Seleccione Edição
Monges ‘millennials’ assumem os mosteiros budistas da Mongólia
REUTERS
16 fotos

Monges ‘millennials’ assumem os mosteiros budistas da Mongólia

O budismo, uma das religiões mais antigas do mundo, está agora em mãos dos clérigos mais jovens do país

  • O budismo, uma das religiões mais antigas do mundo, está agora em mãos dos clérigos mais jovens da Mongólia. Na imagem, Temuulen, um jovem monge budista, estuda os textos religiosos depois de acordar em seu quarto, no mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia).
    1O budismo, uma das religiões mais antigas do mundo, está agora em mãos dos clérigos mais jovens da Mongólia. Na imagem, Temuulen, um jovem monge budista, estuda os textos religiosos depois de acordar em seu quarto, no mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia). REUTERS
  • Muitos dos monges que agora tomam conta dos mosteiros pertencem à geração 'millennial', a primeira geração a chegar à maioridade após décadas da repressão religiosa sob o sistema soviético que eliminou quase todo o clero budista. Na imagem, o monge budista sênior Said Lobsang Rabten instrui um jovem monge durante sessão de recitação de oração no mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia).
    2Muitos dos monges que agora tomam conta dos mosteiros pertencem à geração 'millennial', a primeira geração a chegar à maioridade após décadas da repressão religiosa sob o sistema soviético que eliminou quase todo o clero budista. Na imagem, o monge budista sênior Said Lobsang Rabten instrui um jovem monge durante sessão de recitação de oração no mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia). REUTERS
  • Apenas quatro anos após seus próprios estudos, Lobsang, de 29 anos, já está ensinando dois jovens monges, uma posição que se alcança normalmente 20 anos após finalizar os estudos. Na imagem, jovens monges budistas fazem oração no pátio do mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia).
    3Apenas quatro anos após seus próprios estudos, Lobsang, de 29 anos, já está ensinando dois jovens monges, uma posição que se alcança normalmente 20 anos após finalizar os estudos. Na imagem, jovens monges budistas fazem oração no pátio do mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia). REUTERS
  • "Sinto que ainda não adquiri suficiente conhecimento", diz Lobsen, "estava pensando, 'é correto que outros me chamem mestre quando eu mesmo ainda estou aprendendo?". Na imagem, os monges Temuulen e Batkhan Tuul caminham pelo o mosteiro de Amarbayasgalant em um de seus momentos livres.
    4"Sinto que ainda não adquiri suficiente conhecimento", diz Lobsen, "estava pensando, 'é correto que outros me chamem mestre quando eu mesmo ainda estou aprendendo?". Na imagem, os monges Temuulen e Batkhan Tuul caminham pelo o mosteiro de Amarbayasgalant em um de seus momentos livres. REUTERS
  • Lobsang teve que dar um passo adiante e se encarregar de jovens monges por conta da repressão iniciada nos anos 1930 com a chegada dos soviéticos que assassinaram cerca de 17.000 monges budistas. Na imagem, Temuulen recita um texto religioso de cor para seu professor, o monge Lobsang Tayang, no mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia).
    5Lobsang teve que dar um passo adiante e se encarregar de jovens monges por conta da repressão iniciada nos anos 1930 com a chegada dos soviéticos que assassinaram cerca de 17.000 monges budistas. Na imagem, Temuulen recita um texto religioso de cor para seu professor, o monge Lobsang Tayang, no mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia). REUTERS
  • Assim que a democracia foi reinstaurada em Mongólia, em 1990, os mosteiros e escolas foram restabelecidos pelos sobreviventes, muitos dos quais rondavam os 70 anos. Na imagem, o jovem monge Temuulen observa outro monge puxar a reza no mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia).
    6Assim que a democracia foi reinstaurada em Mongólia, em 1990, os mosteiros e escolas foram restabelecidos pelos sobreviventes, muitos dos quais rondavam os 70 anos. Na imagem, o jovem monge Temuulen observa outro monge puxar a reza no mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia). REUTERS
  • O mosteiro de Amarbayasgalant está escondido entre ladeiras, a 35 quilômetros da estrada mais próxima. Antes da repressão, foi lar de cerca de 800 monges, mas agora mal se contam 40 e o monge principal do mosteiro tem apenas 35 anos. Na imagem, os jovens monges deixam as rezas da tarde no mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia).
    7O mosteiro de Amarbayasgalant está escondido entre ladeiras, a 35 quilômetros da estrada mais próxima. Antes da repressão, foi lar de cerca de 800 monges, mas agora mal se contam 40 e o monge principal do mosteiro tem apenas 35 anos. Na imagem, os jovens monges deixam as rezas da tarde no mosteiro de Amarbayasgalant em Baruunburen (Mongólia). REUTERS
  • Lobsang Tayang , um dos monges que se encarrega de instruir aos mais jovens, se senta ao sol em frente ao mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia).
    8Lobsang Tayang , um dos monges que se encarrega de instruir aos mais jovens, se senta ao sol em frente ao mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia). REUTERS
  • Temuulen e Batkhan Tuul observam os pássaros debaixo do telhado do templo principal no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia).
    9Temuulen e Batkhan Tuul observam os pássaros debaixo do telhado do templo principal no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia). REUTERS
  • Said Lobsang Rabten supervisiona uma sessão de oração vespertina no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia).
    10Said Lobsang Rabten supervisiona uma sessão de oração vespertina no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia). REUTERS
  • Jovens monges budistas durante uma aula no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia). Os jovens monges têm exames das escrituras e rezas pela manhã; às tardes, podem estudar matérias como matemática ou literatura se houver algum professor disponível.
    11Jovens monges budistas durante uma aula no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia). Os jovens monges têm exames das escrituras e rezas pela manhã; às tardes, podem estudar matérias como matemática ou literatura se houver algum professor disponível. REUTERS
  • Detalhe de um livro de oração.
    12Detalhe de um livro de oração. REUTERS
  • Temuulen e Batkhan Tuul vestem-se em seu quarto, no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia). "Quando crescer, se o mosteiro estiver maior e mais renovado, então, com sorte, virão mais crianças", diz Temuulen.
    13Temuulen e Batkhan Tuul vestem-se em seu quarto, no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia). "Quando crescer, se o mosteiro estiver maior e mais renovado, então, com sorte, virão mais crianças", diz Temuulen. REUTERS
  • Os monges budistas entram em um ger, um alojamento da Mongólia tradicional, para as orações da tarde no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia).
    14Os monges budistas entram em um ger, um alojamento da Mongólia tradicional, para as orações da tarde no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia). REUTERS
  • Jovens monges budistas almoçam no refeitório do mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia).
    15Jovens monges budistas almoçam no refeitório do mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia). REUTERS
  • Lobsang Tayang, um monge instrutor, posa para uma fotografia no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia).
    16Lobsang Tayang, um monge instrutor, posa para uma fotografia no mosteiro de Amarbayasgalant, em Baruunburen (Mongólia). REUTERS