Seleccione Edição
Login

A história por trás das 12 melhores músicas do Queen

Dois críticos musicais fazem uma maratona escutando as quase 200 canções do grupo e elegem as melhores. Por quê? Porque a recente estreia do filme que conta sua história nos lembrou quão grandes eles são

  •   Por que é tão boa.  A linha do baixo resulta tão aderente quanto um bom estribilho. E é uma aposta segura para pôr as pernas para o ar numa discoteca.    História da canção . O baixo de John Deacon, autor do tema, é o protagonista absoluto do 'single' mais vendido da história de Queen (foi número um de vendas nos Estados Unidos e em quase todo o mundo). Como bom baixista, flipava com o funk e a música disco, e parece que depois de muito escutar a Chic criou esta base rítmica prodigiosa. O tema está adereçado com efeitos de som que hoje podem parecer obsoletos, mas em seu momento eram dos mais modernos: lembram a decolagem de uma nave espacial. O Queen punha assim um pé nos anos oitenta, quando se supunha que a ficção científica ia deixar de ser ficção. Contudo, a banda não tinha muita confiança neste tema, e,  segundo revelou  Roger Taylor, foi Michael Jackson quem, depois do escutar, lhes disse: “Garotos, estão loucos se não o lançam como 'single”. A bateria também lembra que muitos DJ de emissoras de soul acharam, ao o ouvir pela primeira vez, que o tema era de um grupo afroamericano.   Escutar a canção  aqui .
    12‘Another One Bites the Dust’ (1980, incluída no disco ‘The Game’) 

    Por que é tão boa. A linha do baixo resulta tão aderente quanto um bom estribilho. E é uma aposta segura para pôr as pernas para o ar numa discoteca.

    História da canção. O baixo de John Deacon, autor do tema, é o protagonista absoluto do 'single' mais vendido da história de Queen (foi número um de vendas nos Estados Unidos e em quase todo o mundo). Como bom baixista, flipava com o funk e a música disco, e parece que depois de muito escutar a Chic criou esta base rítmica prodigiosa. O tema está adereçado com efeitos de som que hoje podem parecer obsoletos, mas em seu momento eram dos mais modernos: lembram a decolagem de uma nave espacial. O Queen punha assim um pé nos anos oitenta, quando se supunha que a ficção científica ia deixar de ser ficção. Contudo, a banda não tinha muita confiança neste tema, e, segundo revelou Roger Taylor, foi Michael Jackson quem, depois do escutar, lhes disse: “Garotos, estão loucos se não o lançam como 'single”. A bateria também lembra que muitos DJ de emissoras de soul acharam, ao o ouvir pela primeira vez, que o tema era de um grupo afroamericano.

    Escutar a canção aqui.

  •   Por que é tão boa.  A estrutura de 'Killer Queen' é quase de cabaré. Mas o Queen consegue elaborar um meio tempo roqueiro, com camadas de vozes (já marca da casa) e a guitarra afiada (e limpa) de Brian May. Era 1974 e o Queen era ainda uma banda de rock duro. Mas nesta canção e no disco em que se inclui, 'Sheer Heart Attack', começa a se confeccionar o Queen que pula gêneros e se convertem em deuses do pop. De fato, 'Killer Queen' é a canção que deu o primeiro sucesso internacional ao grupo. Surgiam os primeiros alicerces de sua dominação mundial.    A história da canção . Os seguidores do Queen são tão fanáticos que se veem com autoridade para corrigir o ídolo, Freddie Mercury. Sobre esta canção, Mercury explicou: “Trata sobre uma mulher de classe alta que se dedica à prostituição. O que quero transmitir no texto é que as mulheres ricas também podem ser putas”. Mas segundo parte de seus seguidores, a protagonista é uma travesti. Seja como for, a canção saiu em pouco tempo. “Escrevi em uma noite”, confirmou Mercury. “Há canções que demoram dias em sair, inclusive meses, mas 'Killer Queen' me levou umas horas”. Um episódio. A estrela pop atual Katy Perry denominou seu próprio perfume Killer Queen. E explicou: “Freddie Mercury definiu na letra a mulher que sempre quis ser. Por isso chamei assim a meu perfume”. Quiçá alguém devesse ter explicado a Perry a autêntica intenção da letra. Na imagem, Mercury fotografa alguém da equipe do grupo no camarim em um concerto de 1974.    Escutar a canção  aqui .
    11'Killer Queen' (1974, incluída no disco 'Sheer Heart Attack') 

    Por que é tão boa. A estrutura de 'Killer Queen' é quase de cabaré. Mas o Queen consegue elaborar um meio tempo roqueiro, com camadas de vozes (já marca da casa) e a guitarra afiada (e limpa) de Brian May. Era 1974 e o Queen era ainda uma banda de rock duro. Mas nesta canção e no disco em que se inclui, 'Sheer Heart Attack', começa a se confeccionar o Queen que pula gêneros e se convertem em deuses do pop. De fato, 'Killer Queen' é a canção que deu o primeiro sucesso internacional ao grupo. Surgiam os primeiros alicerces de sua dominação mundial.

    A história da canção. Os seguidores do Queen são tão fanáticos que se veem com autoridade para corrigir o ídolo, Freddie Mercury. Sobre esta canção, Mercury explicou: “Trata sobre uma mulher de classe alta que se dedica à prostituição. O que quero transmitir no texto é que as mulheres ricas também podem ser putas”. Mas segundo parte de seus seguidores, a protagonista é uma travesti. Seja como for, a canção saiu em pouco tempo. “Escrevi em uma noite”, confirmou Mercury. “Há canções que demoram dias em sair, inclusive meses, mas 'Killer Queen' me levou umas horas”. Um episódio. A estrela pop atual Katy Perry denominou seu próprio perfume Killer Queen. E explicou: “Freddie Mercury definiu na letra a mulher que sempre quis ser. Por isso chamei assim a meu perfume”. Quiçá alguém devesse ter explicado a Perry a autêntica intenção da letra. Na imagem, Mercury fotografa alguém da equipe do grupo no camarim em um concerto de 1974.

    Escutar a canção aqui.

    Getty
  •   Por que é tão boa. Chama atenção como o Queen era capaz de fazer tanto em tão pouco tempo. 'Seven seas of Rhye' dura 2min45 (como uma canção punk, certo?), mas acontecem mil coisas: uma introdução de piano, guitarras pesdas, uma deslumbrante interpretação de Mercury, estribilhos, só de guitarra, parte vocal operística, um coro ruidoso com vozes de festa… Estamos ante o Queen da fase dura. A canção se inclui em sua segunda obra, 'Queen II'. Uma reinvenção do rock duro em toda regra.    A história da canção . Uma das letras mais misteriosas da primeira etapa do grupo. A terra de Rhye aparece em várias letras escritas por Mercury. Para alguns é um mundo fantástico criado por ele e sua irmã enquanto viviam com sua família no país africano Zanzibar. Freddie nasceu ali: seu pai trabalhava para a britânica Secretaria das Colônias e naquela época Zanzibar estava sob protetorado inglês. A outra versão é que é uma letra de conteúdo religioso: uma crítica ao lado escuro das religiões.   Escutar a canção  aqui .
    10'Seven seas of Rhye' (1974, incluída no disco 'Queen II') 

    Por que é tão boa.Chama atenção como o Queen era capaz de fazer tanto em tão pouco tempo. 'Seven seas of Rhye' dura 2min45 (como uma canção punk, certo?), mas acontecem mil coisas: uma introdução de piano, guitarras pesdas, uma deslumbrante interpretação de Mercury, estribilhos, só de guitarra, parte vocal operística, um coro ruidoso com vozes de festa… Estamos ante o Queen da fase dura. A canção se inclui em sua segunda obra, 'Queen II'. Uma reinvenção do rock duro em toda regra.

    A história da canção. Uma das letras mais misteriosas da primeira etapa do grupo. A terra de Rhye aparece em várias letras escritas por Mercury. Para alguns é um mundo fantástico criado por ele e sua irmã enquanto viviam com sua família no país africano Zanzibar. Freddie nasceu ali: seu pai trabalhava para a britânica Secretaria das Colônias e naquela época Zanzibar estava sob protetorado inglês. A outra versão é que é uma letra de conteúdo religioso: uma crítica ao lado escuro das religiões.

    Escutar a canção aqui.

  •   Por que é tão boa.  Porque com esta canção nasceu o rock de estádio. Surpreendentemente curta (só dois minutos: achava que era mais longa?), mais básica impossível (inclusive poderia sobrar o solo de guitarra final) e de uma eficácia automática. Se alguém sonha em compor uma canção para coroar o mundo, está perdendo tempo: ela existe desde 1977.    A história da canção.  A maioria dos sucessos do Queen foram compostos por Mercury. Este não: leva a assinatura do guitarrista Brian May. Em que se inspirou para compor este clássico dos estádios? Em um estádio. Fala May: “Uma noite, ao final de um show, nos retiramo do palco e de fundo escutei as pessoas cantando a música que entoa a torcida no estádio do Liverpool, 'You'll never walk alone'. Fui para a cama pensando em uma canção onde o público pudesse participar. São pessoas que estão ali, apertadas, mal podem se mover, mas podem aplaudir, bater seus pés e cantar. Quando acordei pela manhã 'We will rock you' saiu de puxão”. Na imagem, o autor do tema, Brian May, vestindo-se no camarim para um show do Queen. Sentado, em frente ao espelho, Mercury.    Escute a canção  aqui .
    9'We will rock you' (1977, incluída no disco 'News of the World') 

    Por que é tão boa. Porque com esta canção nasceu o rock de estádio. Surpreendentemente curta (só dois minutos: achava que era mais longa?), mais básica impossível (inclusive poderia sobrar o solo de guitarra final) e de uma eficácia automática. Se alguém sonha em compor uma canção para coroar o mundo, está perdendo tempo: ela existe desde 1977.

    A história da canção. A maioria dos sucessos do Queen foram compostos por Mercury. Este não: leva a assinatura do guitarrista Brian May. Em que se inspirou para compor este clássico dos estádios? Em um estádio. Fala May: “Uma noite, ao final de um show, nos retiramo do palco e de fundo escutei as pessoas cantando a música que entoa a torcida no estádio do Liverpool, 'You'll never walk alone'. Fui para a cama pensando em uma canção onde o público pudesse participar. São pessoas que estão ali, apertadas, mal podem se mover, mas podem aplaudir, bater seus pés e cantar. Quando acordei pela manhã 'We will rock you' saiu de puxão”. Na imagem, o autor do tema, Brian May, vestindo-se no camarim para um show do Queen. Sentado, em frente ao espelho, Mercury.

    Escute a canção aqui.

    Getty
  •   Por que é tão boa.  É originalísima, tanto por sua composição como por sua letra.    História da canção.  Uma lâmpada acendeu na cabeça de Mercury — que não tinha especial predileção pelas bicicletas— quando ele viu passar o pelotão do Tour da França próximo ao estúdio onde o Queen estava gravando 'Jazz' em Montreux (Suíça). Com essa imagem desenvolveu uma lista de ideias contrapostas (“Você diz branco, eu digo negro  Você diz ladrar, eu digo morder”), sazonada de agudos comentários sobre 'Star Wars', 'Tubarão', 'Peter Pan', 'Superman' ou 'Frankenstein', com a ânsia de liberdade como profundidade. Também foi muito original seu lançamento como 'single', dado que 'Fat bootmed girls' era um tema siamês: na letra de um se mencionava o outro e vice-versa. Seu vídeo causou sensação: mostra um nutrido grupo de modelos nuas pedalando em bicicleta nas redondezas do estádio de Wembley.   Pode ver o vídeo  aqui .
    8‘Bicycle Race’ (1978, incluída no disco ‘Jazz’) 

    Por que é tão boa. É originalísima, tanto por sua composição como por sua letra.

    História da canção. Uma lâmpada acendeu na cabeça de Mercury — que não tinha especial predileção pelas bicicletas— quando ele viu passar o pelotão do Tour da França próximo ao estúdio onde o Queen estava gravando 'Jazz' em Montreux (Suíça). Com essa imagem desenvolveu uma lista de ideias contrapostas (“Você diz branco, eu digo negro / Você diz ladrar, eu digo morder”), sazonada de agudos comentários sobre 'Star Wars', 'Tubarão', 'Peter Pan', 'Superman' ou 'Frankenstein', com a ânsia de liberdade como profundidade. Também foi muito original seu lançamento como 'single', dado que 'Fat bootmed girls' era um tema siamês: na letra de um se mencionava o outro e vice-versa. Seu vídeo causou sensação: mostra um nutrido grupo de modelos nuas pedalando em bicicleta nas redondezas do estádio de Wembley.

    Pode ver o vídeo aqui.

  •   Por que é tão boa.  Porque é uma maravilhosa raridade dentro da discografia do Queen. Uma canção de latido acústico, com um ritmo de rock and roll dos anos cinquenta que poderiam ter assinado alguns revisionistas como Stray Cats. Mas não: é do Queen e lhes rendeu muito dinheiro, já que foi a primeira vez que o grupo chegou ao número um das paradas nos Estados Unidos.     A história da canção . “Saiu em cinco minutos enquanto tomava um banho”, declarou Freddie Mercury sobre 'Crazy Little Thing Called Love'. Depois chegaria a fase de polir, mas basicamente saiu dali, de um banho relaxado em um quarto de hotel do Hilton de Munique, onde o grupo foi gravar o disco 'The Game'. O vídeo é curioso, com todos os membros vestidos de roqueiros duros (couro em tudo) e onde Mercury, agasalhado por belas moças, exerce o papel de macho alfa como se fosse um componente do Led Zeppelin.   Escutar a canção  aqui .
    7'Crazy Little Thing Called Love' (1979, do disco 'The Game') 

    Por que é tão boa. Porque é uma maravilhosa raridade dentro da discografia do Queen. Uma canção de latido acústico, com um ritmo de rock and roll dos anos cinquenta que poderiam ter assinado alguns revisionistas como Stray Cats. Mas não: é do Queen e lhes rendeu muito dinheiro, já que foi a primeira vez que o grupo chegou ao número um das paradas nos Estados Unidos.

    A história da canção. “Saiu em cinco minutos enquanto tomava um banho”, declarou Freddie Mercury sobre 'Crazy Little Thing Called Love'. Depois chegaria a fase de polir, mas basicamente saiu dali, de um banho relaxado em um quarto de hotel do Hilton de Munique, onde o grupo foi gravar o disco 'The Game'. O vídeo é curioso, com todos os membros vestidos de roqueiros duros (couro em tudo) e onde Mercury, agasalhado por belas moças, exerce o papel de macho alfa como se fosse um componente do Led Zeppelin.

    Escutar a canção aqui.

  •   Por que é tão boa.  Para o fá que se afeiçoou ao Queen nos anos oitenta talvez este trem desbocado não soe familiar. Mas sim, o Queen foi duro, muito duro. ‘Now I´m here’ é o exemplo, uma canção de rock perfeita: energia, melodia e uma interpretação feroz. Há até um mini-solo de bateria.    A história da canção.  Desta vez o compositor é Brian May, e em circunstâncias chamativas. Escreve durante uma convalescença no hospital, afetado por uma hepatite. “Estávamos em plena turnê pelos Estados Unidos com Mott the Hoople e tivemos que suspender por minha doença. Foi um trampo. Inclusive cheguei a temer que me substituíssem, de modo que comecei a escrever canções para o próximo disco”, contou May. Na letra se faz referência à turnê com Moot the Hoople e inclusive uma menção a um clássico de Chuck Berry, ‘Little Queenie’.   Escuta a canção  aqui .
    6'Now I'm Here' (1975, incluída no disco 'Sheer Heart Attack') 

    Por que é tão boa. Para o fá que se afeiçoou ao Queen nos anos oitenta talvez este trem desbocado não soe familiar. Mas sim, o Queen foi duro, muito duro. ‘Now I´m here’ é o exemplo, uma canção de rock perfeita: energia, melodia e uma interpretação feroz. Há até um mini-solo de bateria.

    A história da canção. Desta vez o compositor é Brian May, e em circunstâncias chamativas. Escreve durante uma convalescença no hospital, afetado por uma hepatite. “Estávamos em plena turnê pelos Estados Unidos com Mott the Hoople e tivemos que suspender por minha doença. Foi um trampo. Inclusive cheguei a temer que me substituíssem, de modo que comecei a escrever canções para o próximo disco”, contou May. Na letra se faz referência à turnê com Moot the Hoople e inclusive uma menção a um clássico de Chuck Berry, ‘Little Queenie’.

    Escuta a canção aqui.

    Getty
  •   Por que é tão boa.  Com seu ritmo endiabrado e sua mensagem de “vou comer o mundo”, é melhor que qualquer livro de autoajuda. Embora seja um tema inequívoco de rock, não há guitarra exceto no solo: conseguir essa potência só com piano, baixo e bateria é algo que não está ao alcance de qualquer um.    História da canção.  A rica discografia do Queen permite que aconteçam coisas como esta: que um tema que em seu momento não teve especial repercussão seja redescoberto com o passar dos anos —graças à publicidade e o cinema— e hoje figure entre seus títulos mais emblemáticos. Mercury escreveu a letra em um momento de especial subida, utilizando a astronomia como metáfora de sua excitação febril: “Sou uma estrela fugaz pulando pelo céu”, “viajo à velocidade da luz”, “sou um foguete a caminho de Marte” ou “sou um satélite fora de controle” são algumas dessas referências. Embora a frase mais redonda seja: “Estou ardendo através do céu a 200 graus, por isso me chamam Mr. Fahrenheit”. Pertence a seu último disco dos anos setenta, nos quais começaram a experimentar com outros estilos (contém um tema disco, 'Fun it') .  Em 2014, no Reino Unido elegeram-na como  a melhor canção para dirigir .   Escutar a canção  aqui .
    5‘Don’t Stop Me Now’ (1978, incluída no disco ‘Jazz’) 

    Por que é tão boa. Com seu ritmo endiabrado e sua mensagem de “vou comer o mundo”, é melhor que qualquer livro de autoajuda. Embora seja um tema inequívoco de rock, não há guitarra exceto no solo: conseguir essa potência só com piano, baixo e bateria é algo que não está ao alcance de qualquer um.

    História da canção. A rica discografia do Queen permite que aconteçam coisas como esta: que um tema que em seu momento não teve especial repercussão seja redescoberto com o passar dos anos —graças à publicidade e o cinema— e hoje figure entre seus títulos mais emblemáticos. Mercury escreveu a letra em um momento de especial subida, utilizando a astronomia como metáfora de sua excitação febril: “Sou uma estrela fugaz pulando pelo céu”, “viajo à velocidade da luz”, “sou um foguete a caminho de Marte” ou “sou um satélite fora de controle” são algumas dessas referências. Embora a frase mais redonda seja: “Estou ardendo através do céu a 200 graus, por isso me chamam Mr. Fahrenheit”. Pertence a seu último disco dos anos setenta, nos quais começaram a experimentar com outros estilos (contém um tema disco, 'Fun it'). Em 2014, no Reino Unido elegeram-na como a melhor canção para dirigir.

    Escutar a canção aqui.

  •   Por que é tão boa.   Ah, essa melodia de baixo de 'Under Pressure'. Às vezes umas pequenas notas tocadas como se fossem nada são tudo. Sim, é resultado da colaboração entre dois colossos como Freddie Mercury e David Bowie, e sobretudo se destaca por esse som de baixo de John Deacon. O que não está claro é se foi ideia de Deacon ou se Deacon a tocou, depois se esqueceu e lembrou a Bowie com alguma contribuição. A canção tem bem mais: um duelo vocal que não é exatamente um duelo, já que Bowie e Mercury se vão alternando na execução de forma tão fluída como surpreendentemente (pelo ego que tinham) generosa.    A história da canção.   De dois artistas colossais que não estavam nem em seu melhor momento sai uma obra maestral como 'Under Pressure'. Bowie vinha do morno 'Scary Monsters' e o Queen estava exausto após anos de sucesso. Juntaram-se na Suíça e saiu esta peça assinada pelos cinco em que se trabalhou de forma colaborativa para que depois Freddie e David brigassem na última fase do processo. “A mistura final não me pareceu boa. Foi o momento em que Freddie e David batalharam duramente por impor seus critérios”, revelou Brian May. E nós dizemos: bah, coisas de músicos, porque a canção soa a glória.   Escute o tema  aqui . 
    4'Under Pressure' (1981, incluída no disco 'Hot Space'). Com David Bowie 

    Por que é tão boa. Ah, essa melodia de baixo de 'Under Pressure'. Às vezes umas pequenas notas tocadas como se fossem nada são tudo. Sim, é resultado da colaboração entre dois colossos como Freddie Mercury e David Bowie, e sobretudo se destaca por esse som de baixo de John Deacon. O que não está claro é se foi ideia de Deacon ou se Deacon a tocou, depois se esqueceu e lembrou a Bowie com alguma contribuição. A canção tem bem mais: um duelo vocal que não é exatamente um duelo, já que Bowie e Mercury se vão alternando na execução de forma tão fluída como surpreendentemente (pelo ego que tinham) generosa.

    A história da canção. De dois artistas colossais que não estavam nem em seu melhor momento sai uma obra maestral como 'Under Pressure'. Bowie vinha do morno 'Scary Monsters' e o Queen estava exausto após anos de sucesso. Juntaram-se na Suíça e saiu esta peça assinada pelos cinco em que se trabalhou de forma colaborativa para que depois Freddie e David brigassem na última fase do processo. “A mistura final não me pareceu boa. Foi o momento em que Freddie e David batalharam duramente por impor seus critérios”, revelou Brian May. E nós dizemos: bah, coisas de músicos, porque a canção soa a glória.

    Escute o tema aqui

  •   Por que é tão boa.  Quatro roqueiros ingleses soando como um coro gospel de cem pessoas. E, ao mesmo tempo, 100% Queen.    História da canção.  Depois do sucesso de 'Bohemian Rhapsody', Mercury tentou fazer algo parecido no disco seguinte, 'A Day at The Races '.  Com uma variante: em vez de se inspirar na tradição operística europeia, o fez no gospel norte-americano. “É novo, é ligeiramente diferente”, explicou Freddie  à revista 'Circus'  em 1977. “Mas ainda soa ao Queen de sempre”. Na mesma entrevista, o baterista Roger Taylor explicou que este tema “está muito influenciado por Aretha Franklin. Freddie está muito pendurado nela”. A diferença de 'Bohemian rhapsody' ,  diz respeito mais ao formato regular de canção de rock. Composta por Mercury ao piano, a letra vai dirigida a Deus, a quem pede explicações por uma vida vazia de amor: “Passei a vida acreditando em ti mas não encontro alívio, Senhor”. O arranjo dos coros é verdadeiramente soberbo. Chegou ao número dois na lista de vendas britânica.   Escutar a canção  aqui .
    3‘Somebody to Love’ (1976, incluída no disco ‘A Day at The Races’) 

    Por que é tão boa. Quatro roqueiros ingleses soando como um coro gospel de cem pessoas. E, ao mesmo tempo, 100% Queen.

    História da canção. Depois do sucesso de 'Bohemian Rhapsody', Mercury tentou fazer algo parecido no disco seguinte, 'A Day at TheRaces '. Com uma variante: em vez de se inspirar na tradição operística europeia, o fez no gospel norte-americano. “É novo, é ligeiramente diferente”, explicou Freddie à revista 'Circus' em 1977. “Mas ainda soa ao Queen de sempre”. Na mesma entrevista, o baterista Roger Taylor explicou que este tema “está muito influenciado por Aretha Franklin. Freddie está muito pendurado nela”. A diferença de 'Bohemian rhapsody', diz respeito mais ao formato regular de canção de rock. Composta por Mercury ao piano, a letra vai dirigida a Deus, a quem pede explicações por uma vida vazia de amor: “Passei a vida acreditando em ti mas não encontro alívio, Senhor”. O arranjo dos coros é verdadeiramente soberbo. Chegou ao número dois na lista de vendas britânica.

    Escutar a canção aqui.

  •   Por que é tão boa.  Se o Queen viveu uma segunda idade dourada nos anos oitenta foi por temas como este.    História da canção.  Embora a maior parte do repertório do Queen tenha nascido da pena de Freddie Mercury, o baixista John Deacon escreveu algumas das músicas, entre elas esta e 'Another one bites the dust', os mais consagrados e famosos. Construído com uma base eletrônica, conta com um solo de sintetizador memorável a cargo do canadense Fred Mandel. Pelo divertido vídeo, em que os componentes do grupo aparecem vestidos de mulher realizando tarefas domésticas (uma paródia da série 'Coronation street'), alguns deram por certo que o tema era uma declaração da sexualidade de Mercury; mas o autor, como dizemos, é Deacon, e a ideia do vídeo foi da bateria Roger Taylor. Se o público já conhecia o talento e a força do grupo, agora soube de sua capacidade de reinvenção, recuperando o aplauso em massa do público com esta e outras canções em plena era dos teclados e as ombreiras. Na atualidade, Deacon leva uma vida tranquila de sexagenário afastado dos focos.   Ver o vídeo  aqui .
    2‘I Want to Break Free’ (1984, incluída no disco ‘The Works’) 

    Por que é tão boa. Se o Queen viveu uma segunda idade dourada nos anos oitenta foi por temas como este.

