Pandemia adia igualdade de gênero por mais uma geração

Fórum Econômico Mundial calcula que o tempo necessário para alcançar a paridade passou de 99,5 para 135,6 anos nos últimos 12 meses. O Brasil ocupa a 93ª colocação entre 156 países

Manifestação feminista em 8 de março deste ano, em Barcelona.
Manifestação feminista em 8 de março deste ano, em Barcelona.Alejandro García (EFE)
Mais informações
“Trabalho de madrugada porque não dou conta de tudo em casa”, a nova normalidade massacra as mulheres
EPS 2319 DOCUMENTOS REPORTAJE MUJERES
Pandemia ameaça apagar uma geração de frágeis avanços das mulheres na luta por direitos no mundo
Ambulantes na 25 de Março, escapando da fiscalização.
Em um ano, mais de 8 milhões de brasileiros perderam seus empregos

A ansiada paridade entre os gêneros vai demorar uma geração a mais. Ao longo do último ano, a pandemia acrescentou 36 anos ao tempo necessário para reduzir a disparidade entre homens e mulheres, que passou que 99,5 para 135,6 anos. É o que conclui o Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês) no seu relatório anual sobre a disparidade de gênero, atribuindo essa deterioração à menor representação política das mulheres nas grandes economias e ao estancamento dos avanços econômicos, por causa da necessidade de oferecer cuidados familiares e porque as mulheres trabalham nos setores mais afetados pelo confinamento.

Os avanços em direção à paridade estancaram em muitas grandes economias e setores, e isso pesou no cômputo global do progresso. Embora haja cada vez mais mulheres em trabalhos qualificados, as disparidades de renda persistem e ainda há pouquíssimas mulheres em cargos de direção. Tanto é que a paridade econômica, neste ritmo, só será alcançada dentro de 267,6 anos. Também pesou o retrocesso na participação política das mulheres nos países analisados, onde ocupam apenas 26,1% da representação parlamentar e 22,6% dos ministérios. Eliminar essa lacuna levará 145,5 anos, cerca de 50% a mais do que os 95 anos previstos em 2020.

O WEF ―organização que realiza anualmente um encontro com personalidades da economia global na localidade suíça de Davos― não hesita em afirmar que a pandemia teve um impacto mais negativo para as mulheres do que para os homens, começando pelo desemprego, que, segundo a Organização Internacional do Trabalho, afetou 5% das mulheres, contra 3,9% dos homens. Isso se deve em boa medida à desproporcional presença feminina em setores afetados diretamente pelo confinamento, como o consumo. No caso dos Estados Unidos, recorda a organização, as mais afetadas foram as mulheres de grupos étnicos e raciais em posições desfavorecidas.

Além disso, a pandemia, o teletrabalho e o confinamento decretados pelas autoridades para enfrentar a covid-19 fizeram recair majoritariamente sobre as mulheres as tarefas domésticas e os cuidado com crianças e idosos, “o que aumentou seus níveis de estresse e reduziu seus níveis de produtividade”. A recuperação, entretanto, não dá prioridade às mulheres. Segundo dados do LinkedIn citados pelo WEF, a contratação de mulheres está ocorrendo em um ritmo menor em muitos setores, e elas não costumam ser as candidatas preferidas para disputar cargos de direção, “o que está provocando um retrocesso após dois anos de avanços”, diz o relatório, que chega nesta ano à sua 15ª edição.

O relatório analisa a paridade em quatro áreas: participação econômica, educação, saúde e poder político. Em educação e saúde, a disparidade já foi quase eliminada, mas os avanços rumo à paridade total estancaram no último ano.

“A pandemia afetou a igualdade de gênero tanto no local de trabalho como no lar, dando marcha a ré em anos de progresso. Se quisermos uma economia dinâmica no futuro, é vital que as mulheres estejam representadas nos empregos de amanhã. Agora mais que nunca é crucial centrar-se na liderança feminina, comprometer-se com objetivos e mobilizar recursos para alcançá-lo. É o momento de incluir a paridade de gênero no desenho da recuperação”, afirma Saadia Zahidi, diretora-gerente do WEF.

Islândia segue à frente

Há 12 anos, a Islândia lidera a lista de países com maior igualdade entre homens e mulheres em termos gerais, seguida por Finlândia, Noruega, Nova Zelândia e Suécia. Os maiores avanços, entretanto, foram vistos na Lituânia, Sérvia, Timor Leste, Togo e Emirados Árabes Unidos.

O Brasil ocupa a 93ª colocação entre 156 países que integram a lista, e caiu uma posição em relação ao ano anterior. A má posição se explica, entre outras coisas, pela baixa representatividade feminina no parlamento ou em ministérios do Executivo, com menos de 15% desses assentos e postos ocupados por mulheres ―percentual similar ao de países como Belize, Bahamas e Paraguai.

As desiguldades de gênero no Brasil também persistem em termos de participação e oportunidade, diz o estudo, com “apenas 66,5% da lacuna [entre homens e mulheres] reduzida, uma ligeira melhoria em relação à edição anterior”. “Essas lacunas manifestam-se principalmente em termos de salários e rendimentos. Até esta data, 54,2% da desigualdade salarial e 56,7% da diferença de renda foram reduzidas”, segundo o relatório.

O WEF chama a atenção de que em 81 países nunca uma mulher ocupou a máxima posição política, como presidenta ou primeira-ministra, e isso inclui países considerados relativamente progressistas em relação à paridade, como Suécia, Espanha, Países Baixos e Estados Unidos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS