Haiti, um coquetel de crise política e desastre econômico perpétuo

Assassinato do presidente Jovenel Moïse no país mais pobre das Américas coincide com uma escalada de violência e crise sanitária por causa da pandemia

Um grupo de jornalistas se reúne em frente a um mural que mostra o presidente Jovenel Moïse perto da sua residência, onde ele foi assassinado a tiros na madrugada desta quarta-feira, 7 de julho.
Um grupo de jornalistas se reúne em frente a um mural que mostra o presidente Jovenel Moïse perto da sua residência, onde ele foi assassinado a tiros na madrugada desta quarta-feira, 7 de julho.Joseph Odelyn (AP)
Mais informações

A crise política no Haiti, que nesta quarta-feira escalou a níveis insustentáveis com o assassinato do presidente Jovenel Moïse, anda de mãos dadas com sua história econômica —marcada por baixa renda, poucas oportunidades, muita dependência da ajuda externa e constantes obstáculos ao crescimento. Esta ex-colônia francesa nas Antilhas, independente desde 1804, é o país mais pobre do Hemisfério Ocidental, atrás da Nicarágua, e mesmo antes da pandemia de covid-19 já vivia uma paralisia causada por violentos protestos sociais. Nesta nação onde 60% da população vive na pobreza, as perspectivas econômicas são cinzentas.

Os dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) indicam a que em 2019 o produto interno bruto (PIB) do Haiti caiu 1,7% por causa dos piquetes viários e da violência, que causaram semanas de completa paralisia econômica. Os haitianos saíram às ruas para protestar contra o presidente Moïse e lá continuam, dois anos depois, apesar da pandemia. Os bloqueios nas estradas tiveram um impacto severo na atividade econômica, particularmente na indústria do turismo e nos setores exportadores, dois motores centrais da sua pequena economia. O país tem pouco mais de 11 milhões de habitantes, e o FMI estima que em 2021 sua economia crescerá apenas 1%.

Em 2020, com a chegada da covid-19, a economia sofreu uma segunda contração inclusive maior, de 3,7% do PIB, de acordo com dados do FMI. Sua moeda se depreciou quase 30%, o que encareceu o preço dos combustíveis adquiridos em dólares no mercado internacional. Os programas de assistência alimentar e a pobreza extrema cresceram, porque o Governo impôs rigorosos confinamentos para conter o vírus.

“No começo de 2020, partes do país estavam perto de experimentar um desastre humanitário quando a ONU lançou um apelo por uma assistência humanitária de emergência que arrecadou menos de 10% das quantias solicitadas”, escreveu o FMI em seu relatório de abril do ano passado sobre o país. O fundo decidiu conceder ao Governo um empréstimo de 111,6 milhões de dólares para suportar a crise econômica.

O Haiti tem um baixíssimo nível educacional, derivado em parte da instabilidade política que o país vive há décadas. Além disso, por sua localização geográfica, é frequentemente atingido por furacões, inundações e terremotos, cujo dano atrapalha o crescimento, já que a economia está em um constante estado de reconstrução. O Banco Mundial estima que 90% da população está sob risco de desastres naturais.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: