Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Voe sobre Caronte, a maior lua de Plutão

As imagens inéditas publicadas pela NASA proporcionam um tour sobre o satélite

A sonda espacial New Horizons enviou as imagens de maior resolução já obtidas de Caronte, a maior lua de Plutão. Com esse material, técnicos da NASA editaram um vídeo de 20 segundos mostrando um sobrevoo do satélite, numa visita que começa em Mordor, uma região escura perto do polo norte de Caronte, e depois se desloca para o sul, até um grande abismo. Nesse ponto, a câmera baixa dos 1.800 quilômetros de altitude para apenas 60, voando por um sistema de cânions, para então fazer uma nova curva para o sul e encontrar as planícies e uma montanha conhecida informalmente como Monte Kubrick, um pico rodeado por uma depressão do terreno.

Com metade do diâmetro de Plutão, Caronte é o maior satélite em relação ao seu planeta no Sistema Solar. Os cientistas da missão New Horizons esperavam que essa lua fosse um lugar mais monótono, mas, para sua surpresa, estão encontrando uma paisagem coberta de montanhas, cânions, deslizamentos de terra e diferentes tonalidades na superfície. “Achamos que a probabilidade de encontrar características tão interessantes assim num satélite nos limites do Sistema Solar seria mínima, então não poderíamos ficar mais contentes com o que estamos vendo”, diz Ross Beyer, um dos pesquisadores da NASA, em nota à imprensa.

Os investigadores ficaram especialmente interessados pelo grande sistema de cânions que percorre o hemisfério norte do satélite ao longo de 1.600 quilômetros. Seu comprimento é quatro vezes o do Gran Canyon do Colorado (EUA), e sua profundidade em alguns pontos chega ao dobro. Esses cânions e falhas indicam um cataclismo geológico colossal no passado de Caronte.

As fotos foram tiradas em 14 de julho e recebidas na Terra em 21 de setembro. Os pesquisadores da NASA afirmam que a sonda New Horizons ainda funciona corretamente, apesar de estar a cinco bilhões de quilômetros da Terra. A máquina continuará enviando dados ao longo do próximo ano, e os cientistas acreditam que “as melhores imagens ainda estão por chegar”. A missão começou em 2006, com o objetivo de explorar Plutão e seus satélites.

MAIS INFORMAÇÕES