OMS pede moratória mundial para terceira dose de vacinas contra covid-19

Diretor-geral da instituição pede a cooperação das empresas e dos países que controlam o fornecimento global de vacinas para que sejam imunizados 10% dos habitantes de todos os países do mundo

Homem recebe uma dose de vacina em Bulawayo, Zimbábue.
Homem recebe uma dose de vacina em Bulawayo, Zimbábue.ZINYANGE AUNTONY (AFP)

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Mais informações

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu nesta quarta-feira uma moratória mundial para uma terceira dose das vacinas contra a covid-19. O apelo foi feito depois que Israel e Alemanha anunciaram que oferecerão uma dose de reforço aos idosos, enquanto o Reino Unido planeja fazer o mesmo a partir de setembro.

“Entendemos a preocupação dos governos em proteger suas populações da variante delta, mas não podemos aceitar que os países que já utilizaram a maioria dos fornecimentos das vacinas usem ainda mais enquanto as populações mais vulneráveis do mundo continuam desprotegidas”, declarou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Do total de 4 bilhões de doses de vacinas administradas no mundo, mais de 80% foram para países de renda alta e média, que juntos representam menos de metade da população mundial, disse Tedros, acrescentando que a moratória duraria até o fim de setembro, prazo estabelecido para conseguir que pelo menos o 10% dos habitantes de cada país estejam completamente vacinados.

A desigualdade na disponibilidade de vacinas está aumentando, alertaram especialistas da OMS. Enquanto a Europa já vacinou mais da metade de sua população e os Estados Unidos cerca de 70%, apenas 2% dos habitantes da África têm o esquema completo, e 5% receberam só uma dose. Os países ricos administraram quase 100 doses por 100 habitantes, em comparação com 1,5 dose por 100 habitantes nos países mais pobres, ressaltou Tedros. Para atingir a meta de ter 10% da população de todos os países do mundo vacinada em pouco menos de dois meses, é necessária “a cooperação de todos, principalmente das empresas e dos países que controlam o fornecimento mundial de vacinas”, assinalou.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: