Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine
COLUNA

A covardia do homem no fim do amor

Estou preocupado com a falta de tesão e coragem que leva muita gente a terminar via whatsApps ou, pasme, por meio de um novíssimo aplicativo, o tal do Binder a oposição do Tinder, com desculpas prontinhas

Sem desprezar a mandioca/aipim/macaxeira elogiada por Dilma. Muito menos a "rola" sugerida pelo jornalista Ricardo Boechat ao pastor evangélico Malafaia.

Todo respeito a estes infalíveis símbolos fálicos nacionais. Seja o de raiz fincada na terra ou o da avoante metáfora erótico-sertaneja. Mas estou preocupado mesmo, porém, é com a falta de tesão e coragem que leva muita gente hoje a terminar seus relacionamentos com um lacônico SMS, via whatsApps ou, pasme, por meio de um novíssimo aplicativo, o tal do Binder -a oposição do Tinder, com desculpas prontinhas a serviço da eterna covardia amorosa masculina.

Aquela lengalenga tipo "o problema sou eu" etc, "não te mereço", blábláblá, "estou confuso..." "Mó caô aê, ó", diz o Moa, o rei do um-sete-um sentimental aqui do Pavão Azul, botequim de Copacabana onde o amor começa e sempre flerta com o infinito enquanto dura. É o jeito. Só há amor, na concepção clássica do romantismo, em Copacabana.

Um túnel para Ipanema ou um túnel rumo ao Centro e a possibilidade do lirismo se perde nas brumas do falso inverno carioca.

O aplicativo para acabar namoro começou a funcionar apenas para os homens, normalmente os mais medrosos na hora de acabar um relacionamento. Os homens que simplesmente saem para comprar o clássico cigarro, o king size do desprezo, e não retornam mais ao local do crime. Ô bichos frouxos na cerimônia do adeus!

Moa, que acabou de entrar para o clube dos sexagenários, desce o morro ali pertinho do supracitado botequim e morre de rir com esse papo de relacionamento moderno. Sempre provoco o cavalheiro da nada triste figura só para ouvir o sorridente assombro:

"O quê, irmão, cada um para um lado sem aquela despedida clássica, aquela em que o gozo se mistura com lágrimas?", pergunta o ex-funcionário –repare na ironia da trajetória- do extinto I.A.A, Instituto do Açúcar e do Álcool. "Adeus sem chorar com a nega, sem a possibilidade de se arrepender e adiar a parada? Estou fora!"

Por mais que alguém tenha saído de casa determinado, quando é olho no olho, o fim do amor é capaz de se arrepender do mais ensaiado dos apocalipses de São João Baptista.

Adeus sem drama não existe. Sim, velho Moa, sem direito sequer ao "acabou chorare" do disco clássico dos "Novos Baianos"? Sem drama, sem Brahma, sem cachaça, sem trilha sonora. Não rola.

Tem uma moçada, "seu" Moa, que discute a relação com emoticons!

Imagina a cara de falta de paciência do Moa diante da minha explicação do que seriam emoticons. Eu tentando mostrar as "carinhas" no celular e o Moa sem acreditar no que via: "Para com isso, mermãozim, eu sempre discuti relação sob a dureza do pão de macarrão na cabeça, no toitiço".

Ser demitido do emprego por telefone, o que sempre foi considerado uma tremenda falta de respeito da chefia, acontece. A covardia hierárquica nasceu com a luta de classes lá em Mil Novecentos e Revolução Industrial, tempos modernos, tempos das camas quentes, rodízio operário sobre o beliche das horas.

Um ritual antes do luto

No amor, não, é imperdoável, no que faço coro ao Moa: o fim do relacionamento exige uma missa de corpo presente, um ritual pré-luto, mesmo que seja doloroso o comunicado, o "venho por meio dessa..."Se o sujeito não tem coragem sequer para esse ato final, mulé, mulher, mulherzinha, para que serviria um homem desses?

Se foi amor, por menor tempo possível, não há despedida com leveza. Essa tentativa é vã e cínica, só o olho no olho com a subida dos créditos na tela, o hollywoodiano "the end" do cinema de mãos dadas, lembra?, nos fará acreditar pedagogicamente que "já era".

Malditos tempos objetivos do café sem cafeína, da cerveja sem álcool, do alho sem cheiro, da moela gourmet, da couve no suco detox em vez da couve na feijoada...

Malditos tempos objetivos das despedidas sem lágrimas!

Nostalgia, que nada. Fala sério. Como posso me desligar de uma moça com quem dormi pelo menos uma noite, na maior das intimidades, sem sequer deixar o meu discurso do fragmento amoroso?!

Depois de um beijo na boca há todo o cabimento para o choro. Depois de um beijo na boca, qualquer uma criatura tem direito a falar e a cobrar como personagem de Shakespeare ou qual um(a) possesso(a) de peça de Nelson Rodrigues. A não ser no Carnaval, e olhe lá, um beijo de verdade, mesmo que os antissépticos bucais estejam acabando com o gosto do beijo, é capaz de nos devolver o real sentido da existência.

Todo encontro de um homem e de uma mulher, a não ser na ideia da publicidade, é um acontecimento lindamente trágico. Se rola, se vinga minimamente, não há como assinar a ruptura desse encontro com uma lacônica mensagem no smartphone. Tampouco ao clique de um aplicativo como a novidade nossa de cada dia.

Só há amorosidade na ideia de que há uma bela tragédia a ser assumida pelos dois. O resto é covardia de quem recorre a estas gambiarras moderninhas para fugir do mínimo ensaio de amor possível. Coragem, moço, coragem!

Xico Sá, escritor e jornalista, é autor de “Modos de macho & modinhas de fêmea” (ed. Record), entre outros livros

MAIS INFORMAÇÕES