    História da canção. Embora a maior parte do repertório do Queen tenha nascido da pena de Freddie Mercury, o baixista John Deacon escreveu algumas das músicas, entre elas esta e 'Another one bites the dust', os mais consagrados e famosos. Construído com uma base eletrônica, conta com um solo de sintetizador memorável a cargo do canadense Fred Mandel. Pelo divertido vídeo, em que os componentes do grupo aparecem vestidos de mulher realizando tarefas domésticas (uma paródia da série 'Coronation street'), alguns deram por certo que o tema era uma declaração da sexualidade de Mercury; mas o autor, como dizemos, é Deacon, e a ideia do vídeo foi da bateria Roger Taylor. Se o público já conhecia o talento e a força do grupo, agora soube de sua capacidade de reinvenção, recuperando o aplauso em massa do público com esta e outras canções em plena era dos teclados e as ombreiras. Na atualidade, Deacon leva uma vida tranquila de sexagenário afastado dos focos.

    Ver o vídeo aqui.

  •   Por que é tão boa.  Fizeram voar pelos ares a estrutura clássica de rock (estrofes e um estribilho que se repete) e as arranjaram para inserir seis canções em uma. Tem partes de ópera. Cascatas de vozes. Uma introdução a capela. Referências a Galileu e Fígaro. A letra é misteriosa e fascinante. E o solo de guitarra possui vida própria.    História da canção.  Não está claro o que levou a Freddie Mercury a escrever este drama sobre um homem que confessa a sua mãe que cometeu um assassinato e se prepara para ir ao inferno. Alguns biógrafos apontam que se trata de uma metáfora sobre a ruptura de Mercury com seu passado (até pouco antes estava saindo com uma garota, Mary Austin) e a aceitação de sua homossexualidade. O autor nunca o esclareceu e preferiu alimentar a incógnita. As múltiplas camadas de vozes significaram um desafio para a tecnologia da época, que se resolveu pondo Mercury, May e Taylor a gravar os coros durante dias inteiros; o produtor Roy Thomas Baker duplicou dúzias de fitas. Apesar das dúvidas quanto a sua duração (quase seis minutos), foi lançado como 'single' e virou um grande sucesso: número um durante nove semanas seguidas no Reino Unido. Embora já houvesse vídeos musicais anteriormente, o desta canção foi um dos primeiros a se constituir uma obra de arte em si mesmo.   Ver o vídeo  aqui .
    1E a melhor: ‘Bohemian Rhapsody’ (1975, do disco ‘A Night at the Opera’) 

    Por que é tão boa. Fizeram voar pelos ares a estrutura clássica de rock (estrofes e um estribilho que se repete) e as arranjaram para inserir seis canções em uma. Tem partes de ópera. Cascatas de vozes. Uma introdução a capela. Referências a Galileu e Fígaro. A letra é misteriosa e fascinante. E o solo de guitarra possui vida própria.

    História da canção. Não está claro o que levou a Freddie Mercury a escrever este drama sobre um homem que confessa a sua mãe que cometeu um assassinato e se prepara para ir ao inferno. Alguns biógrafos apontam que se trata de uma metáfora sobre a ruptura de Mercury com seu passado (até pouco antes estava saindo com uma garota, Mary Austin) e a aceitação de sua homossexualidade. O autor nunca o esclareceu e preferiu alimentar a incógnita. As múltiplas camadas de vozes significaram um desafio para a tecnologia da época, que se resolveu pondo Mercury, May e Taylor a gravar os coros durante dias inteiros; o produtor Roy Thomas Baker duplicou dúzias de fitas. Apesar das dúvidas quanto a sua duração (quase seis minutos), foi lançado como 'single' e virou um grande sucesso: número um durante nove semanas seguidas no Reino Unido. Embora já houvesse vídeos musicais anteriormente, o desta canção foi um dos primeiros a se constituir uma obra de arte em si mesmo.

    Ver o vídeo aqui.

MAIS INFORMAÇÕES