Eleições Irã

Irã escolhe ultraconservador em eleição dominada pela covid-19

Resultados preliminares indicam Ebrahim Raisí como vencedor. Impossibilidade de mudar nas urnas o rumo político do país desanima muitos dos milhões de eleitores

O aiatolá Ali Khamenei vota nesta sexta-feira.
O aiatolá Ali Khamenei vota nesta sexta-feira.ATTA KENARE / AFP
ENVIADA ESPECIAL, Teerã - 18 jun 2021 - 11:46 UTC

O clérigo ultraconservador Ebrahim Raisí, chefe do Judiciário, conseguiu uma vitória acachapante nas eleições presidenciais do Irã, segundo os resultados preliminares. De máscaras, luvas, desinfetante, os mais de 50 milhões de iranianos com direito a voto foram às urnas nesta sexta-feira. O pleito, realizado ainda à sombra da epidemia de covid-19, teve o domínio dos conservadores, corrente à qual pertenciam três dos quatro candidatos. Mas, a expectativa é que nem a política externa nem o programa nuclear do Irã vão mudar, já que ambos são prerrogativa do líder supremo do regime islâmico, o aiatolá Ali Khamenei.

Mais informações

As 67.000 seções eleitorais abriram às 7h (23h30 de quinta em Brasília). O número de urnas aumentou 7% neste ano, e o horário de votação foi ampliado até meia-noite (podendo ser prorrogado por mais duas horas) para evitar as aglomerações e respeitar as normas sanitárias para a pandemia. Esse horário tão dilatado exigiu a suspensão do toque de recolher que estava vigente entre 22h e 4h em Teerã e outras cidades marcadas em vermelho pelo nível de incidência do coronavírus.

Raisi tinha atrás de si um distante segundo lugar, Abdolnaser Hemmati, um moderado que até sua aprovação como candidato era o presidente do Banco Central.

Junto da eleição presidencial ―a 13ª da história da República Islâmica, fundada em 1979―também ocorreram eleições municipais. Trata-se de uma complexa operação logística no Irã, um país quase do tamanho do Amazonas e uma população de 83 milhões. O processo exigiu a mobilização de 1,5 milhão de pessoas, entre funcionários eleitorais e forças de segurança. Mas a coreografia está bastante ensaiada após quatro décadas de sucessivas convocações. A jornada começou com o voto do líder supremo, em uma mesquita anexa à sua residência no bairro de Jamaran, na zona norte da capital iraniana. Depois, seguiu-se o voto dos candidatos, de forma escalonada, para que possam aparecer ao vivo na televisão.

Os iranianos comuns guardam decepção com a falta de diversidade ideológica entre os candidatos e desalentados pela crise econômica. No último ano, a pandemia somou-se à má gestão histórica de seus dirigentes e às sanções reafirmadas pelos Estados Unidos como resultado de Donald Trump ter abandonado o acordo nuclear em 2018.

“Compreendemos que o problema não é o Governo, e sim o regime. Que mude o presidente ou os membros do Parlamento, isso não soluciona a corrupção que corrói todo o sistema”, afirma um profissional da saúde que sonha em emigrar.

A “democracia religiosa”, como os dirigentes qualificam o peculiar sistema iraniano, conta com uma dupla estrutura institucional, em que os ocupantes de cargos eletivos têm suas responsabilidades limitadas por outros dirigentes, estes designados. As competências do presidente são mais semelhantes às de um primeiro-ministro em um sistema presidencialista, cuja máxima autoridade política e espiritual é o líder supremo.

Então por que o interesse do regime em que Raisi seja eleito? Como o aiatolá Khamenei já completou 82 anos, é de se esperar que venha a ser substituído durante os oito anos de mandato que um presidente pode exercer. Nesse caso, ele integraria a trinca que constitui o Conselho de Liderança (junto com o chefe do Poder Judiciário e um clérigo graduado) encarregado da transição até a eleição de um novo líder supremo. Alguns analistas veem Raisi como um possível sucessor do Khamenei, que também foi presidente antes de ser designado líder supremo, mas, dado o desgaste que uma passagem pelo Governo acarreta, a presidência pode se tornar uma maçã envenenada para ele.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Apesar da apatia que dominou a campanha eleitoral, sobretudo em Teerã e nos grandes núcleos urbanos, onde vivem 75% dos iranianos, é complicado estimar o nível de comparecimento às urnas. Não existe um cadastro eleitoral que atribua uma seção eleitoral em função do lugar de residência. Os iranianos podem votar em qualquer lugar do país onde estiverem. Neste ano, além disso, por causa da covid-19, não houve a prática de manchar o dedo do eleitor com tinta indelével após o voto, para evitar que a pessoa vote mais de uma vez. O controle é feito eletronicamente, pela carteira de identidade.

Alguns analistas haviam sugerido que a pré-seleção de candidatos majoritariamente conservadores e o crivo de todos os reformistas indicava que o regime já não se importa com o nível de participação. Entretanto, tanto o Khamenei como o atual presidente, Hasan Rohani, fizeram os habituais apelos de comparecimento às urnas.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50