Pandemia de coronavírus
Opinião
Texto em que o autor defende ideias e chega a conclusões basadas na sua interpretação dos fatos e dados ao seu dispor

Estou feliz e grato, acabo de me vacinar

Se o chefe de Estado chamou de covardes aqueles que se preocupam com o vírus, eu me sinto muito feliz por pertencer a esse exército. Nada mais desumano do que o desprezo pela vida

Colunista Juan Arias foi vacinado contra a covid-19 no município de Saquarema, na região dos Lagos no Rio de Janeiro.
Colunista Juan Arias foi vacinado contra a covid-19 no município de Saquarema, na região dos Lagos no Rio de Janeiro.Archivo personal.

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Acabei de ser vacinado contra a covid-19 e meus amigos me pedem que conte num artigo a minha experiência. Acabei de fazer isso na bela cidadezinha de Saquarema, na região dos Lagos. É a sorte de se morar em uma pequena cidade do interior onde a humanidade ainda existe e as pessoas se cumprimentam na rua. A organização da vacinação foi perfeita, ao lado da linda lagoa. Esperei só cinco minutos e as enfermeiras eram uns anjos.

Mais informações
A demonstrator shouts slogans in front of a sign written in Portuguese that reads "I arm myself with books, I get rid of arms," during a protest against the government's response in combating COVID-19 and demanding the impeachment of Brazil's President Jair Bolsonaro, in Brasilia, Brazil, Saturday, Feb. 21, 2021. (AP Photo/Eraldo Peres)
Bolsonaro tira a máscara e diz que não gosta da democracia
Fila de carros para a vacinação no Pacaembu
Idosos esperam mais de três horas por vacina contra coronavírus nos postos de São Paulo
Brazilian President Jair Bolsonaro(C) speaks to the press while leaving the Forum Of The Americas at the InterContinental Miami in Miami, Florida on March 10, 2020. (Photo by Zak BENNETT / AFP)
Estadistas e políticos de fibra não temem críticas de jornalistas. Só os medíocres e inseguros

Aproveito para felicitar a prefeita Manuela [Peres], que cuida com tanto mimo e carinho de sua cidade. Nesses cinco minutos de espera, ao lado da minha felicidade se amontoou em minha mente a imensa fila de pessoas que a pandemia levou para sempre, e aqui no Brasil muitas ainda estariam vivas se não tivesse existido a política obstinada do presidente Bolsonaro com seu negacionismo desde o primeiro dia e agora com o boicote à vacina. Pensei na dor dos milhares de famílias que perderam seus entes queridos. Pensei na tragédia dos pais das quatro crianças de dois anos que o vírus levou em Santa Catarina antes de a vida começar.

Se o chefe de Estado chamou de covardes aqueles que se preocupam com o vírus, eu me sinto muito feliz por pertencer a esse exército. Nada mais desumano do que o desprezo pela vida. Penso que o Governo Bolsonaro, ao invés de se preocupar em armar as pessoas, faria melhor se antes tivesse se preocupado em levar a vacina para todos.

Melhor sempre apostar na vida do que na guerra, na solidariedade do que no ódio.

Hoje vi a cara de felicidade dos idosos que esperavam para ser vacinados e a gratidão que expressavam às enfermeiras. Estamos em um mundo e em um momento de crise em que todos precisamos de doses de confiança e da possibilidade de voltar à vida normal. A vacina é hoje a única forma, segundo a ciência, de lidar com tanta morte e sofrimento.

Eu sei que, envenenados pelo negacionismo do Governo, muitos se recusam a ser vacinados.É o fruto amargo da atitude suicida de quem deveria dar o exemplo à sociedade.

Em todos os outros países, os primeiros que quiseram ser vacinadas foram os reis e chefes de Estado, e o fizeram diante das câmeras de televisão para dar o exemplo.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

No Brasil, ao contrário, o presidente se antecipou a dizer em público: “Eu não vou tomar vacina e ponto final. Problema meu”.

Triste exemplo para um país que sempre preferiu apostar na vida, e não na morte, e onde quem ainda passa fome prefere comida a armas. O profeta Jesus proclamou: “Eu sou a vida”. Se ele tivesse apostado na morte em vez da vida, talvez não o tivessem crucificado.

A todos os meus amigos leitores digo que hoje estou feliz e grato por ter sido vacinado e àqueles que se sentem tentados a não o fazer, que o façam por solidariedade com os outros, pois cada um que se recusa a ser vacinado acaba sendo um perigo letal para os demais.

Juan Arias é jornalista e escritor, com obras traduzidas em mais de 15 idiomas. É autor de livros como Madalena, Jesus esse Grande Desconhecido, José Saramago: o Amor Possível, entre muitos outros. Trabalha no EL PAÍS desde 1976. Foi correspondente deste jornal no Vaticano e na Itália por quase duas décadas e, desde 1999, vive e escreve no Brasil. É colunista do EL PAÍS no Brasil desde 2013, quando a edição brasileira foi lançada, onde escreve semanalmente.

Siga a cobertura em tempo real da crise da covid-19 e acompanhe a evolução da pandemia no Brasil. Assine nossa newsletter diária para receber as últimas notícias e análises no e-mail.

Faça seu login para seguir lendo

Saiba que já pode ler este artigo, é grátis

Obrigado por ler o EL PAÍS

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS