Pandemia de coronavírus

Mesmo com vacinação avançada, Reino Unido adia fim das restrições para barrar variante da Índia

Governo britânico pretendia recuperar a normalidade plena em 21 de junho. Será mantido o limite de seis pessoas em reuniões em espaços internos e a recomendação de trabalhar de casa

Clientes do pub Fox on The Hill, no sul de Londres, em uma área externa em 12 de abril.
Clientes do pub Fox on The Hill, no sul de Londres, em uma área externa em 12 de abril.ANDY RAIN / EFE

Boris Johnson começa a se dar conta de que a liberdade, como ele a concebeu, ainda está muito longe. O primeiro-ministro britânico apareceu perante a mídia nesta segunda-feira, acompanhado por seus dois principais assessores médicos durante a pandemia, para anunciar o adiamento de até quatro semanas do Dia da Liberdade. No plano de reabertura gradual traçado por Downing Street, 21 de junho seria a última etapa, o momento em que os cidadãos recuperariam sua normalidade total e as restrições sociais seriam quase completamente removidas. A variante indiana (ou delta), que se espalhou pelo país a um ritmo preocupante nas últimas semanas, interrompeu os planos.

O Reino Unido registrou 7.742 novos casos e três mortes nesta segunda-feira. Em média, o número de novas infecções é 45% maior do que uma semana atrás. O ritmo de internações também está se acelerando, e já é 50% maior que nos dias anteriores. E afeta principalmente os menores de 40 anos. Na verdade, a incidência de 14 dias para cada 100.000 habitantes passou de cerca de 40 há um mês para mais de 130, de acordo com os dados mais recentes do site do Governo.

Mais informações

“Não podemos eliminar simplesmente a covid-19 de um modo definitivo. Temos que aprender a conviver com isso”, explicou Johnson. Com a nova variante, afirmou, “a ligação entre contágios e hospitalizações enfraqueceu, mas não foi interrompida de todo”. Agora será mantido o limite de seis pessoas em reuniões internas e a recomendação de se continuar trabalhando em casa. Johnson ofereceu o consolo de suspender o atual limite de 30 pessoas para casamentos, embora os lugares devam continuar aplicando as regras de distanciamento social e os bailes subsequentes estejam proibidos. Teatros, discotecas e festivais de música permanecerão proibidos.

As viagens internacionais serão afetadas pela decisão, mas Johnson não quis antecipar nenhuma mudança. Todos os países europeus, incluindo a Espanha, permanecem na “lista âmbar”. O Governo britânico recomenda não planejar férias para os destinos dessa lista e obriga quem retorna deles a uma quarentena de dez dias e três testes de PCR. “Vamos nos ater ao nosso sistema de listas verde, vermelha e âmbar. Não posso acrescentar muito mais quanto a isso”, resumiu Johnson, em resposta à crescente frustração na indústria do turismo.

O primeiro-ministro britânico enfrenta um duplo dilema, que levará algumas semanas a mais para ser resolvido. Os especialistas que o aconselham querem verificar a real eficácia das vacinas para impedir os casos de pacientes gravemente enfermos infectados pela nova variante. Apesar do sucesso da campanha de vacinação, os números ainda não alcançam uma barreira da tranquilidade. Um estudo publicado pela revista científica The Lancet concluiu, com dados coletados principalmente na Escócia, que o risco de hospitalização derivada da variante indiana, que já se tornou a predominante em todo o Reino Unido, é o dobro do da primeira variante, conhecida como britânica. A dose dupla de vacinas tem sido um pouco menos resistente à nova ameaça, mas ainda oferece muita esperança. Duas injeções do composto Pfizer oferecem 81% de proteção. No caso da AstraZeneca, a mais distribuída no Reino Unido, a proteção é de 60%.

O Governo britânico tem mais quatro semanas para acelerar o ritmo da vacinação e atingir um triplo objetivo: que todos os maiores de 50 anos tenham recebido as duas doses e que tenha decorrido o tempo necessário para que surtam efeito; aumentar a velocidade da campanha de vacinação para maiores de 40 anos; e, por fim, reduzir para todos eles o intervalo entre as doses de 12 para oito semanas. No total, 57% da população adulta do Reino Unido já recebeu ambas as injeções, em comparação com 79% que recebeu apenas a primeira. A cifra crucial seria de 70% com o tratamento integral até o final de julho, e essa é a meta de Downing Street. “Até 19 de julho teremos construído um muro de imunização para toda a população. Estou confiante de que nesse dia poderemos retomar a normalidade”, disse o primeiro-ministro.

Mas Johnson também enfrenta uma situação política complicada. Repetidas vezes, ele insistiu em que o retorno à normalidade, após submeter os cidadãos a uma montanha-russa de tensões com confinamentos que apareciam, desapareciam e reapareciam ainda mais severos, seria “irreversível”. Os dados científicos atuais não concluem que 19 de julho deve ser necessariamente o novo “dia da liberdade”. A incerteza pode prolongar-se ainda por muito tempo e a paciência dos britânicos acabará sendo testada com novas expectativas frustradas. Com essa tensão psicológica, há a revolta política.

Nesta segunda-feira, o presidente da Câmara dos Comuns, Lindsay Hoyle, qualificou como “completamente inaceitável” que Downing Street tivesse anunciado antes para a mídia a decisão que Johnson estava prestes a adotar, sem que os deputados tivessem algo a dizer. “Não aceito isso e estou em um estágio em que começo a considerar outras possibilidades, se o Governo não estiver disposto a tratar esta Câmara de uma forma mais séria”, disse Hoyle em um comunicado inflamado. O caso todo está mais para ofensa formal do que crise constitucional em gestação. É tradição que os anúncios relevantes do Governo britânico sejam feitos primeiro no Parlamento, embora há muitos anos os inquilinos de Downing Street vazem as grandes decisões antes para os jornalistas. Johnson, porém, superou em muito seus antecessores nessa prática. Nesta segunda-feira, o ministro da Saúde, Matt Hancock, deveria explicar em Westminster o que seu chefe já havia revelado três horas antes.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50