Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Está nas mãos do TSE promover eleições antirracistas

Consulta sobre a distribuição proporcional de recursos e do tempo de propaganda eleitoral para candidatos negros está com Alexandre de Moraes. É dever da justiça eleitoral promover mecanismos que fomentem a participação democrática de negros e negras na política

Homem ergue o punho fechado, símbolo da luta antirracista, em protesto no Rio de Janeiro em 31 de maio.
Homem ergue o punho fechado, símbolo da luta antirracista, em protesto no Rio de Janeiro em 31 de maio.MAURO PIMENTEL (AFP)
Mais informações
A projection on a building honouring the 100,000 victims who died of the novel coronavirus COVID-19 in Brazil reads "(Brazilian President Jair) Bolsonaro Out" as the country became the second in the world to pass the grim milestone, in Botafogo neighbourhood in Rio de Janeiro, Brazil, on August 8, 2020. - Just a day after Latin America and the Caribbean became the hardest-hit region in the global pandemic, Brazil reported a total of 100,477 fatalities, joining the United States as the only two countries to surpass the six-digit death mark. (Photo by Mauro PIMENTEL / AFP)
Coalizão Negra apresenta 56° pedido de impeachment de Bolsonaro, por negligência com a pandemia
A jornalista Bianca Santanta, que representou 19 entidades em processo contra Jair Bolsonaro na ONU.
Por que Bolsonaro pediu desculpas a Bianca Santana, face da ação de jornalistas mulheres contra ele na ONU
Milton Barbosa, um dos fundadores do Movimento Negro Unificado (MNU).
“O papel da extrema direita é fazer a população oprimida se reestruturar. Nós temos que derrotá-la”
PM de São Paulo imobiliza homem negro suspeito de furto no centro da capital.
Entre a vida e a morte sob tortura, violência policial se estende por todo o Brasil, blindada pela impunidade

Há anos, grupos da sociedade civil organizada vem imprimindo esforços na promoção de debates e disputas de uma política institucional que tenha mais a cara da população brasileira, majoritariamente formada por mulheres e população negra. Ainda assim, o racismo estrutural e os desafios postos há mais de 500 anos requerem um esforço e compromisso maior por parte das instâncias competentes, como o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Congresso Nacional.

Em junho, o Tribunal Superior Eleitoral colocou em pauta a discussão, e posteriormente em votação, a consulta que trata sobre a distribuição proporcional do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) e do tempo de propaganda eleitoral para candidatos negros. O processo teve votos favoráveis dos ministros Luís Roberto Barroso e Edson Fachin. No entanto, o Ministro Alexandre de Morais pediu vistas ao processo e ainda não disponibilizou seu voto para retomar o julgamento.

Com a iminência do retorno da votação, nós, integrantes de entidades do movimento negro e da sociedade civil organizada nos preocupamos que a decisão do TSE não possa valer para as eleições municipais deste ano, marcada para ocorrer em 15 e 29 de novembro. A corrida contra o tempo ganha destaque no cenário de incerteza gerado pelo pedido de vistas feito pelo ministro Alexandre de Moraes. Essa prática, já conhecida de parlamentares e da sociedade civil que tenta incidir no cenário das eleições, é comum pelo TSE, onde uma discussão é retirada de pauta e, depois, simplesmente deixa de ser discutida, com alegação da proximidade das eleições. Foi o que aconteceu em 2018 e o que agora tememos que aconteça novamente. Não podemos mais esperar.

Por isso, nós, do Instituto Marielle Franco, junto a Educafro, o Movimento Mulheres Negras Decidem e a Coalizão Negra Por Direitos protocolamos na quinta-feira de 8 de agosto uma manifestação e pedido de audiência [realizada em 12 de agosto] com o ministro Alexandre de Moraes, no processo que discute essas pautas tão essenciais para promoção de mecanismos verdadeiramente democráticos na realidade brasileira. Durante a audiência, histórica em termos de incidência do movimento negro no sistema eleitoral do país, o ministro Alexandre afirmou a vontade devolver a consulta ainda neste mês ao tribunal, cabendo ao presidente da casa, o ministro Barroso, a oportunidade de colocar novamente a questão em votação.

A pandemia de covid-19 nos impõe a difícil tarefa de não apenas conseguir realizar as eleições nos dias 15 e 29 de novembro de 2020, conforme estabelecido em julho desse ano pelo tribunal e aprovado pelo Congresso Nacional, mas também de garantir que as novas candidaturas tenham apoio para que, mesmo em meio a uma pandemia, consigam realizar suas campanhas. A eleição de Marielle Franco, em 2016, como a quinta vereadora mais votada da cidade do Rio de Janeiro, virou símbolo da ocupação da política por parte de mulheres negras, populações periféricas e faveladas, e LGBTQIA+, mas o caminho para promoção de uma maior participação negra na esfera política ainda é longo.

Desta forma, o TSE tem uma oportunidade histórica nas mãos. É dever da justiça eleitoral promover mecanismos que fomentem a participação democrática de negros e negras na política, e por isso a votação favorável desta pauta é essencial para que possamos produzir ainda neste ano eleições antirracistas. A aprovação desta consulta pelos ministros irá fomentar ativamente o combate às lógicas excludentes estruturadas no sistema político brasileiro, mostrando que o TSE tem um compromisso real com a luta política antirracista no país.

Anielle Franco é diretora Executiva do Instituto Marielle Franco.

Faça seu login para seguir lendo

Saiba que já pode ler este artigo, é grátis

Obrigado por ler o EL PAÍS

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS