. Até o momento, a polícia já confirmou que o crime aconteceu entre os dias 21 e 22 de maio, e que ela esteve com Lucas Perdomo primeiramente em uma casa, e depois foi levada para outro lugar. Os acusados negavam que ela tivesse saído do local onde havia passado a noite com Perdomo.

As novas imagens, divulgadas pelo programa Fantástico neste domingo, mostram a garota sofrendo abuso e tentando reagir. Ela diz “não”, mas a reposta do abusador é “não o que, pô?”. Esse é o segundo vídeo encontrado com cenas do crime de estupro. O primeiro circulou pela internet logo após o estupro ocorrer. A vítima, que afirmou que não ia prestar queixa, decidiu procurar a polícia depois que o crime se tornou público. Este segundo material foi encontrado no celular de Raí de Souza, preso desde a quarta-feira da semana passada. De acordo com o Fantástico, a polícia concluiu com o novo material que a jovem foi estuprada ao menos duas vezes. O intervalo de um estupro para o outro – cerca de 30 horas – seria uma das evidências de que foi cometido por diversas pessoas.

De acordo com o Fantástico, a cronologia do crime foi a seguinte:

Sábado, 21 de maio

7 da manhã – a menor, Raí, Lucas Perdomo, suposto namorado da vítima, e uma segunda garota saíram de um baile funk na comunidade. Foram até uma casa abandonada no Morro do Barão.

10 da manhã – Raí, Lucas e a outra garota deixam a casa. A menor teria ficado sozinha no local.

11 da manhã – a adolescente é encontrada desacordada pelo traficante Moisés Camilo de Lucena, o Canário. Ele pega a garota e a leva para outra casa. De acordo com o Fantástico, Canário teria sido o primeiro a estuprá-la.

Domingo, 22 de maio

19h – Raí chega acompanhado de Raphael Duarte Belo e Jeffinho. Neste segundo momento, a adolescente é abusada novamente. Os vídeos são gravados e as fotos, que circularam pela internet, foram tiradas. Raphael aparece em uma imagem tocando na jovem nua e desacordada.

No primeiro depoimento que prestou, na semana seguinte ao crime, Raí disse que havia destruído o celular. Foi liberado na sequência. Mas assim que assumiu o caso, poucos dias depois, a delegada Cristiana Bento pediu a prisão de Raí, sob a suspeita de que ele teria filmado a jovem desacordada e nua. Ele disse que teve relações consentidas com a garota e que era o dono do celular onde as imagens foram feitas, mas que não tinha mais o aparelho. Na última sexta-feira, porém, a polícia encontrou o celular em uma casa em Madureira, na zona oeste do Rio.

Raí se entregou para a polícia na segunda-feira da semana passada e está preso desde então. Na quinta-feira, foi transferido para o presídio de Bangu, no Rio, para onde foi também Raphael Duarte Belo, que se apresentou à polícia na quarta. Outros cinco suspeitos estão foragidos: Marcelo Miranda Correia, suspeito de divulgar as imagens; Sergio Luiz da Silva Junior, conhecido como Da Rússia, apontado como chefe do tráfico do Morro do Barão, onde o crime ocorreu; Michel Brasil da Silva, suspeito de divulgar o vídeo; Moisés Camilo de Lucena, conhecido como Canário, que, segundo a vítima, a teria segurado durante o estupro; e um quinto suspeito, cujo nome completo não foi divulgado, mas é conhecido como Jeffinho, que teria filmado o estupro.

Ao Fantástico, Cristiana Bento afirmou estar segura de pelo quatro pessoas que participaram do estupro. “Temos prova material de que o Raí, o Raphael, o Jeffinho e o Canário abusaram dessa menina”. Os quatro responderão pelos crimes de estupro e de produção e divulgação de imagens de criança e adolescente.

O suposto namorado da vítima, o jogador de futebol Lucas Perdomo, foi detido na semana passada, mas liberado na sexta-feira. A delegada afirmou que não havia provas suficientes para mantê-lo preso. “Inocente eu acho que está muito cedo para afirmar, mas até agora a gente não teve provas suficiente da participação dele. Por isso eu estou pendido a liberdade dele", disse, na sexta. "Ele continua sendo envolvido, mas no momento a manutenção dele se torna desnecessária".

Manifestações de apoio forçadas pelo tráfico

Na semana passada, um grupo de moradores da comunidade foi até a porta da delegacia no Rio de Janeiro prestar apoio aos suspeitos. Mas a polícia encontrou áudios no celular de Raí que mostram que a manifestação não foi espontânea. O áudio diz: “Mano mandou ir no protesto. Ser não for, é com eles mesmo”.

A polícia suspeita que o chefe do tráfico da região, Da Rússia, seria o mandante do protesto.

MAIS INFORMAÇÕES