Castillo se declara vencedor no Peru antes de encerrada a apuração oficial: “O povo falou”

Candidato, que lidera o escrutínio por estreita margem, promete formar um Governo que respeite a democracia e a atual Constituição

Pedro Castillo saúda seus seguidores no seu comitê eleitoral em Lima, na noite de segunda-feira.
Pedro Castillo saúda seus seguidores no seu comitê eleitoral em Lima, na noite de segunda-feira.SEBASTIAN CASTANEDA (Reuters)
MÁS INFORMACIÓN

Pedro Castillo declarou-se nesta terça-feira o vencedor das eleições presidenciais no Peru, com base na apuração paralela de seus fiscais. O professor rural se dirigiu a seus seguidores, que permanecem desde o começo da apuração concentrados em frente à sede do partido, em Lima, para anunciar que sua atual liderança sobre Keiko Fujimori é irreversível. “O povo falou”, disse o ativista de esquerda, tirando o chapéu e abrindo os braços em sinal de vitória.

Castillo se antecipou ao final da apuração, com 98,3% dos votos contabilizados. O professor tem quase 72.000 votos de vantagem sobre Fujimori, que esperava reduzir essa distância na etapa final da apuração, com a chegada dos votos dos peruanos no exterior, mas ao mesmo tempo foram computadas as atas de regiões mais remotas do Peru, onde Castillo recebeu um apoio maciço. “De acordo com o relatório de nossos representantes, já temos a apuração oficial do partido, onde o povo se impôs a esta façanha, a qual saudamos. Por isso, peço também que não caiam na provocação”, disse no início da sua fala.

Mais informações

Ao fundo se ouviam as buzinas, tocadas durante todo o dia por seus seguidores. Castillo, de 51 anos, qualifica como “provocação” as insinuações de sua rival, que na segunda-feira convocou uma entrevista coletiva para denunciar que o partido do professor estava manipulando atas, o que punha em dúvida a lisura das eleições. Fujimori não apresentou provas da suposta fraude. Há cinco anos, quando perdeu outra eleição, contra o economista Pedro Pablo Kuczynski, fez a mesma denúncia. Os observadores internacionais felicitaram o organismo eleitoral pela organização do pleito.

Grandes escritórios de advocacia do Peru ―que representam os setores que optaram majoritariamente por Keiko Fujimori―, apresentarão nesta quarta-feira pedidos de anulação de mais de 100.000 votos do candidato esquerdista. Como a lei eleitoral proíbe contribuições de empresas privadas às campanhas eleitorais, os escritórios procuram uma fórmula para que a autoridade eleitoral não considere o trabalho de revisão de atas e pedidos de impugnação como uma forma de financiamento ilícito para Fujimori.

O sol, a moeda local, caiu nos últimos dias perante a incerteza de um país já habitualmente agitado, que teve quatro presidentes na última meia década. “Estão nos passando algumas rasteiras, como a alta do dólar, que manhã vai subir alguns pontos mais, o preço do pão, o preço do frango, o preço da cesta familiar. Mentira! O que acontece é que há certa incerteza, mas o povo já não acredita”, disse Castillo.

Contou ter mantido contatos com empresários, parte de um setor que durante a campanha manifestava rejeição frontal à sua candidatura, já que a elite peruana se aglutinou em torno de Fujimori. “Acabo de ter conversas com o empresariado nacional que está mostrando seu respaldo ao povo. Faremos um Governo respeitoso com a democracia, com a Constituição atual. Faremos um Governo com estabilidade financeira e econômica”, finalizou. Castillo havia gerado polêmica semanas atrás ao prometer convocar um referendo para reformar a Constituição.

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Até o fechamento das urnas, as pesquisas indicavam um empate técnico entre os dois candidatos que disputavam o segundo turno, de modo que cada voto poderia ser decisivo. A apuração mantém o Peru em vigília desde a noite de domingo. Para que a vitória seja oficializada, é preciso que o Escritório Nacional de Processos Eleitorais (ONPE, na sigla em espanhol) conte todas as cédulas. O Tribunal Nacional de Eleições resolverá posteriormente as impugnações apresentadas por ambos os lados, e só depois disso diplomará o vencedor. A se confirmar o prognóstico de Castillo, Fujimori teria sido derrotada pela terceira vez consecutiva em um segundo turno das eleições presidenciais. A última, em 2016, também foi por uma margem muito estreita.

O partido de Castillo não dá o assunto por encerrado. Para se defender de uma suposta fraude à qual se referiu indiretamente em várias ocasiões, a formação pediu a seus seguidores que se mantenham dia e noite nas imediações do escritório eleitoral, que se encontra a 300 metros da sede do Peru Livre, o partido ao qual Castillo se filiou para disputar as eleições em janeiro, quando era praticamente um desconhecido.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: