Uma das últimas fotos divulgadas pela Agência Espacial Europeia, tomada pela 'Rosetta'.

‘Rosetta’ cumpre seu destino e morre em seu cometa

Sonda conclui a histórica missão europeia passados mais de 12 anos desde que decolou da Terra

Fim da sonda ‘Rosetta’

Assim será a doce morte de ‘Rosetta’

A primeira sonda a orbitar um cometa se suicida nesta sexta durante uma manobra histórica

Missão Rosetta
A sonda 'Philae', sobre o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko.

Sonda ‘Philae’ esgota as baterias, mas envia os dados científicos

Os controladores reorientaram a sonda para tentar uma recarga com energia solar

"Um pequeno passo para o homem, um grande passo para a humanidade". É provavelmente a frase que melhor resume a conquista do espaço e foi dita por Neil Armstrong na Lua, no dia 20 de julho de 1969. Esses pequenos passos começaram, no entanto, no lado rival. A União Soviética marcou o primeiro tento da corrida espacial (o lado mais amável da Guerra Fria). Seu 'Sputnik 1' tornou-se o primeiro objeto a ser lançado ao espaço e entrar na órbita da Terra. Aconteceu no dia 4 de outubro de 1957. O primeiro grande êxito de uma longa cadeia de achados cujo último grande marco é a aterrissagem da sonda 'Philae' no cometa 67P/Churyamov-Gerasimenko.

Do ‘Sputnik’ ao ‘Philae’, os grandes êxitos da exploração espacial

No ultimo meio século a corrida espacial deu frutos como chegar na Lua, explorar Marte ou aterrissar sobre um cometa

Missão Rosetta

Sonda ‘Philae’ fez três aterrissagens no cometa ao ricochetear duas vezes

Especialistas não sabem em que ponto da superfície do cometa o robô foi parar, mas ele funciona e está enviando dados

Rosetta
Cientistas observam a aterrissagem do robô no cometa.

Sonda pousa na superfície de cometa

É a primeira vez na história que uma nave consegue essa proeza. Arpões do módulo não dispararam; ele está preso apenas com parafusos à superfície

Ilustração compara o tamanho do cometa com a cidade de Los Angeles.

Sonda ‘Rosetta’ terá sete horas de queda livre até atingir solo de cometa

A descida do módulo europeu ‘Philae’ ao núcleo do 67P/Churyumov-Gerasimenko, em 12 de novembro, é uma manobra de alto risco que nunca foi testada

NASA
Imagen do cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko.

A nave ‘Rosetta’ chega ao cometa

A sonda espacial está a 100 quilômetros da superfície do objeto e os dois viajam a 55.000 quilômetros por hora em direção ao Sol

A sonda Rosetta da Agência Espacial Europeia.

A nave espacial que vai atrás do cometa desperta da hibernação

Usada para fazer pesquisa no Sistema Solar, Rosetta enviou sinal uma hora depois do esperado pelos responsáveis pela missão