O Brasil reduz o desemprego, mas não aumenta a produtividade

A menor taxa da história esconde empregos de má qualidade, a baixa qualificação e a falta de competitividade internacional