Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Uma ministra feminista na pandemia faz diferença

O país pode estar mal, a economia pode estar em crise econômica e a pandemia nos aterrorizar, mas uma ministra feminista na pasta de mulheres pode fazer uma grande diferença

ADRIANO MACHADO (Reuters)

O país pode estar mal, a economia pode estar em crise e a pandemia nos aterrorizar, mas uma ministra feminista na pasta de mulheres pode fazer uma grande diferença. Ao menos para as mulheres, meninas e pessoas trans. É só comparar a Argentina e o Brasil.

Mais informações
Una mujer increpa a un oficial de policía durante las protestas en Minneapolis (Estados Unidos).
Protestos contra morte de homem negro nas mãos de policial branco se espalham pelos Estados Unidos
Lojas de conveniência no Rio de Janeiro.
Com extensão da pandemia, empresas do movimento ‘Não Demita’ estudam próximos passos
BRA50. SAO PAULO (BRASIL), 28/05/2020.- Un hombre camina frente a un grafiti con la imagen de los jugadores de fútbol de Brasil, Paulinho y Marta, realizado por el artista Rodrigo Rodrigues, conocido como Digãocomprimido, que pone máscaras en algunas de sus obras callejeras para crear conciencia sobre el coronavirus en Brasilandia, un barrio en la periferia de la ciudad con el mayor número de muertes por covid-19 hoy, jueves en Sao Paulo. EFE/Sebastião Moreira
AO VIVO | Últimas notícias sobre o coronavírus e a crise no Brasil

Começamos pelos títulos das pastas. Na Argentina, há o Ministério de Mulheres, Gêneros e Diversidade. Assim mesmo no plural: gêneros. Além de a palavra não ser maldita, é ainda convocada para ser entendida no plural da diversidade dos corpos e vivências dos gêneros e sexualidades. No Brasil, o Ministério é da Família, da Mulher e dos Direitos Humanos. Mulher assim mesmo no singular da essência divina. Se há mulher é para criar família, e só uma: a reprodutora heterossexual. Por isso, não pode haver nem gênero ou sexualidades em um Ministério que teme gênero como se fosse a perdição da carne. Por fim, direitos humanos é o contrassenso de quem ignora a diversidade: é a estratégia fascista de se apropriar de categorias para esvaziá-las.

As pastas ganharam corpo com suas respectivas ministras que, por ironia do acaso, até parecem um espelho invertido em suas posturas e causas. Elizabeth Gómez Alcorta é a ministra feminista na Argentina. É advogada com experiência em defesa de direitos indígenas. Ministra Alcorta tem uma agenda feminista para a pasta: combate à violência de gênero e defesa dos direitos reprodutivos. Comprometida com a onda verde que levou milhares de mulheres e meninas às ruas de Buenos Aires, a ministra espera que a descriminalização do aborto seja aprovada este ano na Argentina.

No Brasil, ministra Damares Alves é também advogada, mas sua atuação é antes religiosa como pastora da Igreja do Evangelho Quadrangular que mesmo como uma representante da ordem constitucional. Também tem interesse na causa indígena, porém sua entrada é no estilo colonial das sinhazinhas que “pegavam meninas para criar”. É mãe de uma menina indígena Kamayurá que, segundo relatos, foi adotada irregularmente da aldeia onde nasceu no Xingu. Damares se autonomeia “defensora de crianças indígenas”, e acredita defendê-las com o uso do direito penal, criminalizando e estigmatizando culturas indígenas. Sua principal bandeira no governo Bolsonaro é difamar feministas e ampliar a criminalização do aborto no Brasil. É uma das vozes crentes de que há ideologia de gênero travestindo criancinhas no mundo.

O paralelismo poderia ser um exercício de contraste ideológico entre duas ministras tão perto na geografia e tão longe na defesa de direitos das mulheres. Torna-se, no entanto, um abismo quando suas diferenças movem as respostas aos efeitos da pandemia de covid-19 para as mulheres. Ministra Alcorta tomou para si o cuidado das mulheres em risco à violência doméstica: o crescimento da violência doméstica é descrito como “situação de força maior”, exigindo prioridade no atendimento, investigação e resolução. Houve um aumento de 39% nas denúncias de violência de gênero na Argentina durante a pandemia, mas a ministra sabe que há barreiras para que as mulheres cheguem aos serviços e denunciem seus algozes. Por isso, ampliou canais de contato com uso de WhatsApp, aplicativos de celular, conta de e-mail, e geolocalizadores para acolhimento. Fez parceria com farmácias, um dos espaços que as mulheres, mesmo em situação de confinamento doméstico, continuam a transitar. Expandiu abrigos de emergência para mulheres por meio de parcerias com alojamentos de universidades e sindicatos.

Já no Brasil, ministra Damares acredita que “violência doméstica não tem gênero”. Sob o pretexto de proteger crianças, criou um concurso nacional de “máscaras bonitas e criativas”. As crianças vencedoras ganharão como prêmio uma tarde com a própria ministra e com a primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Só não sabemos se a tarde festiva será durante a pandemia que já matou mais de 25.000 pessoas no Brasil. Sobre as mulheres, ministra Damares tem pouco a dizer, pois sua preocupação é mais em treinar vizinhos para “meter a colher” se houver briga em casa alheia do que em proteger direitos.

Não há dúvidas de que uma ministra feminista faz diferença em uma pandemia. A comparação entre Argentina e Brasil até parece paródia política, não fosse o abandono das mulheres. Mesmo sob a liderança de ministra Alcorta, são as mulheres as principais afetadas por uma emergência de saúde pública que altera regras de vida e suspense direitos. Tanto na Argentina quanto no Brasil, como em qualquer outro lugar por onde o vírus covid-19 adoeceu gente e esvaziou as ruas, há mulheres sobrecarregadas para garantir a sobrevivência material e o cuidado das pessoas dependentes. Quanto mais distante for o Estado de uma sensibilidade de gênero na resposta à pandemia, mais difícil será para as mulheres a sobrevivência.

Faça seu login para seguir lendo

Saiba que já pode ler este artigo, é grátis

Obrigado por ler o EL PAÍS

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS