A Europa perante a dificuldade da nova onda de coronavírus

Continente reage de forma desigual ao avanço da variante delta, enquanto ensaia novos métodos para evitar os confinamentos e as restrições drásticas

Garçom atende clientes em um café de Paris.
Garçom atende clientes em um café de Paris.CHRISTIAN HARTMANN (Reuters)

A pandemia da covid-19 às vezes dá a impressão de ser a história de um eterno retorno. É como se fosse preciso recomeçar cada vez que o vírus parece ter sido derrotado; como se a chamada nova normalidade fosse uma miragem que se afasta no horizonte quando se mostra ao alcance da mão. Foi o que ocorreu nas últimas semanas com algo que não estava nos planos de muitos cidadãos e políticos: a irrupção na Europa da variante delta do vírus, mais contagiosa que as variantes anteriores. Com ela, foi pelos ares a ideia de que estes meses se pareceriam mais com o verão boreal de 2019, quando ninguém tinha ouvido falar do vírus SARS-Cov-2, que com o de 2020, quando os europeus ainda se deslocavam com prudência por seus países e pelo continente, mas com a esperança de que o fim da pandemia seria iminente.

Mais informações

A ideia de que se está voltando à estaca zero é imprecisa, porque, com bilhões de pessoas já vacinadas no mundo e centenas de milhões na Europa, tudo mudou, e o mundo pós-covid-19 está mais perto do que nunca. “Não acho que seja um retorno ao ponto de partida”, tranquiliza o epidemiologista Antoine Flahault, diretor do Instituto de Saúde Global da Universidade de Genebra. “Quem está vacinado poderá viver um verão mais ou menos normal”, confia.

Por enquanto não está sendo assim. Após dois meses, entre maio e julho, nos quais os países da União Europeia começaram a suprimir as restrições, cada um ao seu ritmo; após uma primavera em que as engrenagens da economia voltaram a girar a todo ritmo; após semanas de relaxamento coletivo, em que milhões de cidadãos começaram a tirar as máscaras como um ato de libertação... Depois de tudo isto, hoje os casos dispararam: há um mês, eram registradas 38.000 novas infecções por dia em todo o continente (incluindo a Rússia, o país mais atingido, e o Reino Unido); agora são mais de 130.000, segundo dados da agência Reuters. E as restrições voltaram.

Como aconteceu do início desta crise, há um ano e meio, os países europeus e suas regiões não agem em uníssono contra a nova onda. Na Catalunha, na Cantábria e em Portugal, por exemplo, o toque de recolher foi adotado novamente. Os Países Baixos, como outros lugares, voltaram a fechar as discotecas, cuja abertura havia se tornado um símbolo da liberdade recuperada. As autoridades reimpuseram a obrigação de usar máscaras ao ar livre em algumas partes da França especialmente afetadas pela variante, como o departamento (província) dos Pirineus Orientais, na fronteira com a Catalunha.

“O vírus está vivo, então se adapta, procura estratégias de sobrevivência à sua maneira”, constata François Heisbourg, assessor do think tank Instituto Internacional de Estudos Estratégicos. Também os europeus buscam sua estratégia, e não a encontram. “A UE tem competências limitadas em política sanitária”, recorda Heisbourg, “isto é assim, e provavelmente não mudará rapidamente, e menos ainda onde a política sanitária é regional e não nacional”. “Não sei se há uma resposta espanhola à pandemia, mas sei que há uma andaluza, uma madrilenha, uma catalã…”, exemplifica.

Vacinação na França

Em poucos países a nacionalização da resposta é tão evidente, por sua tradição centralista e presidencialista, como na França. Na segunda-feira, o presidente Emmanuel Macron dedicou a parte principal de um discurso televisivo não às reformas econômicas, como previa antes da irrupção da variante delta, e sim às medidas para acelerar a vacinação. A primeira delas é a obrigação de imunização para profissionais do setor sanitário. Essa obrigatoriedade já existe na Itália, ao passo que na Alemanha a chanceler Angela Merkel rejeitou esse caminho. A segunda medida é que ninguém poderá entrar em bares, restaurantes, aviões ou trens inter-regionais se não apresentar um certificado de vacinação ou exame negativo para covid-19.

“Foi um discurso que estabeleceu um rumo, de capitão de navio, não agradável de escutar, mas eficaz”, diz Heisbourg. O epidemiologista Flahault considera que Macron anunciou, sem dizer explicitamente, um novo confinamento geral, do qual só os vacinados estariam isentos. E acrescenta: “A resposta francesa é original, não foi usada em nenhum lugar do mundo e busca tanto aumentar a cobertura com vacinas como confinar, pois só as pessoas com baixíssimo risco de transmissão, já vacinadas, terão direito de ir aos lugares onde houver uma alta contaminação”. Outros países optaram pela pedagogia ou, como a Grécia, por um cheque aos jovens que se vacinarem, para gastar em atividades culturais e nas férias do verão. O método francês é diferente: obrigar com sutileza, ou, como diz Flahault, confinar sem admitir. “É necessária uma taxa de vacinação superior a 90% para ter a esperança de bloquear a propagação do vírus”, avisa Flahault. Atualmente a UE tem quase metade da sua população vacinada; falta um longo caminho por percorrer.

Manifestação contra as vacinas em Paris, no sábado.
Manifestação contra as vacinas em Paris, no sábado. YOAN VALAT (EFE)

O discurso de Macron motivou reações de protesto: 18.000 pessoas participaram de um ato contra a obrigatoriedade das vacinas no sábado em Paris, segundo o Ministério do Interior, e 96.000 em dezenas de outras manifestações no resto da França. Mas o convencimento foi imediato e maciço. Nos três dias seguintes, 2,6 milhões de franceses marcaram hora pelo site Doctolib para se vacinar. Na sexta-feira foram injetadas 879.597 doses, um recorde. Uma delas foi para Clément Foulon, de 24 anos. “Estou me vacinando para viajar de férias ao exterior e ir ao restaurante com a minha namorada”, dizia ele junto ao centro de vacinação montado em frente à Prefeitura de Paris. “Eu não era muito favorável a me vacinar, queria esperar um pouco”, observa. Mudou de opinião após ouvir Macron. “Não tinha outra opção”, admitiu.

Os europeus enfrentam vários dilemas. Readotar as restrições, como estão fazendo Portugal e Espanha, ou suprimi-las, como fará a Inglaterra a partir desta segunda-feira? Estimular a vacinação com a ameaça implícita de não poder frequentar lugares públicos, como na França, ou por meio da persuasão, como na Alemanha?

“É preciso estimular todo mundo a se vacinar, é a única maneira de sair da pandemia, mas [o certificado covid] não é a ferramenta correta”, argumenta Luiza Bialasiewicz, professora de governança europeia na Universidade de Amsterdã. Bialasiewicz adverte para o perigo de exigir o certificado de vacinação ou exame negativo não só para cruzar as fronteiras nacionais da UE, mas dentro dos próprios países e inclusive de um mesmo bairro, na entrada do cinema ou do bar. “Quem controlará estas novas fronteiras, as dos restaurantes?”, pergunta-se. “Como garantir que quem controla não discriminará certas pessoas, ou que não verificará os documentos de uma maneira aleatória, ou porque não vai com a cara de alguém?”.

Mas o fato é que esse certificado já virou um passaporte, como se vê nos trens que trafegam diariamente entre a Espanha e a França. A cena ocorreu em um de alta velocidade em 2 de julho passado. O trem acabava de entrar em Perpignan, nos Pirineus Orientais, a primeira estação francesa. Os policiais franceses verificaram se os viajantes portavam o certificado com o teste ou a vacinação. Só uma mulher com hijab e vários homens de origem não europeia não o possuíam. Um agente lhes disse que teriam que pagar uma multa de 135 euros (823 reais), e foram obrigados a descer em Perpignan.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: